• Bem-vindo, visitante, ao primeiro blog da Rede DDD

    Este é o blog principal da Rede DDD, uma rede composta por 15 sites integrados, voltados para a discussão das grandes questões nacionais e de temas polêmicos, em diversas áreas do conhecimento humano. Se você não encontrar aqui o que procura, nós o ajudaremos a encontrar, redirecionando-o para o lugar certo. Antes, porém, veja se está mesmo no lugar certo:

    Se você não gosta de questionar; se acha que tudo já foi dito antes; se acha que protestos são perda de tempo e que não vale a pena se preocupar com a devastação da natureza e com os problemas futuros da humanidade porque, quando chegar a hora certa, alguém resolverá por nós; se costuma aceitar dogmas religiosos e imposições das igrejas sem discutir e se crê que se deva entregar as soluções nas mãos de "Deus" porque "Ele" tudo resolve; se acha que ter uma religião e segui-la é o bastante; se não tem espírito libertário; se não tem senso crítico, não aceita rever seus conceitos e não gosta de reflexões nem de pensar muito... Então, provavelmente, achará que está no lugar errado e não vai gostar muito de navegar por aqui.

    Se concorda, acertou o lugar! Siga conosco e acompanhe as matérias de nossos outros sites, abaixo:


    OUTROS SITES DA REDE DDD:


    Portal DDD Botequim Filosófico Virtual Blog DDD DDD Teccnologia Bau_do_Inexplicado Formou? Disseca e Publica! Rede Irreligiosos
    Mentiras Dominantes Observatório Político Brasileiro Temas Instigantes Vida Escaneada Videoblog do Insólito Brasil, Tomografia Política Café Filosófico Virtual


Tag: Catolicismo

Os megaeventos cristãos e a guerra religiosa “católicos x evangélicos”

Atualidades

Não é novidade para ninguém que nos últimos 20 anos o número de católicos vem caindo, enquanto o de evangélicos cresce, em ritmo acelerado, a tal ponto de os evangélicos, segundo o censo do IBGE de 2010, já serem 42,3 milhões de fiéis. A se manter esse ritmo, as previsões indicam que, por volta de 2025, o número de evangélicos ultrapassará o de católicos. Ciente disso, a Igreja católica reage e começa a usar as mesmas técnicas de marketing utilizadas pelos evangélicos. Quem irá prevalecer como maioria? Por volta de 2025 ou até antes um pouco, saberemos.

Indicação do Irreligiosos: Livro “Onde a Religião Termina?”, de Marcelo da Luz

Indicação do Irreligiosos: Livro “Onde a Religião Termina?”, de Marcelo da Luz
Catolicismo

   Por estar em consonância com um dos objetivos deste blog, no que se refere à categoria "Religião", transcrevemos abaixo o post hoje publicado em nosso site coirmão "Irreligiosos": —————————————————————————————————————— "Como já tivemos oportunidade de comentar aqui, recomendamos fortemente aos nossos leitores-membros irreligiosos (e aos […]Continuar lendo >>

Padres cantores: a moda pegou e eles e as gravadoras começam a faturar alto

Padres cantores: a moda pegou e eles e as gravadoras começam a faturar alto
Catolicismo

Pois é, vejam o que a mídia (principalmente da Globo) faz… Aproveitando a nova onda dos padres cantores e de cantores gospels, criam-se ídolos da noite para o dia, em nome da religião, e depois fatura-se alto com eles. Bom negócio para contratantes e contratados. […]Continuar lendo >>

Historicidade de Cristo em Xeque na Comunidade Acadêmica

Historicidade de Cristo em Xeque na Comunidade Acadêmica
Agnosticismo

Na matéria, versando sobre as controvérsias sobre a historicidade de Cristo, o autor Ivo S. G. Reis faz uma breve introdução ao assunto e, a seguir apresenta uma extensa lista de personagens do mundo cultural e acadêmico (escritores, filósofos, teólogos, pesquisadores, historiadores, etc) que apontam para um Jesus mítico ou meramente humano, cuja historicidade não endossam.

A Timidez e a Omissão da Ciência em Investigar a Inteligência de Cristo (por Kleber Ramírez)

A Timidez e a Omissão da Ciência em Investigar a Inteligência de Cristo (por Kleber Ramírez)
Catolicismo

Libelo quanto à omissão da ciência em analisar com mais seriedade e imparcialidade a inteligência e a personalidade de Cristo. Frustração por essa mesma Ciência não ter conseguido comprovar a “historicidade de Cristo”, quando poderia, se quisesse e investigasse com maior profundidade (opinião do autor)