Ambas são teorias ainda não totalmente comprovadas e se referem ao planeta e ao aquecimento global. Uma, menos alarmista, apoiada no cientificismo e na experimentação; a outra, pregando o catastrofismo, baseada em estatísticas, fotos e observações.

Antes de adentrar no assunto, que pelas características deste espaço, não pode ser aprofundado, cabe algumas ressalvas: Tanto a Teoria de Gaia como a Teoria do Aquecimento Global mereceriam longos ensaios feitos […]de formas isoladas pelas comunidades científicas mundiais e, depois, um longo estudo comparado, concluindo o que de verdadeiro existe em ambas as teorias, e recomendando os procedimentos corretos a serem adotados pela ciência e pela humanidade.

Infelizmente, eu, mero observador, cidadão comum, blogueiro brasileiro, sem nenhuma autoridade para emitir opiniões sobre o assunto, embora cuidadoso e imparcial pesquisador, não encontrei ainda, em minhas pesquisas (livros, jornais, revistas, periódicos de ciência e biologia, bibliotecas, internet, etc), nenhum estudo que preenchesse convenientemente esta lacuna. Talvez até já exista, mas não encontrei ou não soube como procurar. Mas, se com todo esse esforço não encontrei, acredito que muitos de vocês também não, estando na minha mesma situação: inquietos e querendo saber em que e/ou em quem acreditar.

Por isso, e só por isso, vou tentar resumir o que sei e colocar a questão para debate e reflexão. Fique claro, porém, que o assunto é vastíssimo e terá que ser abordado inúmeras outras vezes, sob vários enfoques diferentes. Não se espere encontrar, aqui, as explicações buscadas. Mas apenas as bases para que você, leitor, continue a jornada, pesquisando e tentando tirar suas próprias conclusões, se é que já é possível chegar a isso. A comunidade científica ainda não chegou a um consenso. Será que nós conseguiremos chegar a um, mesmo que provisório, e apenas para aplacar a nossa curiosidade temporariamente?

Nos últimos anos, todos, começando pelos estudantes da 5ª série do ensino fundamental, têm ouvido falar do aquecimento global e, alguns, até tentando arriscar-se a defini-lo e explicá-lo, tal é a intensidade da divulgação na mídia. Nas escolas (não como ensino didático oficial), os professores já começam a comentar e emitir conceitos que, na verdade, são apenas os seus pontos-de-vistas pessoais, mas que, ainda assim, influenciam os alunos. Entre os adultos, fala-se disso em todos os lugares: em família, conversas em rodas de amigos, em salões de beleza, e até nos bares e botequins da vida. O assunto está tomando ares de verdade absoluta e todo mundo tem o seu palpitezinho a dar, ninguém alegando ignorância global, seja a pessoa culta ou inculta. E é isso o que me preocupa, porque eu, que ainda não consegui formar minha convicção sobre o assunto, estou começando a me sentir meio complexado, como se tivesse um raciocínio de efeito retardado, porque demoro muito a assimilar uma "verdade", por todos conhecida e pacificamente aceita.

Mas aí vem a minha reflexão e o consolo, ancorados numa frase e num dito popular. A frase: "Toda a maioria é burra" (Nelson Rodrigues – escritor, dramaturgo-teatrólogo); o dito popular: "Uma mentira, dita repetidas vezes, por muitos, passa a soar como verdade" (autor desconhecido).

Quanto à frase de Nelson Rodrigues, não a aceito integralmente, por achá-la por demais genérica e radical, não considerando as exceções. Mas se ele dissesse: "Quase toda a maioria é burra", não teria dúvidas em concordar. O dito popular sobre a mentira, este é mais fácil de aceitar e concordar, sem reparos.

Com efeito, se a maioria sempre tivesse razão, todos os países de regime presidencialista, teriam os melhores presidentes para o povo, pois é ele, pela maioria, quem os elege. E na maioria das vezes, erra. Para citar só um exemplo, analise-se o caso de George W. Bush, Presidente dos Estados Unidos, cujo mandato, felizmente, terminará em 2008. Perguntem aos americanos, inclusive aos próprios republicanos, quem hoje, em sã consciência e imparcialidade, acha que Bush fez um bom governo? E no entanto, a maioria burra o elegeu por duas vezes. Duas vezes!

Dito isto vamos ao que interessa:

Em síntese, a teoria do aquecimento global, apregoada e defendida por Al Gore, ex-Vice-Presidente dos Estados Unidos na Administração Bill Clinton, Prêmio Nobel da Paz em 2007, pelo desenvolvimento e divulgação da teoria, enfatiza o efeito estufa provocado pelo excessiva quantidade de dióxido de carbono (CO2) expelida para a atmosfera, destruindo a camada de ozônio, permitindo a penetração dos raios UV e ondas de calor cada vez maiores e cumulativas que, retidas, causam o aquecimento global, com conseqüências catastróficas para a humanidade (alterações climáticas, derretimento das geleiras polares, inundações pela subida do nível dos oceanos, etc).

"Com o aquecimento global, as áreas tropicais do planeta, certamente, serão as mais afetadas. Nestas áreas predomina a agricultura de subsistência que supre as necessidades alimentares de milhões de famílias. Entretanto, como explica Myers (LEGGETT, 1992, p.362), "o maior agente do desmatamento das florestas tropicais é o lavrador itinerante", que, expulso de suas terras agrícolas tradicionais, dirige-se para as áreas florestadas, ainda não ocupadas, gerando ações impactantes ao meio ambiente (Climatologia e Estudos da Paisagem – Rio Claro – Vol. 2 n.1 – janeiro/ junho/2007, p. 14)."

Como se viu, não só os ambientalistas, biólogos e cientistas, mas todos, ou seja, a maioria, "já conhece ou pensa conhecer as causas e efeitos do aquecimento global" (olha a maioria aí de novo!).

Agora, vejamos o que é e o que diz a "Teoria de Gaia": Primeiramente, vamos ao nome. Por que "Gaia"? Este nome foi escolhido em homenagem à deusa grega, "Gaia", que siginificava Mãe Terra. Então, "Gaia", significa "Terra", o planeta em que vivemos. Esta teoria foi desenvolvida pelo biólogo inglês James Lovelock (veja o endereço da sua home page na barra lateral deste blog), na década 1960/1970, trabalhando para a NASA, em pesquisas sobre a existência de vida em Marte e Vênus.

Não constatando vida naqueles planetas, redirecionou suas pesquisas, comparando-as com o planeta Terra, concluindo que alguns componentes de gases aqui existentes, mas não existentes em Marte e Vênus ou existentes em quantidades bastante diferentes eram o que permitiam a vida na Terra e, mais que isso, tornavam-na um "organismo vivo". Inseriu a idéia de que cada componente da Terra funciona de forma interligada. As plantas e animais fazem parte do mesmo conjunto, de uma mesma unidade funcional. Por sua vez, este conjunto é parte integrante de um conjunto maior – o próprio planeta Terra – Gaia, um imenso organismo vivo e auto-regulador (James Lovelock – The Gaia Theory -1970).

Essa é a sínteses da Teoria de Gaia, apresentada em 1972 à comunidade científica – A Terra é um ser vivo que se auto-regula. Como decorrência, afirma que as variações climáticas sempre existiram, com períodos de picos de calor (aquecimento global) e de frio(resfriamento global), como resultante da atividade solar e da órbita e rotação do Planeta. Afirma também que isso ocorre dentro de uma faixa máxima e mínima em que esse organismo, Gaia, sobrevive, se auto-regulando, como forma de defesa. Concorda que, no momento, estamos num ciclo de aquecimento global, mas coloca em xeque que isso tenha como conseqüência principal a excessiva emissão de CO2 na atmosfera, porque Gaia seria capaz de neutralizar isso. Comprova estatística e historicamente que esses ciclos já existiram antes e que Gaia se auto-regulou, como forma de sobrevivência. O que é colocado em xeque e de fato preocupa é o "período de duração desses ciclos, que tem diminuído consideravelmente, ao longo dos 3,8 bilhões de anos de existência do planeta". E aponta outras causas, todas decorrentes da interferência da ação do homem sobre o meio ambiente (atividades agrícolas, desmatamentos, queimadas, desertificação provocada, poluição de oceanos, etc)

Infere-se, pois, da sua teoria, que a Terra ou Gaia, como prefere chamar, ainda está em estado de homeóstase(*), tendo reservas de sobrevivência, autodefesa e adaptação, produzindo suas alças de retroalimentação. O que é necessário definir é tão-somente até quando ela conseguirá manter este estado.

Aí está posto o que consegui depreender, não sei se certa ou erradamente. Vale ressaltar, porém, que a comunidade científica está dividida em relação a aceitar que a Terra seja um organismo vivo, porque "não teria a capacidade de se reproduzir", qualidade inerente aos seres vivos. Também há relutância erm aceitar que Gaia possa estar em estado de homeóstase. Lovelock rebate exemplificando com a reprodução assexuada, outras formas de auto-reprodução e até com "formas de reprodução desconhecidas" e a não absoluta certeza de estarem definidas todas as formas de funcionamento dessa característica dos seres vivos. Está formada a confusão. Mesmo assim, já se propôs que essa teoria passasse a ser ensinada didaticamente nas universidades, como parte da Biologia, mas aqui também houve (e continua havendo) resistências. A despeito disso, algumas escolas americanas incluíram a teoria como parte dos estudos na cadeira de Biologia.

Contra o aquecimento global, contrapõe-se a falta de cientificismo e possíveis interesses políticos e econômicos das nações mais desenvolvidas, para impedir que países dominados e os em desenvolvimento alcancem o mesmo estágio que os desenvolvidos. Coloca-se sob suspeição a credibilidade dos relatórios do IPCC, possivelmente tendenciosos, "publicando uma pseudo verdade", fabricada sob encomenda. Mas isso não tem impedido que a teoria do aquecimento global ganhe força, já que poquíssimas pessoas conhecem esses pormenores que, aliás, nem são divulgados.

O certo é que, em relação à Teoria do Aquecimento Global, a Teoria de Gaia, embora mais embasada científicamente e menos catastrófica, está em desvantagem no quesito aceitação. E não se pode deixar de ter em conta que ambas ainda são teorias e, como tal, precisam ser comprovadas.

E aí, será que neste caso, a maioria, apoiando o aquecimento global, está com a razão? Ou será a minoria que defende a Teoria de Gaia? Ou ninguém ainda sabe a verdade?

Está lançado o debate!

————————————————————————————————-

(*) – Homeóstase (definição dicionarizada): (do grego homeostasis). S.f. 1 Fisiol. Tendência à estabilidade do meio interno do organismo. 2. Cibern. Propriedade auto-reguladora de um sistema ou organismo que permite manter o estado de equilíbrio de suas variáveis essenciais ou de seu meio-ambiente (V. retroalimentação).Fontes: Filme : Uma Verdade Inconveniente (2006); Site: James Lovelock Home Page; coletânea de assuntos em sites diversos (2007 – internet)Bibliografia:

Uma Verdade Inconveniente – Al Gore – Manole, 2006, 328 pág.;The Revenge of Gaia – James Lovelock, 176 pag. – Basic Books, 2006 (July,31); The Ages of Gaia – James Lovelock, 305 pag – W.W.-Nodu, New York, 1988; A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. CAPRA, F – S. Paulo, Cultrix, 2000; Almanaque Abril 2000 – Mundo – S. Paulo, Abril Cultural, 2000; Como o aquecimento global vai afetar o Brasil – ARINI, J. – Época, Rio de Janeiro, Ciência & Tecnologia. Meio Ambiente, 02/04/2007.

Ivo S G Reis
      

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mencionar: Autor original: Ivo S. G. Reis; fonte: Recanto das Letras – Site do Autor – http://www.ivosgreis.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

 

 

Publicado em 27/12/2007 às 09h57

Technorati : , , , , , , , , Del.icio.us : , , , , , , ,

Powered by Zoundry

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

31 Comentários

  • Yan Kavasi disse:

    Realmente, você levantou agora uma questão complicada, que não tinha me ocorrido. A ênfase na teoria do aquecimento global, acho que já podemos dizer que não se deva à nova candidatura de Al Gore à Presidência dos Estados Unidos, porque os candidatos já foram lançados e ele nem concorrendo está.

    Mas, com o prestígio que adquiriu e levantando a bandeira ecológica (quem não se preocupa, tirando o Bush e empresários gananciosos?) pode estar trabalhando para os candidatos democratas que, segundo creio, ganharão as eleições. Mas podem também haver questões econômicas envolvidas, sendo bastante plausível a hipótese da dominação econômica dos mais fortes sobre os mais fracos, como vc sugeriu. Sabe-se que a maratona de palestras que ele deu, divulgando a sua teoria, foi financiada em mais de 60% por empresários e destes, a metade por um pool de companhias de seguro.

    Pelo bem da humanidade, temos de torcer que seja a Teoria de Gaia a mais verdadeira, porque assim, ainda teríamos tempo de remediar o mal que o homem já fêz ao planeta.

    Parabéns pelo artigo. Merece bastante discussão.

  • No meu entender, as duas teorias não se contrapõem; se completam. GAIA é um macro-organismo composto de todos os tipos de matéria em transformações contínuas; isso porque, tudo que nela existe está sujeito a uma série de ciclos evolutivos maiores seguido de outros involutivos menores, avançando sempre, portanto. Uns, em processos muito lentos e imperceptíveis, como os metais, outros ultrarápidos como os compostos explosivos. Sintetizando: Gaia recebe energia cósmica, materializa-a,
    aperfeiço-a e a expede na forma de vibrações inteligentes para outra dimensão cuja compreensão é, ainda, vetada ao atual estágio da compreensão humana. Já o AQUECIMENTO GLOBAL
    é uma anomalia febril que denuncia o uso indevido dos recursos naturais de Gaia. As formas de energia disponibilizadas para o uso humano são as obtidas de fontes limpas como as hidráulicas e eóleas, e as renováveis que, apesar de poluírem o meio ambiente, estas fontes têm condições naturais para reabsorverem os poluentes lançados no meio ambiente pelas suas combustões. A causa única e exclusiva da febre de Gaia foi a utilização da matéria orgânica fossilizada como fonte de calor para fundir metais, locomover veículos de transporte e gerar energia elétrica para os mais variados fins. O carbono que havia sido coletado e sepultado pelo mundo vegetal durante milhões de anos para limpar o meio ambiente, tem sido desenterrado e lançado na atmosfera juntamente com outros pluentes e com a energia calorífica que os mantinha aprisionados em sua tumbas. Isso, há pouco mais de duzentos anos. Para alimentar as combustões que possibilitaram a Revolução Industrial, queimou-se, como comburente, expressiva massa do ozônio que protege o planeta depois de convertido em oxigênio nas geladas noites dos invernos polares. Os efluentes destas combustões, com maior densidade, passaram a se extender sobre as regiões intertropicais, agora como CO e CO2 e não mais como O3 que dava proteção contra os raios ultravioletas entre os trópicos e os pólos e que permitiu o desenvolvimento da vida animada.

  • Nota:
    Redação não revisada. Descultem pelo “extender” , “eóleas ” e outras falhas que houver no trabalho. Obrigado.

  • Administrator disse:

    Caro Antídio:

    Estive ausente na última semana do ano e por isso não respondi. Primeiramente, obrigado pelo interesse na pergunta e parabéns pelo ângulo da questão que vc levantou. Muito interessante.

    Mas as dúvidas continuam. O ponto central da questão é: “até que ponto são as emissões de dióxido de carbono os principais responsáveis pela geração dos gases do efeito estufa que causariam o aquecimento global?” A informação de que essa é a principal causa está correta? Existe algum interesse oculto para que a humanidade acredite que assim seja? Quem ganha com isso? Por que os papéis dos créditos de carbono viraram “commodities”, negociadas até nas bolsas de valores? E por que começaram os ataques à energia nuclear?

    Convém lembrar que Lovelock preconiza o uso da energia nuclear em conjunto com a energia limpa e demonstra as vantagens de se passar a utilizar essas fontes de energia em conjunto, porque somente as chamadas “energias limpas” não seriam suficientes para suprir as necessidades de uma matriz energética correta.

    Que tal se tentássemos esclarecer esses aspectos e ampliar os debates?

  • Maurício disse:

    AQUECIMENTO GLOBAL e
    TEORIA DE GAIA

    Escrevendo pouco.
    Sobre o Aquecimento Global – Primeiramente, devemos considerar que “aquecimento global” é uma expressão inadequada para indicar a alteração ambiental do planeta. Não é uma teoria. É uma das conseqüências do fato gerador: desequilíbrio das condições do planeta. Melhor seria empregarmos a designação “alteração climática”, expressão com conotação ampla e que implica modificação de todos os fatores de vivência dos seres superiores. Como todas as condições vivenciais são interdependentes, a degradação de apenas um elemento da equação altera o resultado final, provocando o desequilíbrio estrutural favorável à vida (bios). Primário.
    Outra abordagem: A inteligência humana sabe por vivência e por conhecimento científico que toda ação gera um efeito. Se colocamos uma vasilha com água fria no fogo, sabemos dos efeitos possíveis, dependendo do tempo: água morna, água fervente, vasilha seca, vasilha em brasa, incêndio da casa… O fator tempo é um componente importante na composição da harmonia ambiental. Ora, a tecnologia moderna trabalha para proporcionar lucro maior em menos tempo. É uma degradação do ritmo existencial da Natureza. Resumo deste tópico: a inteligência humana sabe perfeitamente o que redunda pela ação poluidora (produção de veneno) de qualquer componente participante do complexo extremamente delicado e sensível do planeta. Mas a ganância humana por bens materiais não está agindo apenas sobre um daqueles componentes; age sobre TODOS (ar, rios, mares, terra produtiva, mini-ecossistemas, etc.). E – importante – comprime tais ações (produzindo pressão) pela redução em escala geométrica do fator tempo, o que equivale a construir uma bomba que estourará no momento em que a pressão atingir seu nível crítico em relação à resistência exercida pelas forças continentes.
    Outra abordagem: O testemunho de pessoas com mais de 80 anos e o raciocínio lógico de que dispõe a mente indicam que a humanidade vem seguindo um caminho que leva ao suicídio. Seguiu o rumo do objetivo econômico ao invés do objetivo intelectual. A simples dúvida sobre a extinção da humanidade (pena máxima) não justifica a tomada de TODAS as providências de prevenção para evitar tal ocorrência? Ademais temos que considerar um ponto importante: os efeitos de atos danosos à Natureza vêm com prazo relativamente longo.
    Conclusão: Não existe teoria (suposição) a respeito da hecatombe humana. Existe a certeza.
    Sobre a teoria de Gaia – Ela diz que o planeta Terra é um organismo vivo. Isso condiz com a harmonia ambiental descrita acima. O autor da teoria, ao fazer tal afirmação, não quis dizer “vivo” no sentido “bios” (vida) – individualizada e sujeita ao ciclo nascimento-reprodução-morte) – mas quis dizer “zoé” (Vida), que indica a energia vital, ampla, universal, sem ciclo definido, não individualizada. Até aí, tudo bem. Entendemos, no entanto, que a teoria do Sr. Lovelock criou uma explicação para uma conclusão pré-concebida ao dizer que tal corpo vivo tem seus mecanismos de auto-ajuste. Sim, ele se auto-ajusta como todas as energias do cosmo o fazem; como a própria Vida (zoé) o faz. Ele não fez distinção entre os dois conceitos de vida. Misturou acepções opostas e lançou a confusão, benéfica para uma interpretação ao sabor dos grandes sistemas econômicos, interessados em prolongar lucros insanos até a véspera do juízo final.
    5.l2.2008 – Maurício

  • Administrator disse:

    Deu para perceber que o assunto é realmente confuso e polêmico. Mas deu para perceber claramente também que, qualquer que seja a hipótese, deve haver uma brusca mudança de atitudes do homem em relação ao planeta, principalmente em razão do fator TEMPO, como bem assinalou o colega Maurício Gomide. Será que ainda teremos “tempo” de corrigir o que já fizemos de errado, antes que uma catástrofe de dimensões mundiais se abata sobre nós? Ou vamos ficar adiando essa decisão, “dando tempo ao tempo”? 

  • Respondendo ao Administrador:
    Se respondermos as questões da mesma forma objetiva como elas foram apresentadas,as respostas ficarão, apenas, sabidas e, apenas, serão repetidas; porém, apresentando o histórico da evoluçãos das causas até os fenômenos que elas produzem, estes ficarão entendidos para sempre. Porisso, vamos cansar o raciocínio de quem quiser entender os fenômenos ambientais que, hoje, preocupam a humanidade.Vejamos o porque da dificuldade de compreensão:
    O Ministério da Educação, com base em recente pesquisa, anunciou uma deficiência crônica no ensino cujos efeitos eu já percebia há décadas, mesmo entre portadores de cursos superiores: a insensibilidade para percepção dos fenômenos naturais por falta de vivência em laboratórios durante os cursos de formação. A pesquisa divulgada pelo Min. Fernando Hadad em entrevista à Revista Veja, denuncia que 70% dos professores de química e física de nível superior nunca freqüentaram aulas práticas em laboratórios. Assim sendo, deduzimos que as pessoas que com eles aprenderam, apenas repetem o que eles e os livros disseram; aquilo que, por sua vez, não viram nem sentiram. Pessoas com este tipo de formação, não refletem sobre experiência próprias, o que as deixam dependentes das idéias de outros e, nem sempre, aplicáveis aos casos em foco. Tornam-se alvos fáceis para terem suas opiniões e comportamentos dirigidos, muitas vezes, contra seus próprios interesses como neste caso. O desastre ambiental previsto, não está tão distante como pregam autoridades políticas, com endosso de cientistas. Ele já vem se formando há décadas e crescendo de forma assustadora nas áreas sócio-econômica-ambiental. A agricultura, que é a principal base de sustentação dos povos, vem perdendo produtividade nos países situados nos paralelos de graduação mais elevada, o que faz com que os mais ricos, subsidiem seus produtores para competirem com concorrentes de regiões mais produtivas, razão dos enérgicos protestos dos países em desenvolvimento, inclusive o nosso. O aumento do número de manifestações e de intensidade dos fenômenos naturais, tais como chuvas torrenciais, tornados, ciclones e secas causam sérios prejuízos, tanto nas áreas rurais como nas urbanas; as mudanças de correntes marítimas e eólias, prejudicam os regimens de reprodução de peixes e de aves; a redução das comeias de abelhas que polinizam os campos agrícolas, já vem sendo motivo de preocupação nos países ricos; incêndios florestais incontroláveis e tantos outros desastres que vêm ocorrendo, tanto nos países ricos como pobres, equatoriais, tropicais, subtropicais ou glaciais, geram prejuízos sócio-econômicos incalculáveis que são debitados à caixinha da economia globalizada e rateados entre ricos e pobres, e as cotas mais pesadas terminam ficando para os países subdesenvolvidos ou os em desenvolvimento, beneficiando mais uma vez, os povos que enriqueceram queimando hulha, petróleo e gás enquanto poluíam com os déjetos do seu progresso, o meio ambiente de todos os seres animados e, ainda, lutam para assim, continuarem.
    Para responder ao seu questionário, começarei a explicar a origem dos combustíveis fósseis, do oxigênio e do ozônio e as alterações sofridas por suas reservas para desenvolver a Revolução Industrial: os combustíveis fósseis foram produzidos com os resíduos de muitos milhares de florestas que viveram sucessivamente num mesmo espaço de solo durante milhares de anos. Tais resíduos (folhas, frutos, galhos, troncos e reízes) foram, gradativamente encobertos com terra e lama por enxurradas, deslizamentos e, mais tarde, por animais. Nesta situação, isolados do oxigênio atmosférico liberado pelos seres vegetais que lhes deram origem quando em vida, tais resíduos se fossilizaram, transformando-se em hulha, petróleo e gás. Considerem que as florestas que produziram a biomassa (resíduos), germinaram e se desenvolveram impulsionadas pela fotossíntese: o vegetal, para formar o seu corpo orgânico, absorve a energia luminosa solar para, com ela, decompor a água e fixá-la no hidrogênio liberado, combinando-o com o carbono encontrado nos óxidos gasosos flutuantes no meio ambiente. Assim formam-se os compostos carbo-hidratados. Observem que deste processo, flui o oxigênio puro que fica livre enriquecendo a atmosfera em substituíção ao carbono absorvido. O mundo vegetal que precedeu o mundo animado em muitos milhões de anos, deixou enclausurado no subsolo do planeta, o carbono e outros gases pesados que, primitivamente, flutuavam sobre as regiões intertropicais, mantendo-a superaquecida. Com a atmosfera já aliviada desses gases e enriquecida com oxigênio, este, sob a ação direta dos raios utravioletas, transformou-se em ozônio (O3) que, formando espessa camada protetora, expandiu-se sobre a Terra, indo acumular-se em maior quantidade sobre os pólos terrestres. tomando formato de imensos cones em torno do prolongamento do eixo imaginário de rotação. Em tais condições, com as regiões subtropicais e polares protegidas contra a ação dos RUV, tornaram-se propícias e desenvolveram a vida animada com necessidades metabólicas inversas às dos vegetais e, assim mantendo o equilíbrio ambiental por muitos e muitos milênios.
    Primeira conclusão: o mundo vegetal foi germinado à sombra do anel equatorial composto de gases pesados, com predominância do carbono e, daí, propagou-se na direção do pólos. Absorveu e solidificou os elementos gasosos pesados e os sepultou na forma de biomassa que se fossilizou, deixando a atmosfera oxigenada e leve que proporcionou o desenvolvimento da vida animada. Assim, concluímos que: o oxigênio que temos em liberdade compondo a atmosfera e mais o que nos resta da camadade ozônio, foram parte das mesma reações fotossintéticas que ocorreram desde os períodos pré-animal e que o somatório de tais reservas guardam proporcionalidade com todos os produtos de origem vegetal e animal existentes no solo e no subsolo do planeta, inclusive nós e outros animais.
    Na mesma época em que foi descoberta a técnica para transformar a hulha em coque e com este a fundição do ferro, dando partida para a Revolução Industrial, foi estudado, qualificado e avaliado o oxigênio e o teor de sua participação na composição da atmosfera, cujos cálculos fixaram em 21%. Sabemos que nenhum combustível carbonado se inflama para liberar o calor neles contido se não for alimentado pelo comburente oxigênio para efetuar a reação. Então, desde a década de 1970 perguntamos a várias autoridades: de onde tem vindo o oxigênio que vem alimentando as combustões nas fundições de ferro e aço, nas fornalhas industriais que têm abastecido o mundo com todo tipo de produtos, na geração de energia elétrica, nos motores industriais e naqueles que impulsiona automóveis, caminhões, navios e aviões? aquele que alimenta os incêndios florestais e as queimadas para fins agrícolas, que decompõe a matéria orgânica perecida e a respiração dos seres animados se o teor de sua participação na composição atmosférica continua sendo de 21%? NOSSA RESPOSTA: sem perceber, temos queimado nossa camada protetora de ozônio após a sua conversão em oxigênio no frio abaixo de -112,5C que deve estar ocorrendo nas mais elevadas camadas atmosféricas sobre as regiões polares. O fenômeno ocorre entre os meados dos invernos e início das primaveras, época em que aparecem os famigerados “buracos na camada de ozônio”. A demonstração de como ocorre este fenômeno poderá ser explicada oportunamente através de ilustrações gráficas.
    A quem poderá interessar a continuidade do uso dos combustíveis fósseis? – no meado do século XVIII, quando a teoria do capitalismo começou a florescer, Marx demonstrou a sua inviabilidade dada a tendência de excessiva concentração de renda e de poder em poucas mãos. Sua opinião foi contradita durante estes dois e meio séculos dada a descoberta da existência abundante desta força energética sem dono, que não necessitou de qualquer atividade humana para recolhê-la e armazená-la durante tantos milênios. Com esta energia poude-se reduzir os custos de produção com a exclusão da participação animal e humana nas atividades laborativas e o capitalismo tornou-se viável até agora quando aparece o tamanho de seu desfalque no meio ambiente terrestre. Isso porque produzia-se mais barato por eliminar os salários de quem seria consumidor e passou à exclusão e, não contabilizavam (por ignorarem), os custos dos danos causados ao meio ambiente que se acumularam e, somente há três décadas houve o primeiro sinal com o aparecimento do “buraco na camada de ozônio” sobre o Pólo Sul. Também, a necessidade de, cada vez mais, consumidores com recursos para pagarem pelos seus produtos, levou os países industrializados a ferrenhas disputas comerciais que, raramente não terminavam em guerras. O capitalismo que se desenvolveu a partir da utilização dos combustíveis fósseis e mantem-se no controle total do poder mundial, não abrirá mão de seu poder em favor da segurança e do bem-estar da humanidade. Principalmente porque os detentores deste poder, acreditam que estarão a salvos das catástrofes ambientais ou das agitações sociais que já começam a crescer no mundo.
    Com relação aos créditos de carbono, entendo que é mais uma medida inócua para desviar a atenção das pessoas de um gigantesco problema para soluções insignificantes,como fazem os bancos e montadoras de veículos prometendo o plantio de árvores para neutralizar suas emissões de carbono. Qualquer ação de salvamento que não vise uma rápida e crescente redução do consumo supérfluo no mundo, não evitará o cáos. Isso porque, tudo aquilo que consumimos ou usamos, consumiu alguma forma de energia para sua fabricação e transporte em qualquer parte do mundo e continuará consumindo quer seja no funcionamento, na conservação ou na degradação de seus rejeitos finais. Como a predominância da energia consumida no mundo é originada na queima de matéria fossilizada e as fontes de energia limpa e as renováveis nem de longe chegam a suprir as necessidades globais que foram estabelecidas em nossas mentes pela mídia, cada vez mais rápido vemo-nos aproximando da linha de equilíbrio ambiental e de irreversibilidade da catastrofe final.
    Energia Nuclear:
    da mesma forma que, ao queimarmos matéria orgânica para obtermos calor produzimos, também subprodutos indesejaveis, no caso óxidos de carbono e de outros elementos nocivos ao meio ambiente, também os átomos desintegrados para o mesmo fim, libera partículas radiativas capazes de destruir qualquer tipo de vida. E tais resíduos vem sendo acumulados em vários países que construíram usinas nucleares, de forma precária devido os elevados custos para uma armazenagem segura. Lembremo-nos de que, há vinte anos, uma pequena cápsula de césio deixada no meio ambiente em Goiânia fez várias vítimas fatais e deixou mais de uma centena de outros contaminados que sofrem, até hoje, com as sequelas e são monitoradas pelo poder público. Enquanto isso, toda terra contaminada nos locais por onde passaram com a cápsula foi acondicionada em tonéis de ferro e empilhadas a céu aberto em recinto cercado e protegido à espera do poder político determinar como e onde deverá ser o depósito de rejeitos radiativos. São vinte anos e não vinte dias ou meses. Relembremos o acidente de Chernobyl na Rússia que, além de matar milhares de pessoas e contaminar grande parte do norte da Europa, ainda hoje os restos da usina são mantidos sob rigoroso esquema de segurança. Na passagem do governo Busch pai para Clinton, entre os grandes desafios do novo governo seria a constituíção de um armazenamento seguro para resíduos das usinas nucleares. Segundo cálculos na época, divulgados pela imprensa, se tais providências fossem tomadas obedecendo as normas estabelecidas pela ciência, as instalações ficariam mais caras do que o valor da energia produzida pelas mesmas usinas.
    Pelos fatos expostos, entendo que a única forma que poderia conter o avanço de todas as formas de degradação ambiental seria a conscientização popular de que a sobrevivência de todos os tipos de vida animada dependerá da redução do consumo supérfluo mundial das minorias para a manutenção do consumo essencial de todos até que haja um ajustamento das populações globais e os recursos naturais para mantê-las. O resto é “lero-lero” para adormecer criancinhas.
    Espero que não os tenha cansado tanto em ler quanto fiquei em escrever, uma vez que as letras são miúdas e não temos auxílio do revisor informático. Forte abraço,
    Antídio

  • Yan Kavasi disse:

    Sr. Antídio

    Percebe-se claramente que o senhor é pessoa culta, bem informada e um bom pesquisador.

    Sou engenheiro químico, por formação e um curioso em ambientalismo por … digamos, por questões de consciência e sentimentalismo. Mas não sou expert em nada, apenas observo os fatos. Alguns, no que se refere à poluição por emissão de gases industriais poluentes para a atmosfera, tive oportunidade de vivenciar no meu trabalho, em três das indústrias em que trabalhei. Outros, não vi, mas analisei.

    Seus comentários estão absolutamente corretos, cabendo apenas um reparo: a questão do uso da energia nuclear. Hoje, os rrscos são muito menores que os da década de 1980, quando houve uma onda de protestos contra as usinas nucleares. Não só pelo fator segurança, mas também pelo alto custo econômico de implantação dessas usinas, fazendo com que só os países ricos pudessem implantá-las.

    A partir do final do século XX, por volta de 1996, as novas tecnologias de enriquecimento de urânio, mesclando o urânio-238 com o urânio-235 puro, este abundante na natureza, barateou enormemente os custos e, paralelamente, com as experiências dos desastres das Usinas de Three Mile Islands (USA) e a de Tchernobil, na Ucrânia, em 1986, foram feitos estudos e as medidas de segurança aperfeiçoaram-se em cerca de 95%. Esses problemas de segurança estão praticamente resolvidos. A única solução confiável que ainda não encontraram foi a que diz respeito ao “armazenamento seguro dos rejeitos“, cujos estudos ainda prosseguem. Isto sim, ainda poderia ser usado com argumento contrário à utilização da energia nuclear. Mas também não seria ainda um fator impeditivo porque os cuidados foram redobrados e já se encontram perto de encontrar uma solução confiável.

    Diante disso, voltou-se a considerar a energia nuclear como uma opção viável, menos danosa ao meio ambiente do que a queima de combustíveis fósseis, podendo ser agora, usada de modo mais barato, seguro e controlável. Países como França, Japão, Coréia do Sul e Tailândia, continuam usando francamente a energia nuclear e outros como o Irã e até o Brasil pretendem usá-la. Aí os estados Unidos, que não aboliram o seu uso, pressionam a ONU para impedir que outros países usem a energia nuclear, sob o falso pretexto de que esses países candidatos poderiam usar a energia nuclear para fins não pacíficos (como eles mesmos, os americanos, fizeram, em Iroshima e Nagasaki).

    Não dá o que pensar? E a energia nuclear, comprovadamente, agride muito menos a atmosfera do que a queima de combustíveis, além de ter outras aplicações na ciência e no desenvolvimento tecnológico que, aliás, os americanos não querem que outros países alcancem.

    Quando os Estados Unidos é a favor para ele e contra para os outros é hora de repensar a questão. 

  • Administrator disse:

    Caros colaboradores Antídio, Maurício e Yan:

    Todos vocês, com seus esforços e observações, estão jogando uma luz sobre o assunto e por isso, sou-lhes muito grato.

    No entanto verifiquei que nossas opiniões com relação ao uso da energia nuclear estão divididas: metade de nós é a favor e a outra metade contra. O interessante é que nesssas posições todos os argumentos são bem fundamentados e fica difícil saber quem está com a razão. Temos prós e contras que precisam ser pesados e rediscutidos, talvez com mais gente opinando.

    Notem que o que estamos discutindo aqui é o confronto das duas teorias, buscando saber o que de verdade existe em cada uma e qual seria a solução mais palusível para minimizar as causas e conseqüências do aquecimento global. Como decorrência, surgiu o assunto USO DA ENERGIA NUCLEAR, sempre polêmico, mas necessário trazer à discussão.

    Conseqüentemente, decidi abrir um outro tópico hoje sobre ENERGIA NUCLEAR e gostaria que vocês emitissem seus comentários àquele artigo. Quem sabe isso anima outras pessoas a trazerem sua colaboração?

  • YAN:
    Obrigado pela paciência de ter lido todo meu comentário e por ter-se manifestado poucas horas após eu tê-lo expedido. Esclareço que as qualidades as quais você me atribui, são meras fantasias de primeira vista. Sou um simpres contemplador da Natureza e detenho-me a observar pequenos detalhes como forma de entender o todo em sua plenitude. O “reparo” ao qual você se refere, segurança na energia nuclear, não é causa de minha preocupação; sim a questão do “armazenamento seguro para rejeitos”, como você mesmo reconhece. Rejeitos irrecicláveis têm um limite de armazenamento que é o ponto em que o custo de estocagem passa a ser mais caro do que o valor dos benefícios que oferecem como fins, que é quando se começa a negligenciar na segurança. Quando se começou a utilizar material fóssil como combustível, não havia consciência do acúmulo de poluentes no meio ambiente, o que só veio ocorrer na década de 1970, com o aparecimento do “buraco na camada de ozônio” sobre o Pólo Sul. No entanto, em vez de se divulgar a verdadeira causa para o debate público em busca de soluções efetivas, o que se fez, para proteger interesses econômicos de poderosos grupos empresariais, foi, em nome na ciência, e com a aquiessência dela, apontar causas inconsistentes, como a dos fluorcarbonados lançados em grande quantidade do Hemisfério Norte que, arrastados “contra os ventos” foram degradar a cobertura de ozônio sobre o Pólo Sul. Fique certo, somente o despertar da consciência humana para a gravidade do problema atual e da sua causa, poderá deter este processo de fermentação às beiras da maturação. Forte abraço extensivo aos demais participantes.
    Antidio

  • mgomide3 disse:

    Caro Antídio,
    Não consigo conter meu entusiasmo pela belíssima aula oferecida por você aos ambientalistas. Pela sua exposição, nota-se sua capacidade de enxergar o que muitas pessoas não vêem. Estou de pleno acordo com seu arrazoado. Realmente, a educação no Brasil é uma lástima. Por aí se pode deduzir que há “cientistas” com diploma na parede e ares de doutor. Repetir pensamentos alheios não lhes confere autoridade. O verdadeiro conhecimento está no que o cérebro é capaz de descobrir, inferir, deduzir.
    Prezado Yan,
    Sendo você curioso ambientalista por consciência e sentimento, na verdade você não é curioso; é um puro ambientalista, pois fez suas próprias observações e análises nas fábricas em que trabalhou, sai do seu conforto e comparece a este fórum dando sua valiosa colaboração. Apresenta seu raciocínio e oferece suas próprias razões. Sua alma sente o que nós outros também sentimos: necessidade de gritar: “oh, gente, o circo vai pegar fogo.”
    Ao Administrador,
    Parabéns por ter-nos apresentado tema tão importante. Sua energia em mover e sustentar este fórum é fundamental para que continue acesa a chama que, por certo, atrairá esses outros milhares de ambientalistas solitários, qual vaga-lumes que têm luz própria, mas ainda não se uniram para transformá-la em poderoso holofote.

  • Administrator disse:

    Olá, Maurício:

    Já estava sentindo sua falta por aqui. Obrigado por ter retornado.

    Com relação ao seu último comentário, adorei a metáfora dos vaga-lumes, unindo-se para formar um holofote VERDE. Que imaginação!

    O meu receio, amigo, como deve também ser o seu e de todos que estamos aqui, é que as luzes desses vaga-lumes se apaguem ou que eles se dispersem, antes que consigam reunir-se para formar um grande holofote a jogar luz sobre as consciências dos responsáveis.

    Veja quanta coisa boa tem surgido dos nossos debates e quantas dessas idéias e sugestões poderiam ser aproveitadas nas discussõess dos problemas. Como canalisar isso? Como fazer que alguém veja o que estamos vendo? Não somos superiores a ninguém. E se nós enxergamos, “eles” também, se quiserem, poderão enxergar.

    A diferença é que nós só temos nossas idéias, a capacidade de observação e as palavras. “Eles” têm, além disso, o “poder de mudar”. Por que não fazem?

    Como seria bom se a situação fosse inversa…Vamos continuar insistindo e ver no que vai dar. Abraços!

    PS: Você arrumou “um irmão gêmeo” aqui no blog. O nosso novo companheiro Antídio e você, além de pensarem quase iguais, têm também estilo bastante semelhante de se expressar. Imagino se, um dia, pudéssemos nós todos nos encontrarmos ,frente a frente, numa mesa de discussões, em qq lugar desse planeta…

  • ancelmo luiz graceli disse:

    31/01/2008 – 10:42

    Teorias: origem, essência, transformação da natureza e da unidade da matéria, do espaço, da energia, do cosmo e dos astros

    O professor e pesquisador Ancelmo Luiz Graceli apresenta a seguir teoria do universo fluxonário estruturante a partir do espaço denso, e teoria da energeticidade e radiação.

    Apresentação: São duas novas teorias dentro da física: a primeira – que trata da origem do universo, da origem da matéria, o fluxo de processos e estruturação que ocorre a partir do espaço denso; já a segunda teoria – onde dá novas respostas, causas e fundamentações para todos os fenômenos da matéria e astros com duas causas, que são a energia e radiação produzidos pelo próprio astro.

    Introdução a Origem do Universo: O Universo não surgiu de um ponto central para fora, por meio de uma grande explosão, mas sim o Universo surgiu de fora para dentro, ou seja, o espaço denso foi se aglutinando até formar a matéria e a energia, para depois se formar os astros. Segundo esta teoria, o espaço que se pensa que é um vazio, na verdade, possui densidade, e que, por aglutinação, vai sempre mais se densificando, até formar-se em bolhas, de onde vai dar surgimento à matéria, por isto que a matéria é infinitamente divisível. Assim, a Teoria do Universo Fluxonário Estrutrante consegue dar uma fundamentação à origem da matéria, da energia e dos astros.Vemos que, pela teoria da grande explosão e expansão, não é possível ser provado a quantidade de matéria que existe no Universo, sendo originado por um ponto ínfimo.

    Universo Fluxonário Estruturante – Com a matéria e a energia já densificadas, surgem as bolhas de energia que dão início à formação dos primeiros astros, às nuvens de gases, às galáxias e aos aglomerados, ou seja, o Universo tem uma origem que inicia pelo espaço denso, passa pela fase de bolhas de energia até se tornar matéria, para depois formar os astros. A partir da fase de astros, o mesmo continua o seu processo numa segunda fase, produzindo as fusões nucleares nas estrelas, aumentando o processamento de energia, temperatura e radiação, onde será expelido parte da sua energia e matéria no espaço, onde formarão a temperatura, a radiação, a atmosfera, os anéis que se reagruparão e se esferificando, formando astros menores, no caso, planetas por estrelas, satélites por planetas e outros. Por isto que o Universo é um infinito fluxo de construção, desintegração e processamento, que sempre outros astros se formarão a partir de outros maiores e com mais energia, com menos intensidades de fenômenos e com menos dinâmica. Logo, este Universo tende a ser lento, enquanto outros em outros pontos do espaço se encontram em outras fases. Por isto que é encontrado aglomerados de nuvens de gases no espaço.

    Enquanto uns se encontram numa fase mediana, que é no caso o nosso, outros se encontram mais envelhecidos e mais lentos, na fase final. E outros ainda, com mais dinâmica e mais energia, que se encontram na fase inicial.

    Universo em Rotação – O Universo não se encontra em expansão, mas sim em rotação, translação e afastamento mínimo, se considerar o afastamento anual do Planeta Terra em relação ao Sol não chega a um metro. Tal situação é provada matematicamente pela Teoria da Energeticidade e Radiação. Na verdade, o que dá o sentido aos observadores de que as galáxias estão se afastando é o efeito Doppler, onde dá uma cor vermelha, que é a cor para o afastamento, quando se observa algum objeto luminoso se afastamento, porém, esta cor é observada quando qualquer objeto luminoso se encontra em rotação e translação. Foi a partir daí que levou a concepção da formação da Teoria da Expansão do Universo, e mais tarde a concepção da grande explosão.

    Contestação – se o Universo estivesse em expansão, considerando o tempo de vida do Universo e que todo movimento inicial e maior não seria possível de ver nenhuma estrela no espaço. O outro ponto é que dá a aparência no espaço de que todos estão se afastando em relação a nós aqui na Terra, seria como se nós estivéssemos no centro do Universo, e isto seria uma grande coincidência. Outro aspecto se constitui na seguinte cogitação: como um ponto ínfimo teria tanta matéria? Como último ponto – de onde e de que surgiu a matéria? (não consegui reparar a gramática sem alterar o sentido – desenvolve você).

    A Teoria do Universo Fluxonário Estruturante defende que o Universo se encontra em fases, e, enquanto uns já estão numa fase mais avançada, outros estão iniciando, e que o Universo se encontra em afastamento mínimo, em rotação e translação.

    A Teoria da Energeticidade e Radiação – Através da procura para uma só explicação dos fenômenos da natureza que englobasse a origem das estrelas, dos planetas, dos satélites, dos cometas, dos asteróides, dos anéis, das atmosferas e dos outros fenômenos, como as órbitas, a rotação, a translação, o distanciamento, as fusões naturais, as atividades tectônicas, a origem e a evolução da matéria e da energia, dentre outros, cheguei à conclusão de que a energia é a responsável pelo processamento dos fenômenos, e que a energia e a matéria, por sua vez, se originam do espaço denso. Ou seja, o espaço denso produz a estrutura – que é a matéria, e produz o agente propulsor – que é a energia. No mais, constatei que a energia é a responsável pela dinâmica e pela órbita dos astros, porém, a dinâmica e a órbita passam por três fases, sendo elas:

    Primeira: A Inicial – ocorre quando o astro se origina do primário, no caso – o Planeta do Sol. Nesta fase, o primário tem grande influência sobre o secundário, e a translação é grande, já a rotação é mínima; a órbita tem uma excentricidade, enquanto a inclinação tem uma irregularidade média. Isto se confirma de Mercúrio a Vênus.

    Segunda: A Mediana – ocorre quando o astro já saiu de perto do primário e passa a desenvolver a sua dinâmica pela sua própria energia e radiação. Nesta fase, a translação diminui progressivamente, enquanto a rotação aumenta conforme o diâmetro e a energia do próprio astro, e as irregularidades da excentricidade, a inclinação da órbita e rotação diminuem. isto se confirma do Planeta Terra até Netuno. Ressalte-se que o menos irregular e com mais rotação é Júpiter, por ser o maior entre os planetas, conseqüentemente, ainda conserva grande quantidade de energia em processamento.

    Terceira: A Final – nesta, o astro já se encontra com pouca energia e produção de radiação, levando ao mesmo a diminuir progressivamente a sua rotação e translação, porém, o seu comando também diminui, levando a aumentar as suas irregularidades na excentricidade da elipse, na inclinação da órbita e da rotação. Isto se confirma em Plutão e em todos os satélites distantes de seus primários, como também nos cometas e asteróides distantes.

    É bom ressaltar que as duas teorias – a do Universo Fluxonário Estruturante e da Energeticidade e Radiação – são provadas matematicamente e com exatidão por fórmulas simples, onde não uso distância, massa ou gravitação para encontrar estes resultados. Na verdade, só uso o diâmetro, a radiação, a temperatura, a rotação e a velocidade equatorial.

    Por outro lado, consigo ainda provar a origem e causa da rotação e sua inclinação, bem como o afastamento entre os planetas, usando também os seus diâmetros, fenômenos esses impossíveis de serem fundamentados e calculados pela Teoria da Gravitação e Teoria da Relatividade.

    Estas duas novas teorias abrirão novas portas para a pesquisa da cosmologia, da astronomia e da micro-física.

    . Teoria da Origem da Matéria e do Cosmo, e do Universo Fluxonário Estruturante. | . Teoria da Cosmogenese da Energeticidade e Radiação.

    . Cosmogenese, Cosmologia, Cosmofísica, Astrofísica e Cosmogonia – Esta teoria é a que mais se aproxima do poder de Deus. Pois vai contra qualquer forma de caos.

    Do quase nada tudo pode surgir – exceto Deus.| . O Universo é uma auto criação, porém uma obra deste porte só pode ter o poder do criador – Deus.

    Esta teoria vai de encontro à harmonia e eternidade cósmica em detrimento ao caos e a finitude do universo proposto pela teoria da grande explosão.

    Enquanto um entra em fluxo de desintegração e reintegração com menos energia, outros nascem mais distantes a partir da aglutinação do espaço denso.

    Teorias do Cosmo Fluxonário Estruturante, e Energeticidade e Radiação – Esta não é apenas uma teoria do movimento, mas sim da origem, da essência, da transformação, da natureza e da unidade da matéria, do espaço, da energia, do cosmo e dos astros.

    Cosmo Estruturante e Desintegrante. | . Modelo Graceliano.

    Teoria da Bolha de Espaço Denso e Energia – Enquanto na teoria da grande explosão o universo se expande a partir de um ponto do espaço e de uma pequena quantidade de energia, e é um só. Na teoria da bolha o universo se contrai a partir do espaço denso para produzir a matéria e a energia de vários pontos do infinito do espaço, numa constante produção de novos universos em vários pontos do cosmo. Ou seja, ele se contrai para produzir a matéria para depois formar os astros e se expandir pela radiação. E são vários universos em infinitos pontos do cosmo em infinitas fases.

    De nascimento na Fase Bolha de Espaço Denso – Fase Estruturante-, Na Fase de Energia, Na Fase de Matéria. E na Fase de Desintegração e Desprendimento e Afastamento no Espaço pela própria radiação da densidade da matéria. E reintegração formando secundários a partir do material irradiado pelo primário.

    Fórmula para contração de espaço Denso – O espaço denso se contrai e diminui de tamanho para produzir a matéria, e se dá numa contração e diminuição infinita, que pode ser calculada com a formula do limite infinitesimal. Que do todo menos uma parte, dividido pelo todo, assim infinitamente.

    Espaço Denso – parte / total espaço denso se estruturando. Assim, infinitamente, até transformar-se em energia e matéria. ED – P / ED … até chegar a ser energia e matéria. Assim, temos a fórmula para formação da matéria, energia e para origem do universo.

    Infinitos universos em fases estruturantes e desintegrantes.

    Primeira Teoria da Origem e Natureza da Matéria – Sempre foi procurado pelos filósofos e químicos gregos, depois pela física moderna uma explicação para a origem, natureza e essência da matéria, em que o mundo em épocas foi dividido em forma e estrutura, espírito, mente e matéria, pois aqui mostro a primeira teoria do que a matéria pode surgir e do que ela é formada, que é de filamentos de espaço denso, sempre se procurou a matéria pela matéria e dividi-la infinitamente do átomo dos gregos até a centena de partículas que são catalogadas hoje.

    Assim, temos aqui a primeira teoria do que a matéria possa ser formada, que é de filamentos de espaços denso.

    Cálculo formação de matéria e para cosmo estruturante – Poder de contração do espaço denso * quantidade de espaço denso / tempo cosmológico = matéria e cosmo estruturante.

    Cálculo para cosmo desintegrante – Poder de desintegração * quantidade de matéria, temperatura, radiação e energia por distancia ao cubo / tempo cosmológico. Pd*[qm / d cubo ] / t c.

    Espaço Denso e Matéria, e Energia e Astros – O universo não se formou a partir de uma grande explosão, mas sim do espaço denso, o espaço denso é todo espaço que nos circunda, que temos a noção que ele é um grande vazio, mas não é, possui densidade, e dele a matéria e a energia se originaram para formar os primeiros astros, galáxias e aglomerados.

    É falsa a expansão, é na verdade uma translação e rotação e um mínimo de afastamento.

    O que temos a noção de uma grande expansão do universo é na verdade a translação e rotação do mesmo. Pois, se ele é infinitamente velho e começou a se expandir no momento de uma suposta grande explosão, os astros estariam tão distantes uns dos outros que nem a sua luz seria capaz de ser captada por qualquer tipo de telescópio.

    A energia produz a radiação que produz o afastamento mínimo – Há sim um afastamento mínimo proveniente da ação da radiação e de altas temperaturas, afastamento produzido pela energia processada no interior dos astros.

    Universo de Energia Estruturante, ou Universo de Contração e Desintegração – O Universo passa por dois processos – o primeiro da formação da matéria e energia pela contração dos filamentos do espaço denso.

    O segundo da formação dos astros, seus processos de energia e produção de temperatura à proporção que a matéria se aglutina, com a matéria aglutinada é produzida grande quantidade de energia e temperatura, dando surgimento a radiação e a conseqüente desintegração do astro no espaço. Por isto que o universo é um fluxo de energia estruturante, onde primeiro se contrai para depois se desintegrar e se afastar uns dos outros, sempre em porções menores.

    . Ancelmo Luiz Graceli é professor, pesquisador teórico, com graduação em filosofia, e já apresentou pesquisas à Secretaria Estadual de Ciência & Tecnologia do Espírito Santo (SECT), juntamento com o colaborador Márcio Piter Rangel (marciopiterrangel@hotmail.com). Para contatos: Rua Itabira N° 05, Rosa da Penha, Cariacica (ES) Brasil | CEP: 29143-269 | Telefone (27) 3216-7566 | E-mail: ancelmoluizgraceli@hotmail.com

    Enviar Imprimir
    Digite os termos da sua pesquisa
    Enviar formulário de pesquisa

    © Copyright 2006 Fator Brasil. Todos os direitos reservados.Desenvolvido por MeuClick

  • Administrator disse:

    Caro Prof. Ancelmo L. Graceli:

    Primeiramente, obrigado por sua valiosa participação em nosso blog, especialmente na discussão deste tópico.

    Talvez não devesse atrever-me a responder ao seu comentário, eis que sou apenas um ambientalista e filósofo de rua por opção, em ambas as atividades, não me encontrando, pois, à altura de sequer comentar suas interessantes e bem-elaboradas teorias. Mas temos aqui, alguns colegas de seu nível, inclusive com Phd em Ciências Meteorológicas, palestrantes e professores de universidades federais (breve teremos outro artigo de um deles publicado) e que poderiam se interessar por essa discussão.

    Não obstante, embora o assunto abordado seja correlato ao tema discutido, ele se afastou um pouco deste, sem levar à tão esperada conclusão. O que gostaríamos de saber, também, é a sua opinião sobre o tema que propusemos à discussão: qual das duas teorias ( a de Gaia ou do Aquecimento Global) é a mais aceitavel ou se nenhuma delas e por que.

    Quanto a mim, e com relação às suas teorias, eu tenho a minha, de leigo, é óbvio: “O NADA ABSOLUTO NUNCA EXISTIU. O que sempre existiu foi um ‘ nada relativo ‘, invisível ao olho humano e aos microscópios e telescópios. A partir desse nada relativo, que equivaleria ao que você (permita-me este tratamento, com todo o respeito) chama de “espaço denso” é que, por combinação dos elementos invisíveis deste “espaço denso” ou “nada relativo”, por movimentos de contração-expansão-repulsão cósmica, teria o universo se formado, sendo os planetas e demais corpos celestes, fragmentos dessa repulsão”. Há que se estudar melhor, também, a questão do formato esférico dos planetas, considerando que a matéria original, em sua forma mais primitiva, tem o formato esférico.

    Mas acho que isso é um assunto para um outro tema, relacionado à formação do universo. Das suas teorias, a parte que mais nos interessa é a que trata da energia produtora de radiação e como isso pode afetar o clima aqui na Terra, sendo ou não causa do “aquecimento global” e das glaciações.

    Se puder voltar a este blog e abrilhantar-nos com as suas explicações, todos ficaríamos gratos e seríamos divulgadores das possíveis conclusões a que se chegasse, dando o crédito aos respectivos autores. Isso é o que buscamos: a verdade a qualquer custo, a quebra de mitos, o racional.

  • moquine disse:

    vcs naum sabem nd seus palhaços!!!!

  • ancelmo luiz graceli disse:

    teoria del cosmofisica – teoria di graceliana di autocosmo.
    teoria del cosmofisica – teoria di graceliana di autocosmo.

    Autore – Ancelmo Graceli Luiz.

    Ancelmoluizgraceli@hotmail.com Telefono. 27- 32167566 via Itabira, nº 5, insieme di Itapemirim, Rosa del Penha, di Cariacica, di -269, del brasiliano di E.S. cep.29143, del professore, della graduazione in filosofia e del ricercatore teorico. ASTRONOMIA pubblicata dei libri e MONDO delle INTERAZIONI FISICHE.

    Collaboratore – Marcio Piter Rangel.

    Lavoro presentato lo spirito Brasile San della sezione. E la società brasiliana di fisica. L’introduzione ha pubblicato nel WEB per il fattore del Brasile del vestibolo – Manica il profilo. Nel giorno 30.01.2008. Se altre teorie con gli assestamenti e voi formulano avesse avuto accettazione, perchè queste non ha? Di conseguenza, confermarlo esso possesss tutti gli assestamenti e tutte le forme dei calcoli e di quello la realtà ed il commento fino a oggi raggiunto con. Con più di cento dieci formule, le forme più varie di se calcolando un stesso fenomeno, con più di duecento assestamenti in tutte le zone di fisica moderna. Inoltre, con le nuove previsioni all’interno di cosmology e di astronomia.

    Ha presentato lo scomparto di formazione dello SBFISICA. Soced. Reggiseni. de Física. Giornale brasiliano di fisica – SBFISICA

    COSMOFÍSICA ed ASTROFISICA.

    PRODUTTORE DI SE.

    L’universo è un sistema vivo e dinamico di produzione e di estruturação, dove produce la relativa energia adeguata per il relativi funzionamento, estruturação e dynamics, che sono stato che l’energia ingrandisce al rapporto che va realizzare il relativo funzionamento ed è un sistema del flusso, in cui la stessa interazione che produce il prodotto chimico degli elementi, produce i astros per fondere. La E egualmente produce i campi, il Maser, le alte temperature, il dynamics, le orbite, le strutture dei astros e la rimozione nell’universo. O uno, è un produttore di se, della relativa struttura e del relativo funzionamento. Quindi, è una produzione costante di integrazione e della disintegrazione.

    ETÀ DELL’UNIVERSO.

    Con questo, può essere dedotto che l’universo non possiede un’origine determinata nel tempo, molto di meno in un certo posto dello spazio e non possieda un’origine determinata nei estruturação della sostanza e dei astros che la compongono. Tuttavia, ha età infinita, quindi lo spazio denso era sempre là e producendo l’energia, sostanza, fino ad arrivare i astros.

    FORMI DI ESSERE DELL’UNIVERSO

    Della contrazione per lo spazio denso. Di rimozione per il Maser. Di aglutinação per il materiale del Maser.

    L’universo passa per i flussi mentre produce gli elementi chimici nelle interazioni di fusione nucleare nel centro dei astros, dove produce l’energia quando elaborano le interazioni fisiche e produrre la relativa struttura dei astros, delle orbite e del dynamics.

    Sul MOVIMENTO

    Se il movimento relativo questo con il Maser, le alte temperature e le interazioni fisiche nell’interno dei astros che sono sciolti nello spazio denso per sviluppare il relativo dynamics. Presto il movimento sarà naturale e dinamico e varia come le situazioni di produzione di energia dove se trova il astro. La E se i dynamics obbediscono un flusso, allora il movimento è dinamica, disforme e variabile.

    Sullo SPAZIO DENSO.

    Lo spazio denso produce la sostanza, mentre la sostanza prodotta già produce i astros e gli elementi chimici vanno essere pezzo fuso nelle stelle secondarie e. Sulla SOSTANZA

    La sostanza è filamenti dello spazio denso contratto, quello va structuralize l’universo chimico in sostanza, i astros, gli elementi, il Maser, temperatura elevata e nell’universo automatico dinamico.

    Sul COSMO

    L’universo è dinamico automatico e mentre produce l’energia le interazioni fisiche vanno essere elaborate ed il Maser che si comporta e che sparge la sostanza, i astros sono nel dynamics per l’energia ed il Maser adeguati, gli elementi chimici si evolvono e se migliorano, migliorando la sostanza e structuralizing l’universo, il cosmo se contratti per lo spazio denso e se si allarga per l’azione del Maser, quindi l’universo è vivi ed automobile dinamici.

    Sul TEMPO

    Il tempo non esiste, che cosa esiste è il temporizzatore della memoria contrassegnata per il funzionamento del cervello come forma di coscienza di quella accade fra gli intervalli degli eventi. Possiamo considerare il tempo secondario come qualcosa, quella che esiste in funzione del funzionamento della coscienza prodotta per il funzionamento del cervello. La velocità del temporizzatore dell’uomo è la velocità di funzionamento del cervello umano.

    Sulla RIMOZIONE e sull’ALLARGAMENTO del COSMO.

    Quindi, il dynamics dell’universo sta continuando dal Maser costante, quindi che il relativo allargamento se ritrovamenti nella progressione di diminuzione. La E i astros era comparso del aglutinação dello spazio denso, mentre il Maser e le alte temperature disintegrano i astros. Presto in avvenire e questi parte e periodo di addestramento dell’universo in cui dentro le troviamo i astros saranno più freddi e di meno.

    Quindi, i astros sono sciolti e liberi nello spazio e non incarcerati per i campi di presunzioni, in cui la rotazione delle galassie è secondaria chi la traduzione. Mentre la sostanza compare dello spazio denso, in cui i astros sono prodotti, altri sono formati in altri punti dello spazio, mentre il dynamics è comune a tutti i astros e non soltanto nelle galassie. Prova di questo che abbiamo nel sistema solare. Con questo vediamo che l’allargamento è una produzione costante per il Maser e non per ha supposto un’esplosione grande. Di conseguenza lo stesso fenomeno che produce la traduzione, la rotazione, orbite, egualmente produce l’allargamento, quindi che la rimozione è fare diminuire graduale, si sviluppa gradualmente, comunque ha una percentuale di diminuzione nella progressione.

    L’universo tenderà se sprecare e se diluire in pochi astros e con poca energia, mentre in altre parti inizierà altri universi con il materiale dello spazio denso. I possesss dell’universo tre forme di base di produzione 1 – strutturale, quello produce la sostanza e della forma, 2-other di azione che dà a vita la sostanza, che è le interazioni, l’energia ed il Maser fisici nell’interno dei astros. 3 – di produzione di nuovi astros e degli elementi chimici.

    Sulla FORMAZIONE e sull’ETÀ del ASTROS Del SISTEMA SOLARE

    È confermato che gli asteroidi non sono perfettamente in tondo, quindi nella relativa maggioranza è poco appiattita e prolongated. Uno conferma che sono risultati dei ridurre in pani espulsi di materiale di un certo pianeta o del sole, essendo inteiriça delle masse e sono prodotti di un momento solo, mentre i pianeti ed i satelliti sono astros rotondi, dove se conferma che ha avuto una formazione lenta di sovrapposizione dei componenti delle relative scuole elementari espulse per i Maser. Ciò se conferma che quei sferici avevano occorr più tempo formarsi e conferma la teoria visualizzata qui.

    Terza parte.

    COSMOFÍSICA DELLE INTERAZIONI E DELL’ENERGIA.

    L’universo non potrebbe comparire di una sfera di energia o della sostanza da scoppiare, quindi comparirebbe alla domanda, di dove questa sfera è comparso della sostanza e del quanto tempo era là prima dell’esplosione e che cosa lo ha formato.

    Vediamo che la produzione della sostanza e dell’energia è un processo costante di fusione nucleare, di sviluppo degli elementi chimici e di estruturação di nuovi astros e galassie nello spazio ed in altri fenomeni costanti che formano il nostro universo lento. Presto, l’universo è senza cominciare ed estremità, nel tempo, lo spazio, il materialization e produzione.

    La fase dell’astrofisica e del cosmofísica, quello è della produzione di energia, Maser e della disintegrazione per il Maser e dell’integrazione di materiale con poca temperatura nello spazio e dove i astros periferici erano comparso.

    Se l’universo fosse comparso di un’esplosione che grande la sostanza già esisterebbe prima dell’universo e di questa non e possibile di essere, che cosa vediamo nella verità è che la sostanza fa parte di un processo lento, poichè la formazione degli elementi chimici è lenta, poichè è lento e costante la formazione dei astros e dell’universo adeguato.

    Una delle prove valide della formazione lenta dell’universo e del relativo inizio di è per la parte interna se chiudendosi su se fino a essere attuata e quella i astros è costituita degli strati con i greaters e le densità dei minori, di alcuni strati un d’altro canto e di un raffreddamento graduale fino all’interno dei astros. Presto, l’universo non comparirebbe di un punto, della parte interna per è. STRUTTURE NEGLI STRATI.

    Quindi, l’universo per essere un processo lento e di è per interno ed è fatto degli strati, delle prove nella rotazione e del dynamics degli anelli del Saturno, come anche nella struttura dell’atomo e nella struttura della terra del pianeta, o in stesse nell’atmosfera della terra e del Jupiter. La sostanza e l’universo sono fatti di sono per la parte interna per lo spazio denso ed i astros egualmente per il materiale del Maser.

    Un’esplosione grande non dare l’inizio all’universo, quindi era in se il caso già esisterebbe prima dell’esplosione e che cosa produrrebbe la struttura e l’energia per fare scoppiare.

    Gli elementi chimici anche pesati sono prodotti di un processo lento di formazione.

    FASI – ALCUNI UNIVERSI.

    Ha alcuni universi. Della bolla di spazio denso, di energia di spazio denso e della sostanza libera nello spazio e del estruturalizadadella sostanza in astros e nelle temperature massime e del Maser.

    I campi, gli atomi, i astros ed il cosmo adeguato nell’insieme sono determinati dall’energia e dall’intensità delle interazioni fisiche dove vengono a contatto di come egualmente le orbite, dinamiche dei astros e degli atomi. Esattamente lo sviluppo degli elementi chimici e lo sviluppo della sostanza ed i astros ed il cosmo nell’insieme è risultato dell’intensità delle interazioni e della produzione fisiche di energia.

    Le stelle lucidano grazie alla fusione nucleare spontanea nei relativi nuclei, dove gli elementi chiari sono trasformati negli elementi chimici pesati.

    Vediamo nell’universo che mentre le stelle diminuono altri sbocciano tutto questo se dà in un processo lento della creazione e dell’indirizzamento casuale nei nuovi elementi ed in nuovi astros.

    Con questo cosmo se diventa l’infinito nella relativa origine e nella produzione, vediamo che ha alcuni tipi di più vecchi universi un, altri nuovi ed altri differenti, che è creata da un dio calmo, costruente l’universo, gli esseri e le anime per il buon.

    RICHIESTA dell’ESPANSIONE.

    Dà un’apparenza per che cosa un’espansione immensa è la traduzione e la rotazione delle galassie, nella verità la traduzione è immenso più grande che la rimozione fra i astros.

    Se i astros fossero se allontanando straight-line per la proposta di età fino dall’universo, tutti i astros sarebbero così distanti qui che sia impossible vedere né il sole, più il colore rosso di effetto di doppler. Si conclude che l’universo non è nell’espansione, ma sì nella traduzione e nella rotazione e nei miliardi di rimozione di minimo di pochi periodi di quella tutta la traduzione.

    Tutte le galassie sono se aprendosi come girasole, o uno, se muovendosi via dal relativo centro e nella traduzione e nella rotazione quindi quelle abbiamo una nozione di un’espansione immensa, tuttavia che è un’apparenza dell’effetto della traduzione e della rotazione delle galassie, quindi dell’opposto sarebbero quella infinitamente distante degli altre, essendo impossibli daregistrare la relativa stessa posizione o tutta la forma di luce, anche se del sole. Un periodo che origine dei possesss e produzione infinite di costante.

    Di conseguenza abbiamo nozione di quello che tutti sono se il distanciando del sole, quindi con effetto Doppler di traduzione e di rotazione per colore rosso è registrato con intensità grande e quello dà ad un’apparenza di quello il sole è nel centro dell’universo, quindi il movimento è translacional e di rotazione di quello di rimozione.

    Se l’espansione fosse prodotto di un’esplosione grande le galassie infinitamente distanti e già sarebbero parcheggiate nello spazio. Quindi, per essere possibile rilevare l’apparenza delle galassie e del relativo dynamics, prove che l’universo non ha provenuto da un’esplosione grande e né l’espansione presunta è prodotto di un’esplosione grande, allora l’universo è infinitamente vecchia e la relativa espansione presunta è origine e prodotto del relativo Maser ed è frenata dallo spazio denso. La E ha andato di quella che rileviamo poichè l’espansione è l’apparenza della traduzione e della rotazione delle galassie.

    Con il momento per la formazione della sostanza, con il periodo dello sviluppo degli elementi chimici, formazione dei astros, esferficação della struttura esterna dei astros, se veda che l’universo è infinitamente vecchio, allora se l’espansione presunta è collegata con supponesse che un’esplosione grande non dare per rilevare l’esistenza delle galassie nello spazio, quindi sarebbero infinitamente distanti.

    Come anche, di dove la sostanza sembrerebbe produrre un’esplosione grande.

    L’origine della sostanza per lo spazio denso, dello sviluppo degli elementi chimici, della formazione e di esferificação quasi che perfezionano dei astros, degli strati di atmosfera e della struttura dei astros e dell’esistenza delle galassie esso conferma la teoriadell’origine dell’universo per lo spazio denso, della produzione dell’universo per le interazioni fisiche e di fusione. E il dynamics per l’energia, l’impulso per il Maser e le interazioni fisiche, come anche il freno cosmico del dynamics dei astros per lo spazio denso. Quindi, l’universo non è stato prodotto ad un momento solo in un’esplosione grande ed egualmente non viene a contatto di nell’espansione, ma sì in una rimozione minima ed insignificante, miliardi di pochi periodi di quella alcuna velocità della traduzione ed è facile da visualizzare.

    Se il pianeta Nettuno ha altretanti chilometri di rimozione del sole e dell’esso si è sviluppato oggi fino a quanti rollbacks intorno al sole e con quella velocità. Questo calcolo serve per tutto il astro.

    CALCOLO DI RIMOZIONE DELL’UNIVERSO.

    Rimozione nel chilometro dello school/number elementare dei rollbacks sulla scuola elementare * arco di distancia nel chilometro della traduzione = il valore di metodo di un astro di rimozione dall’inizio della relativa formazione.

    Esempio.

    Il raggio del sole fino a che la terra non abbia 150.000.000 del chilometro, essendo che la faccio circolare nel rollback esso ha 3.5 volte approssimativamente questo raggio e che la terra già ha dato a 1.000.000 dei rollbacks più di, o uno, calcolare la rimozione della terra, ha quello Satellite di Amaltéia se prove che esso folloies con la relativa traduzione la rotazione del Jupiter, come figlio vicino alla madre.

    Ciò dentro viene soltanto confermarla quello visualizzato fino a qui, quello i satelliti se provenga dai filamenti dei gas dell’atmosfera dei pianeti e che la traduzione se inizia insieme all’origine del satellite adeguato, o stesse può dirsi che prima di esattamente di essere un raduno di astro già nel dynamics.

    La rotazione del espirala della scuola elementare e condensa vicino all’Equatore l’atmosfera, in cui di questo espiralamento dei gas va formare i nuovi astros, di che questi gas già vengono a contatto nel dynamics di translacional e variazione e densità nella relativa forma e strutturano.

    Il gas che forma una spirale cinturão se processi e movimenti per un punto solo vicino all’Equatore, per due motivi, magnetismo del astro ed il centrifuga di rotazione, dove va cominciare dare l’inizio ad una sfera, che è il processo di esferificação che diventerà in astro. Se formandolo sarà distanciará che dà a circostanza altri successivi che verranno se structuralize.

    Quindi, i percorsi sono,

    1-Formação dell’atmosfera per il Maser e lo spostamento di questo atmosfera sul astro per l’azione adeguata del Maser.

    2-Espiralamento dell’atmosfera per la rotazione del astro e dello spostamento dell’atmosfera, quello se si sloga vicino all’Equatore.

    3-Esferificação di questo atmosfera a spirale con la traduzione.

    sfera 4-A oltre la traduzione e la rimozione che già il possuía, egualmente passa se a distanciar della scuola elementare che lo ha formato. E che il processo continua, mentre astro se gli allontan ed il translada, egualmente comincia produrre la relativa rotazione.

    Di conseguenza quella quantità di traduzione, la rimozione e la rotazione dipendono da tutta l’energia nell’elaborare del astro, che va produrre tutto il Maser del astro nello spazio. La E quindi che quando invecchia tutto il dynamics tende a diminuire, quindi già speso quasi tutto che potrebbe.

    DYNAMICS LIBERO, ADEGUATO e DIMINUENDO per l’ENERGIA.

    Uno conferma che il dynamics è adeguato del astro e proporzionale la relativa energia e che i astros sono liberi nello spazio e questi libertà e Maser fa con quello che allontanano essi stessi dalle relative scuole elementari. Presto, se allontanano essi stessi per il Maser non può essere attratto.

    CONCLUSIONE.

    COSMOFÍSICA.

    Considerações.

    Le prove di quella l’universo è processi di estruturação infinito.

    Che prova che l’universo se la struttura per un processo lento è con il esferificação dei astros e che la terra da formare del nucleo e degli strati, quindi prova che i astros sono formati di sovrapposizione dei materiali piccoli che erano stati espulsi da altri. Di conseguenza se l’universo fosse prodotto ad un momento per un’esplosione grande la terra da solo sarebbe costituita da un ridurre in pani di inteiriço. Con il esferificação e gli strati se prova che l’universo è miliardi di più vecchi periodi di quello che se pensa oggi.

    E se è infinitamente vecchio e considerante la velocità e l’apparenza per il colore rosso osservato, con questa se conclude che non vedremmo il sole e stella nello spazio, quindi il tempo che se i ritrovamenti nella velocità fossero infinitamente distanti e non fossero capaci non ne osservare astro nello spazio.

    Considerações su una teoria di cosmology e di astronomia.

    Una teoria di cosmology ed astronomia deve essere basata sull’universo generale, dell’origine della sostanza, delle particelle, origine degli elementi chimici ed il relativo estruturação, elaborare e sviluppo, fusione nucleare dei astros, Maser, temperatura, estruturação e struttura dei astros, l’universo come sistema nello sviluppo nella relativa macro di costituzione, generalità e micron.

    Che cosa è l’universo. È spazio, sostanza di densificada, processi e struttura, flussi e sviluppo densi, senza cominciare ed estremità.

    La struttura dello spazio denso. Come i gas che sono luce, invisibile e faccia galleggiare lo spazio denso è milioni di periodi meno densificado.

    Ipotesi falsa dell’esplosione grande. Tutto prima di scoppiare in primo luogo ha quello da formare di un certo elemento, o una certa struttura della sostanza o dello spazio denso, allora l’ipotesi dell’esplosione grande è falsa.

    Sul tempo cosmologico.

    Il tempo cosmologico è il tempo che rappresenta l’energia ed elaborare in un sistema dei astros.

    Cosmofísica.

    Universo dei processi più lowermost.

    Che componhe e determina il cosmo in relativa struttura è i relativi processi fisici,

    la produzione delle particelle ed elementi chimici ed il relativo sviluppo, nei nuclei dove i estelares di fusione accade, o una, il micron dell’universo determina la macro e la generalità, un sistema delle galassie da solo va confidare è conforme l’intensità dei processi fisici che sono prodotti nel sistema. Avrà luci e forme e flussi chimici, componenti, fondenti nell’accordo elaborare fisico generale.

    Della molteplicità dell’universo.

    L’universo è multiplo, o uno, è vari in determinati periodi di addestramento dell’origine, elaborare, di estruturação, del flusso e della disintegrazione. Ha origine per la densità dello spazio che forma la sostanza, successivamente l’energia e durante il processo forma gli elementi chimici ed i astros.

    Del flusso dell’universo.

    L’universo se la struttura di è dopo per la parte interna [ per integrazione dello spazio denso ] all’interno per è [ per disintegrazione della sostanza ] per i processi e la fusione della sostanza e nei nuclei dei astros. Ritorna se a reintegrate che forma i minori di astros e con poca energia, più successivamente se si disintegra in Maser e se esso reintegrates in astro ed il flusso ed i processi che continua fino alla sostanza se a diventare diffuso e con poca energia.

    Come esempio se ha dello spazio denso e della sostanza, della sostanza al astro, la stella che produce il Maser, che va produrre i pianeti, che va produrre il Maser e l’atmosfera, che va produrre il Maser, gli anelli ed i satelliti ed il flusso ed i estruturantes ed i processi dei desistruturantes continuano infinitamente fino alla sostanza diffusa.

    Dove prende la sostanza per evolvere e produrre gli elementi chimici. Così l’universo è infinito e senza forma definitiva. Quindi, l’universo se ritrovamenti nella contrazione ed allargamento interno, ma non nell’espansione e sì nella rimozione più lowermost, se trova nella traduzione e rotazione, estruturação, flussi e sviluppo dei relativi componenti. Mentre alcuni iniziano la relativa origine, altri vengono a contatto di in flussi e nei processi, mentre altri già vengono a contatto di nella fase finale che è in sostanza diffusa.

    Cosmofísica nucleare. Fusione nucleare.

    La fusione nucleare delle stelle mantiene per un buon tempo la temperatura dei astros, con questa fa con quello l’universo se processi lentamente e può considerare il relativi flusso e sviluppo della sostanza e gli elementi chimici e gli aiuti che la trasforma elementi chiari in pesante e va produrre l’energia ed il dynamics dei astros, dato che quei i più distanti secondari possiedono dinamico poco e le orbite sono più irregolari. O il uno o il altro, satelliti dei pianeti, pianeti delle stelle.

    Quindi, l’universo ed il relativi flusso ed estruturação se mosto la relativa produzione di energia, come anche lo sviluppo degli elementi ed il dynamics dei astros.

    La produzione di energia va anche determinare gli strati ed il esferificação dei astros. Non expansionista ed universo non stazionario. Così uno conferma che l’universo se i ritrovamenti nella rimozione più lowermost e non nell’espansione ed esso non viene a contatto quindi dei possesss parcheggiati rotazione, traduzione, flussi, sviluppo ed altri fenomeni.

    Evolutivo. Uno viene a contatto di nello sviluppo nel relativi micron e macro della struttura, degli elementi ai astros. E se eternalizes come sostanza con densità diffusa. Non è incurvato e né diritto. Commento. La teoria del energeticidade e del Maser che si occupa di astronomia sarà presentata in altro testo. Con più di cento dieci formule che dimostrano le due teorie, quindi il diametro di uso, il Maser, la temperatura, la rotazione e la velocità equatoriale. Massa o gravitazione di uso di Distancia E non

  • ancelmo luiz graceli disse:

    agradeço a observação do administrador do blog.

    o aquecimento global e o aumento das atividades tectônicas e sìsmos estão diretamente ligadas a retirada do material fóssil, pois este material absorve parte da energia e radiação produzida pelo planeta.

    fico agradecido.
    ancelmo

  • Administrator disse:

    Vamos tentar retomar ao assunto, Ancelmo. Temos uns dois outros debatedores aqui, ambos ambientalistas e escritores com livros publicados sobre ecologia, que serão novamente convidados a opinar sobre o seu comentário.

    Mais uma vez, grato pela participação. Se puder, retorne a cada 3 dias, para acompanhar a evolução dos comentários desta e de outras matérias correlatas.

  • ancelmo disse:

    amigo administrador, fico agradecido com o apoio, pois o conhecimento é feito com trabalho e coragem.

    a questão do aquecimento global está ligada diretamente a retirada do material fóssil do planeta. Este material absorve parte da radiação produzida pelos processos físicos do mesmo.

    as suas observações foram muito boas em meus artigos. o espaço não é um vazio. pois nunca foi alcançado um vácuo absoluto.

    atenciosamente. Ancelmo

  • Pedro disse:

    Se a teoria de Gaia é baseada na citação “A Terra é um ser vivo que se auto-regula” ou seja por mais que os ser vivos a alterem, exemplo aumento do co2 (poluição do ar) e diminuição de o2 (desflorestação) o planeta terra irá encontrar maneira de manter um equilíbrio!!!Esta hipótese é errada pois como é do conhecimento científico os seres-vivos já foram extintos do planeta terra devido a alterações climáticas uma delas ocorreu no pérnico há quase 250 milhões de anos, e não foi uma extinção por causa de um meteorito mas sim devido a elavada concentração de dióxido de carbono ou seja nessa extinção 95% dos animais desapareceram e bastou um aumento de6º graus em todo o globo para essa alteração ocorrer, mas o mais incrível é que essa alteração de aumento de co2 e de + 6º no nosso planeta na altura do pérnico demorou uns dez mil anos a acontecer, nós estamos a conseguir fazer o mesmo em menos de 150 anos dá que pensar não é??? Desertos a cobrirem continentes inteiros o mar elevasse a 20 metros em 2050 metades das espécies actuais estarão extintas!!!
    A extinção do Pérnico aconteceu e muitas outras também e a teoria de Gaia por mais bonita que seja se em 10 mil anos não conseguiu travar a extinção não é em 150 que vai conseguir travar a nossa que estamos a criar dia após dia!!

  • Eduardo Santos de Paulo disse:

    A Igreja do Aquecimento Global segue firme arregimentando fiéis mundo afora. Tenho muito medo de ser queimado na fogueira dessa Santa Inquisição por simplesmente dizer que a Terra é redon…ops!!!
    Vamos lá: nós, um simples pedacinho de carbono nos confins da Via Láctea, os seres mais evoluídos do universo, conhecedores da mais alta ciência, apoderados dos melhores supercomputadores da galáxia(que são abastecidos com os maiores ultrahipersupertrioctamodelos climatológicos disponíveis num raio de 2 milhões de anos-luz!!), estamos prevendo o descongelamento da Groelândia( ó não!!), a elevação dos mares( que terrível conicidência!!), o fim dos ursos panda( ah não!! Vou amarrar uma pedra no pescoço e me jogar no Ganges!!!) e …(…) e …(…) ah, que triste fim para Policarpo Quaresma, quero dizer, para aquele amontoado de proteínas que, graças a um raio, hoje está aí até hoje!!!
    Peraí!! Oras, mas se a Groelândia é uma calota de gelo gigante, como os Vikings tinham fazendas lá?? E os dinossauros? Que falta enorme eles fazem ao ecossistema!! E aqueles homens de Neantherdal?? Será que eles tinham tantas indústrias assim, como a gente? E o mapa do Almirante turco Piri Reis? Data de mapas mais antigos, antes de 1500, mas já apresentava a Antárdida com seu litoral de terra, sem o gelo que atualmente encobre o continente. E aquele famoso mamute congelado da Sibéria, encontrado em perfeito estado de conservação, com comida não digerida no estômago e resquícios de uma planta ainda nos dentes? A tal planta não tem na Sibéria, só bem mais ao sul(alguns milhares de quilômetros). Na verdade, lá nunca foi o habitat deles. Mas já foram encontradas mais de 180 ossadas. E aquele lago de sal lá no Equador? Como a água do mar foi para lá em cima?
    Mudanças climáticas radicais sempre ocorreram na Terra. E devem ter sido tão radicais que a cada vez que ocorrem, eliminam várias espécies que não se adaptam a elas. Aprendemos nas escolas as teorias vigentes. Todo mundo sabe como se formaram grandes cadeias rochosas recentes, como os Andes: uma placa tectônica sobrepôs outra e assim subiu esses 5Km de montanhas. Mas algum professor nos explicou que para uma placa rampar 5Km sobre a outra o impacto teria que ser gigante? E que uma formação extremamente rápida explicaria a elevação abrupta do mar, encarcerando parte de suas águas por séculos, de tal forma a evaporarem po completo, assim como no Equador?
    Algum cientista do IPCC já explicou em seu doutorado o quão quente a Terra deveria estar para que o Saara fosse fundo de um mar? Ou o quão frio ela estivesse para que o gelo cobrisse boa parte da Terra?
    Ah, como eu queria postar aqui aquele gráfico que o Al Gore usou em seu filme para provar que o CO2 causa a elevação de temperatura!!! Será que ele acha que somos acéfalos??? OLHEM O GRÁFICO PARADO!!! A escala é enorme!!! Cada milímetro representa milhares de anos!!! Procurem por ele na internet e vejam com seus próprios olhos!!! O aumento de CO2 na atmosfera é a CONSEQUÊNCIA do aquecimento global, e não a sua causa!!! O que está aumentando recentemente na temperatura é fichinha perto do aumento que houve há cerca de 10/12 mil anos!!
    Pelo martelo de Thor!!! Alguém já viu uma usina metarlúgica funcionando com energia solar ou eólica???? A África só tem carvão e petróleo!! O que seria de nosso país se Getúlio não tivesse barganhado a base militar no nordeste pela CSN!!! O IPCC é um movimento político. O cientista que não é fiél dessa igreja não tem verba para pesquisa!! Eles usam a tática nazista de Goebbels para fazer a propaganda dessa falácia!!!
    Tenham dó!! Nós não somos otários. Procurem no you tube aquele documentário do canal 4 da BBC, ” A Farsa do Aquecimento Global” e tirem suas conclusões….

  • Muito bom, Paulo; muito bom mesmo. Isso prova que você está entre aqueles cidadãos incomuns: os que pensam e lêem, não aceitando de pronto as informações que a mídia tenta colocar na cabeça das pessoas. Um grupo de cientistas dissidentes do IPCC já desmascarou a farsa; o aquecimento global não é antropogênico e já existe por aqui há muitos milhares de anos. É cíclico. Mas a divulgação alarmista interessa a propósitos escusos porque tem dinheiro rolando (verbas para pesquisa, patrocínio, desenvolvimento de novos produtos, etc.)

    Quanto ao que você falou sobre o tal documento da BBC de Londres, eles estão expostos aqui mesmo, neste blog, em vídeo. Procure o artigo A FARSA DO AQUECIMENTO GLOBAL, e “Uso da energia nuclear… não seria a hora de rever conceitos?”. Todos estão aqui neste blog e explicam muito bem os jogos de interesses por trás do aquecimento global, inclusive o problema dos países da África.

    Obrigado por sua visita! Seu comentário foi muito útil e esclarecedor. Parabéns!

  • mgomide3 disse:

    Caro Eduardo,
    Fazendo coro com nosso dedicado e inteligente Ivo Reis, dou-lhe meus parabéns pela apresentação de seu arrazoado, onde se percebe claramente que você exerce suas faculdades mentais com independência. Que você é incomum: pensa com sua própria cabeça.
    Faço, no entanto, algumas observações que podem aclarar melhor o assunto, tanto quanto elas podem até influir no meu próprio modo de raciocinar.
    Entendo que você expôs seu pensamento sob duas visões diferentes. Na primeira, você tem toda a minha concordância porque construída sob uma óptica cósmica, atemporal, isenta de sentimentos próprios do ato de viver. Essa visão ocupa a maior parte de seu trabalho. A segunda, por ser produto de um ângulo circunstancial e temporal completamente diferente, contém meias verdades, talvez por ser esta visão influenciada pelas conclusões daquela.
    Diz você que as conclusões do IPCC são políticas. Não nego. A comissão de notáveis, inicialmente, colheu dados científicos, condensados em gráficos ou relatórios sucintos, dali tirando suas próprias interpretações. Mas, ao redigir o relatório, o texto foi previamente submetido ao “amém” dos representantes governamentais que se achavam presentes nessas reuniões. Os acólitos dos principais países como Arábia Saudita, Estados Unidos e França, modificaram os textos ao prazer de seus próprios interesses. Os cientistas baixaram a cabeça, naturalmente porque dependem de seus empregos. Por isso, admito que a tese alvo de aquecimento global é uma espécie de bode colocado na sala. Mas, de qualquer forma, se o aquecimento global pode ser contestado pelos arranjos preestabelecidos, entendemos nós os ambientalistas que tal expressão não passa de uma fração de um conjunto a que podemos dar o nome de degradação da biosfera. E essa não pode ser negada pela evidência demonstrada pelas percepções de nossos sentidos. Não há como ser negada uma situação andante, dinâmica, progressiva, acumulativa, como pode ser visto nos diversos argumentos propiciados pelos artigos serenos que têm sido publicados neste blog.

  • marco aurelio barçante disse:

    Prezados Senhores:
    Li atentamente todos os textos e considero que devemos levar ao extremo e até começarmos uma organização que defenda os interesses nacionais.
    Não podemos ficar à mercê dos interesses dos países centrais e impedir nosso desenvolvimento econômico.
    Sou arquiteto e planejador urbano e sofro uma tremenda injustiça na decretação da APA do PAU BRASIL, em Cabo Frio, ferindo um projeto aprovado e devidamente registrado. Tudo em nome de uma teoria ambientalista que obedece exatamente a todos os preceitos aqui criticados.
    Diversos projetos estão sendo impedidos, em nome do radicalismo do desmatamento e do aquecimento. Os ambientalistas são contra tudo, criam prejuízos incalculáveis na propriedade alheia. Por mais que apresentemos propostas sérias de ocupações sustentáveis do solo, eles são contra, só pensam no engessamento total do solo urbano, na criação de APAs que, em nossa realidade econômica, só favorecerão à criação dos loteamentos irregulares e favelas e aí, fatalmente o desmatamento virá.
    Quero levantar esta questão, para que possam dar uma contribuição, pois a teoria do aquecimento, até nos Planos Diretores das cidades e nos projetos urbanísticos, estão prejudicando intensamente o nosso desenvolvimento, principalmente no tocante aos projetos turísticos.
    Em minha humilde forma de pensar e sentindo na pele, considero que isto é feito de forma a impedir o desenvolvimento da indústria do turismo no Estado do Rio de Janeiro, que, numa isócrona de 2 horas, tem um clima frio, de serra, a Região da Costa Verde e a Região da Costa do Sol.
    O medo dos países do primeiro mundo desta competição, leva ao financiamento e fortalecimento do ceticismo ambientalista.

  • It took me a long time to search on the net, only your site open up the fully details, bookmarked and thanks again.

    – Kris

  • bidou disse:

    Hi there,

    I have a message for the webmaster/admin here at debatadesvendeedivulgue.com.

    May I use some of the information from your blog post above if I give a link back to this site?

    Thanks,
    Harry

  • Hi there,

    This is a inquiry for the webmaster/admin here at debatadesvendeedivulgue.com.

    May I use some of the information from this post right above if I provide a backlink back to your website?

    Thanks,
    James

  • Hi there,

    I have a question for the webmaster/admin here at debatadesvendeedivulgue.com.

    Can I use some of the information from your blog post right above if I give a link back to this website?

    Thanks,
    Alex

  • WitlyBeinny disse:

    Hi:

    I just now registered on debatadesvendeedivulgue.com.
    I’m hoping to take a look round just a bit and interact with fascinating folks and learn a few things.

    I am hoping this message does not end up in an inappropriate section. I am sorry if it does.

    ——————–

    HUGO MIDDLETON
    Broadcast News Analyst

  • Hi,

    I have a inquiry for the webmaster/admin here at debatadesvendeedivulgue.com.

    May I use some of the information from your blog post above if I give a backlink back to this website?

    Thanks,
    Thomas

Deixe uma resposta