A MAIS INCONVENIENTE DAS VERDADES

13/01/2008
by mgomide3

         Artigo escrito por:      Antídio S.P.Teixeira

             Parodiando o título do documentário do ex-vice-presidente dos EUA, All Gore, alerto os cidadãos esclarecidos do mundo para inverdades habilmente apresentadas pelos meios de comunicação, com objetivo de ofuscar a verdadeira e única causa do desastre ambiental que os países ricos impuseram ao mundo queimando materiais fossilizados para obtenção da energia com a qual construíram as riquezas que lhes conferem poder e promove o bem-estar de seus povos.

Fazem cerrada campanha contra […] desmatamentos, sejam eles para extração de madeira ou para fins agropastoris; sugerem o racionamento de água potável e exigem a preservação de florestas nativas e das faunas silvestres, fluviais e marinhas; criticam as queimadas para limpeza de canaviais que aqui se faz desde que se começou a plantar canas no início da colonização; palpitam sobre os vazadouros de lixo e querem estabelecer normas em territórios indígenas. Assim, desviam a atenção da massa popular da verdadeira causa do desequilíbrio climático que já está se manifestando em nosso planeta na forma de aquecimento global e cuja responsabilidade cabe a eles, os ricos, com a obtenção de energia para todos os fins a partir da combustão de hulha, petróleo e de gás natural por mais de dois séculos. Entendam que, todas as combustões são poluentes; quer sejam a partir destes materiais fossilizados assim como da biomassa vegetal contemporânea tais como lenha, carvão vegetal, óleos vegetais ou graxos animais. Isso porque, todos esses materiais ao liberar o calor que mantém agregadas as suas moléculas, combina o carbono contido nas mesmas com o oxigênio (comburente) livre da atmosfera, devolvendo-o a esta como óxidos de carbono (CO e CO2). O que faz a diferença é o histórico das origens: os fósseis, foram produzidos pelo enclausuramento acidental e seqüente no subsolo da biomassa florestal que foi sendo formada durante muitos milhões de anos, nascendo umas sobre os resíduos de suas antecessoras, num mesmo espaço do solo. Estes resíduos deixaram de apodrecer por oxidação, como seria natural, porque, sepultados, perderam o contato com o oxigênio livre que as florestas anteriores liberaram por fotossíntese durante seus ciclos vitais. Assim, ao queimá-los hoje, já não dispomos de espaços no solo suficiente para reciclar seus poluentes em curto prazo por processos agroflorestais, únicos economicamente viáveis já que se desconhece tecnologia capaz de fazê-lo sem prejuízos ao sistema.
  
 

   “Na Natureza, nada se perde e  nada se cria, tudo se transforma”.  
             (Combustível + comburente = calor + óxidos de carbono).
Hoje, quando desmatamos uma área, nem sempre se tem condições de aproveitamento do calor armazenado na biomassa, mas o processo não é tão nocivo ao meio ambiente como parece, porque o calor e os gases que este tipo de combustão libera no meio ambiente é uma devolução do mesmo que a massa vegetal captou e reteve durante sua existência viva. E mais: deixam o solo livre para novas culturas que irão recolher mais calor e carbono para futuras combustões. É o que não acontece quando queimamos materiais fossilizados. Portanto, o que os atuais países ricos fazem é patrocinar a mídia no sentido de focar a atenção do mundo contra processos de subsistência natural de países subdesenvolvido e em desenvolvimento, como no nosso caso, enquanto mantêm acesas suas fornalhas industriais e motores em movimento queimando combustíveis não recicláveis.
     Considerem que as cotas de carbono que foram lançadas na atmosfera para fundir com hulha (coque) a primeira viga de ferro ou aquelas provenientes da gasolina que impulsionou o primeiro automóvel, assim como as do querosene que fez alçar o vôo do primeiro avião a jato, continuam flutuando dentro da atmosfera fazendo aumentar a sua densidade global e, com isso, desequilibrando a cobertura atmosférica, cujas conseqüências já vêm se manifestando, há anos, com a queda da produtividade agrícola em várias regiões acima do Trópico de Câncer e abaixo do de Capricórnio e, agora, na desordenação do clima causando os desastres ambientais que estão ocorrendo em várias partes do mundo e distribuindo prejuízos globais.
           Não se iludam com promessas de empresários, ou de governos, de que vão arborizar o mundo ou que irão promover a redução do consumo supérfluo porque aquela solução, demanda em despesas e esta, é que gera lucros e garante a sustentação do “sistema econômico” que adotaram e que oferece vantagens pessoais ou setoriais ao comando. Quem desejar legar aos filhos e netos um mundo habitável e harmonizado pela compreensão das limitações pertinentes à Natureza, tem que começar a praticar e difundir a necessidade de redução global do consumo supérfluo que, hoje, alimenta vaidades e prazeres extravagantes daqueles que conseguem amealhar alguns tostões além do suficiente para satisfazer às suas necessidades essenciais.  O caminho é: criar novas moralidades para reger  comportamentos sociais compatíveis com as condições ambientais e os recursos naturais de cada região do nosso planeta enfermo.

                                                                      Rio de Janeiro, 13.1.2008

 

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

1 Comentário

  • Walter Hauer disse:

    Com o eco terrorismo na mídia comercial, eles foram capases de inverter a verdade, e assim precionando os corruptos das podres instituições para que atravéz de decretos-lei, “democraticos” grilar terras com mananciais de água, e o pouco que sobrou de florestas nativas. Os decretos exigiam a intocabilidade, e a contemplatividade, e quem preservou não foi incluido como parte integrante do meio ambiente e transformado em ameaça da natureza, logo sem direitos a nada a nenhum tipo de apoio só fiscalização multas etc. Com este exemplo, fez com que a vegetação nativa se transformasse em problemas, e substituida por exótica importada. Já são 26 anos desta aberração. Hoje estão exigindo dinheiro público para a manutenção “recuperação, e projetos sustentados,” tudo que foi negado aos brasileiros proprietários históricos. detalhes no blog MATAALHEIAMAMATANOSSA.BLOGSPOT.COM conheça como funciona a malandragem atravéz das charges.

Deixe uma resposta