A evangelização traz a salvação moral?

05/01/2009
by Robson Fernando

Esse é um fenômeno quase tão antigo quanto a primeira igreja evangélica e não é exclusivo do Brasil, mas percebi que hoje seus motivos estão fortes como há muito não estavam e tornou-se inevitável uma análise da situação ser feita. Trata-se da recorrência de muitas pessoas, de qualquer classe sócio-econômica, ao cristianismo pentecostal para se refugiar das falhas graves de moralidade que os provedores de cultura de massas vêm cometendo. Quem ainda não conheceu um evangélico que demonstre manifestamente a rejeição às imoralidades mundanas contemporâneas? É de se notar, no entanto, por quem tem sobriedade intelectual, senso crítico e conhecimento suficiente de abusos religiosos, que, por mais que se espere no cristianismo e na igreja um Eldorado da retidão moral e dos chamados bons costumes, ele não o é e muitas vezes exerce um papel totalmente inverso, o de provedor de outras imoralidades e vícios. Não é à toa que muitos ex-cristãos que hoje não têm mais religião concluem que, ao contrário do que o crescente número de evangélicos espera em seu novo padrão de comportamento, “aceitar Jesus” não é nem nunca foi garantia de se alcançar uma vida de salvação moral.

“Onde está essa tal decadência moral de que tanto falam?”, é necessário perguntar para querer compreender o ponto de vista cristão. Além daquelas tradicionais afirmações de que “as pessoas estão caindo cada vez mais facilmente na promiscuidade”, “não há mais respeito mútuo como antigamente(?)”, “os valores de hoje estão levando muitos às drogas, ao álcool, à autodestruição”, “o amor ao próximo está sendo desvalorizado” e outras que apontam, com ou sem razão, com ou sem vieses preconceituosos, a tendências de relaxamento do que chamam de “moral e bons costumes”, realmente são apontáveis diversos pontos em que os instrumentos que provêm cultura para as massas e influenciam decisivamente os seus hábitos estão atentando de fato contra a moralidade e agredindo diversos valores éticos sociais nos dias de hoje. […]Dois exemplos incontestáveis mostram-se à vista de quem quiser – e de quem não quer também – ver: o ritmo que chamam de “forró” estilizado, que nos últimos anos vem sendo provedor do que há de mais podre e desrespeitoso em cultura e moralidade – o que dizer de músicas que incentivam a traição conjugal e o alcoolismo, propagam erotismo e prostituição para todas as idades, esbanjam misoginia, valorizam a crueldade das vaquejadas e, de forma geral, induzem a um comportamento alienado e irresponsável? –, e a novela A Favorita, que tem escancarado a tendência relativamente recente da TV Globo em transformar em atração popular e “imperdível” uma dramaturgia repleta de vulgaridade, ódio, discórdia, brigas, violência, gritaria, humilhação e mortes trágicas. Desses casos já dá para se ter uma ideia do que é de que tanta gente vem correndo.

Agoniados por viverem numa sociedade que não preza pelos bons valores como queriam que fosse feito, milhares a cada ano vêm enxergando na vida evangélica a salvação. Não só aquela prometida após a morte e o apocalipse, como também a da vida moralmente desamparada e carente de parâmetros morais convenientes. É um fator na maioria das vezes secundário, considerando que os motivos de “aceitar Jesus” normalmente envolvem propósitos e necessidades espirituais de maior magnitude e às vezes experiências ditas sobrenaturais – na verdade induzidas por sugestão psicológica a longo prazo –, mas ainda muito importante na conversão da pessoa da vida mundana à regida pelo cristianismo, até pela sensação de que ser cristão praticante é muito melhor do que viver vulnerável à corrupção moral da cultura secular. É a oportunidade, segundo muitos, de abraçar uma vida regida pelo amor ao próximo, perdão, misericórdia, retidão, solidariedade, altruísmo, recusa incondicional à degradação causada pelo álcool e por outras drogas, combate à desvalorização dos “bons costumes” e outras benesses mais.

Mas, se a pessoa tem um senso crítico, o poder de questionar se realmente é válido aprofundar a crença no fantástico bíblico – para não dizer mitologia – e um conhecimento histórico antigo e contemporâneo de abusos motivados por religião, vai perceber que, ao contrário do que uma pessoa pouco instruída em Mitologia imparcial e História Religiosa espera de coração encontrar, o Evangelho não é garantia nenhuma de pureza e de morais exclusivamente benignas. Bom seria se o cristianismo promovesse e tivesse promovido, em seu histórico e doutrina, apenas o bem e a retidão, mas, para a infelicidade dos esperançosos, não é nem nunca foi assim. Muitos valores tidos por uma noção ética avançada como obsoletos, preconceituosos, inconvenientes e desarmônicos são adotados abertamente por muitos evangélicos – embora nem todos estes – como se fossem parte de uma moral direita. Muitos vícios e erros crônicos são praticados repetidamente por eles, tais como: homofobia; discriminação, hostilização e até ódio contra pessoas de outras religiões e de irreligiosos; aversão a muitos importantes ensinamentos científicos ainda que exaustivamente comprovados; o “evangelocentrismo”, a crença de que o evangélico é o único da sociedade que caminha na estrada certa e merece a salvação; a mercantilização da bênção, vide o comportamento dos pastores e fiéis neopentecostais em trocar dinheiro pela graça divina; o apoio ao zoonazismo, pela indiferença para com a vida e o bem-estar dos animais a partir de uma concepção de “superioridade” humana; e, o mais notado, a arrogância do “direito” de desrespeitar os limites da convivência harmônica entre crenças e descrenças fazendo panfletagem insistente, batendo de porta em porta, impondo a crença cristã como se fosse a única verdade absoluta, afirmando que todos deveriam “aceitar a palavra de Deus” nem que fosse à força.

Tornar-se evangélico é a porta para a salvação moral? A resposta, por mais que os “crentes” afirmem o contrário, é não. É certo que muitos vícios e faltas morais são coibidos pela religião, mas esta traz tantos outros, muitas vezes ainda mais nocivos do que o hedonismo de quem ouve “forró” estilizado ou o mau gosto de quem assiste A Favorita. A realidade é que, Muito mais do que recorrer à religiosidade apartada do secularismo promíscuo, o senso crítico, a seletividade cultural, o desenvolvimento intelectual e a edificação independente e própria dos valores morais e éticos mais retos ainda são insuperáveis para se blindar perante o que a cultura de massas vem oferecendo de ruim e desrespeitoso e seguir uma vida sadia.

Robson Fernando é estudante, escritor e dono do blog Consciência Efervescente (http://conscienciaefervescente.blogspot.com/)

Texto original:

http://conscienciaefervescente.blogspot.com/2009/01/evangelizao-traz-salvao-moral.html

Talvez você também se interesse por estes artigos correlatos:

(Voltar ao topo da página)

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

21 Comentários

  • ivancarlos disse:

    Meu caro Robson,

    Todos os atos de “enfrentamento” que você aponta e com justa razão, pois são atitudes claramente observadas na maioria evangélica, encontram explicação em alguns pontos que tentarei demonstrar neste comentário.

    Trata-se de um movimento religioso ainda incipiente se comparado às antigas religiões do mundo. E como tal, assim como nós enquanto pessoas juvenis, comete-se alguns desvarios. Portanto, até compreensíveis.
    Carrega em seu “código genético” a característica do confronto, quando se insurgiu contra a Igreja de Roma, fato este que determinou a sua origem. E isto deverá perdurar até o limiar de sua maturidade.

    Todavia, os fatores negativos apontados em sua matéria provocados pelo movimento evangélico no mundo, meu caro Robson, tornam-se de pouca expressão quando comparados àqueles oriundos das mais antigas religiões. Estes sim, mudaram o curso da humanidade e seus reflexos são percebidos e sentidos até os dias de hoje.
    Destaco como principal deles o fato de que, anteriormente às religiões, o homem era LIDERADO, e com o advento religioso passou a ser COMANDADO. O homem que antes vivia livremente, sob uma liderança inata, passou a ser encabrestado por seus comandantes de uma forma arbitrária, imposta através do medo às divindades sobrenaturais. Evoluindo posteriormente, para o uso irrestrito da força.
    Como conseqüência, foram sendo instituídas todas as formas de governos que se tem conhecimento. Desde o mais ditatorial até o mais democrático, tem como objetivo carregar o povo como um “rebanho” e exercer sob as pessoas um domínio total. Isto sim, está nos levando passo a passo ao “fim dos tempos” e nos faz viver num verdadeiro “inferno” aqui e agora.
    O exercício total da liberdade que experimentam os animais “selvagens” nos foi tirada; graças aos primeiros “espertalhões” que inventaram as primeiras religiões. Quando ainda, nem arremedos de armas existiam, começaram a “comandar” sob a égide do pavor ao transcendente.
    E tudo isso, explica de certa forma, as benesses legais e as “vistas grossas” governamentais sobre os absurdos cometidos por entidades religiosas ao longo de toda a história da humanidade.

    Um forte abraço!

  • KLEBER RAMÍREZ disse:

    Olá, Robson, ou qualquer pessoa que puder me responder o significado de:
    1 – homofobia; 2 – discriminação, 3 – hostilização e até 4 – ódio contra pessoas de outras religiões e de 5 – irreligiosos;
    Através destas resposta farei meu comentário.
    Pessoal, Não esqueci de preparar o meu comentário sobre os outros post. Estou concluindo.
    No aguardo:
    Kleber Ramírez

    P.S. – Sou crente, tenho 39 anos, ensino médio completo.

  • Salve, Sr. “Voz dos Crentes”. Como percebeu, aqui neste blog você está ficando cada vez mais sozinho. Aglutinam-se naturalmente ao nosso redor, pessoas que pensam como nós. Seria interessante se você pudesse convidar alguns outros crentes ou até mesmo “pastores” amigos seus (mas educados e lúcidos como você, não os xingadores) para auxiliá-lo nos debates.

    Quantas às suas dúvidas, vou eu responder, se o autor assim me permitir: 1) Homofobia – É aquilo que o Pastor Silas Malafaia prega, nas Assembéias de Deus: ódio e intolerância contra os homossexuais; 2) Discriminação: Suponho que o autor quis dizer dizer que os crentes discriminam os que não são da sua religião, como os espíritas e umbandistas, por exemplo; 3, 4 e 5) Hostilização e até ódio contra pessoas de outras religiões e irreligiosos – Você tem dúvidas disso? Como os crentes tratam os que não têm religião ou têm uma religião diferente da sua? Os pobres dos ateus, céticos e agnóstiicos são xingados (como já fui muitas vezes), “em nome de Jesus” e rotulados como “filhos de Satanás”, Os de outrras religiões que não as suas, pertencem às religiões “das sombras” e por aí vai.

    Kleber, consciente e convictamente, sou IRRELIGIOSO e AGNÓSTICO, com muito orgulho, e acho que, embora longe da perfeição moral, tenho conceitos morais muito mais elevados do que os da maioria dos “crentes”. No entanto, sabe qual foi o crente que melhor me tratou até hoje, mesmo que “Virtualmente” (espante-se!)? Você. Por aí, já pode ter uma idéia do quão tenho sido xingado e discriminado por eles. Você precisa ler um artigo denominado “Manual para Entender os Crentes”. Lá é explicado tudo isso. Infelizmente, é muito longo ( dividido em capítulos) para publicar aqui; senão, eu o faria. É muito esclarecedor. E para entender cabeça de crente, só com um manual e olhe lá!…

    Se vc. acha que suas dúvidas foram respondidas, pode rebater. Estamos aguardando seus comentários. Antes, porém, responda: Por que não defendeu o seu próprio artigo, que deixei publicado e intocável por 4 longos dias? Ora, se o próprio autor não defende nem o que ele mesmo escreve, como quer rebater as opiniões de outros, completamente contrárias às suas? Não consigo entender…

    Quanto à pergunta do autor, vou dar a minha opinião, de forma taxativa: Não! A evangelização jamais teve qualquer garantia de que possa contribuir para a moralização do indivíduo. Se assim fosse, todos os pastores seriam homens ímpios e suas ovelhas, idem. São?

    Abraços comunitários!

  • Kibom33 disse:

    Os crentes vangloriam-se em poder contribuir para a socialização de algumas pessoas, colocam até como obra de deus, o grande milagre, mas esquecem que várias atividades fazem o mesmo, veja o esporte, o trabalho e a educação tem transformado pessoas, o que não tem nada de sobrenatural, são ações inerentes do homem.

    Veja o depoimento dos que se consideram agraciados pelos milagres, é o filho que saiu das drogas, o marido que voltou para casa, etc., o que não teria nada de extraordinário, se não fosse a vontade e a necessidade em mudar o rumo da vida que estavam levando.

  • ivancarlos disse:

    KLEBER,

    Quanto às suas questões contidas em seu comentário de nº 2, faço coro às respostas do Ivo. E, portanto, nada acrescentarei a elas.
    Mas, gostaria muito de saber a sua opinião sobre a pergunta da matéria: A EVANGELIZAÇÃO TRAZ A SALVAÇÃO MORAL?
    Eu, particularmente, acho que não. Como prova, basta ver alguns vídeos que estão postados na sidebar deste blog, ou se inteirar das razões que levaram à queda do telhado do templo de propriedade daquele casal “marginal”, já condenado pela justiça. Ou, ainda, observar o tipo de vida que levam os mandatários das igrejas, e verificar se eles estão cumprindo direitinho, a “partilha do pão” com os pobres que deveriam ser o objeto de sua existência.

    KIBOM33

    Gostaria de fazer um pequeno adendo ao seu comentário acima.
    Entendo que os crentes fazem menos… bem menos pela sociedade, do que aquelas atividades que você descreveu: esporte, trabalho e educação.
    E sabe por que, meu caro? Simples. Apesar da Bíblia ser o único objeto de estudo dos crentes, até hoje não conseguem interpretá-la corretamente, ou interpretam-na mas se desviam da sua mensagem principal.
    Está, claramente, explícito na Bíblia que o HOMEM é o fundamento dos valores e não o Deus transcendente da teologia idealista que insistem em pregar. Deus não se distingue do homem e nada sabemos de Deus fora do “homem” Jesus. Não é Deus o centro da fé cristã, pois pelo movimento e pela própria direção da “encarnação”, Ele nos indica que é o HOMEM quem deve ser o pólo de referência da fé.
    Vou mais além, ainda: a libertação do homem constitui o princípio, o meio e o fim da atividade de Deus. Falar de Deus é falar de acontecimentos históricos que fizeram e que farão do homem um ser livre. Falar corretamente, do Deus de Isaac, Abraão e Jacó, é falar daquele que não tem outra determinação fora daquela de ser para o homem.
    É isso que se vê dentro das igrejas? Não. Do contrário, persistem em adoração, contemplação e orações repetitivas a uma “divindade” que nunca pediu diretamente, isso a ninguém; e, ainda, por mais um grave erro de interpretação bíblica, gritam aos quatro cantos “não pertencerem a este mundo”, quando ao contrário, deveriam ser agentes de transformação do processo histórico da humanidade. Esta sim, é a verdadeira “missão” de todas as pessoas, mais ainda, daquelas que se dizem cristãs.

    Um forte abraço a todos!

  • KLEBER RAMÍREZ disse:

    Olá pessoal.
    Existem três pilares fundamentais do Cristianismo.
    PRIMEIRO FUNDAMENTO
    1 – João 3:16-18
    16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
    17 Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
    18 Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.
    2 – Atos 4:12
    E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.
    3 – I de Timóteo 2:5
    5 Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.

    SEGUNDO FUNDAMENTO
    1 – II de Coríntios 5:17
    17 Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.
    18 E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação;
    19 Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação.

    2 -João 8:32
    E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

    TERCEIRO FUNDAMENTO
    1 – I João 2:6
    Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.
    2 – I João 2:4
    Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.
    Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
    3 – Mateus 7:17-22
    18 Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.
    19 Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
    20 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.
    21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
    22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
    4 – Atos 11:26
    E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente; e em Antioquia foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos.

    RESUMINDO:
    Antes que eu comece a julgar as pessoas, primeiro observarei minha vida se ela está condizendo com os versículos acima.
    Percebí que para ter a salvação moral tenho que crer em Jesus Cristo, que ele é meu salvador e que minha obrigação é praticar a palavra.
    Quanto ao que os outros praticam, só tenho a lamentar, mas antes tenho que me policiar para não enganar ninguém e principalmente a mim mesmo.
    Que Deus continue abençoando vocês e suas famílias.
    Jesus Cristo te ama!
    kleber Ramírez

  • ivancarlos disse:

    Kleber,

    Isso mesmo Kleber, principalmente, observe quem está de orientando espiritualmente. Veja se eles vivem verdadeiramente, com os fundamentos acima que você citou.
    Não se engane com ninguém, meu amigo, você é gente boa.

    Abraços.

  • Que absuuuurdo, Kleber. Nem vou perder muito tempo contestando isso.

    Peço apenas que atente para o seguinte: Um dos argumentos que os cristãos (católicos, evangélicos e outros) usam para justificar passagens bíblicas ilógicas e quase impossíveis é que é preciso saber interpretar a leitura porque “a linguagem é metafórica”. Estou mentindo? Você sabe que não!

    Pois bem, vamos aos versículos que você citou (vou destacar apenas os que seguem abaixo):

    Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
    3 – Mateus 7:17-22
    18 Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.
    19 Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
    20 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.

    Bem, parece que você acredita nisso, não é? Agora vamos colocar os versículos aplicados à vida real, destrinchando as “metáforas”:

    Princípio geral: “Filho de gente boa é gente boa; filho de gente ruim é gente ruim.”Isto é verdade?
    1) Todos os filhos de assassinos (árvores más) serão também assassinos porque “a árvore má não pode dar bons frutos (bons filhos)”. Isto é verdade?
    2) Todos os filhos de pessoas boas (árvores boas) serão também boas pessoas porque “a árvore boa não pode dar maus frutos (maus filhos)”. Isto é verdade?
    3) Se uma pessoa boa (um pai bom e zeloso, “a árvore boa”) tiver um filho assassino (mau fruto), devemos cortar o pai e lançá-lo ao fogo (cortar a árvore boa e lançá-la ao fogo, para destruição total). Mas o mau fruto, o filho assassino, fica vivo e impune, sem nenhum castigo. Isto é verdade?
    4) Pelos seus frutos (filhos) os conhecereis (os pais). Portanto, se o filho for bandido é porque o pai é ou foi bandido; se o filho for bom e magnânime é porque o pai também o é ou foi. Isto é verdade?

    Gostaria que você, ou qualquer outro crente cristão, respondesse a todas as questões relacionadas às perguntas “Isto é verdade?” Se possível, e como também diz o Ivan, gostaria que me dissessem se conseguem viver de acordo com essas regras, não transgredindo as escrituras.

    Kleber, Kleber, acooooorda! Acho que, como diz o Ivan, você já ESTÁ FICANDO PERTURBADO COM ESSE NEGÓCIO DE QUERER CRER A TODO CUSTO NOS LIVROS SAGRADOS. Esqueça! Enfrente a realidade e a lógica e voltará a ser mentalmente saudável ou, se ainda não está perturbado, evitará que fique! Desculpe, companheiro de debates, mas tinha de lhe dizer isto.
    Todos nós aqui o queremos bem. Você é nosso crente preferido.

    Abraços a todos e que reflitam sobre este comentário. Gostaria que alguém me provasse que estou errado. Não sou careta, presunçoso, nem radical teimoso. Se me “provarem” que estou errado, eu me retrato e humildemente peço desculpas pelo meu erro.

  • ivancarlos disse:

    Kleber,

    Você poderia sair da “retranca” e ler esse comentário do nosso companheiro Ivo. Irá constatar que não se trata de uma tentativa de convencê-lo a nada, e sim, um alerta que só se dá a quem se gosta.

    Abraços.

  • KLEBER RAMÍREZ disse:

    Olá pessoal. Vamos aos argumentos:
    IVO REIS – Peço apenas que atente para o seguinte: Um dos argumentos que os cristãos (católicos, evangélicos e outros) usam para justificar passagens bíblicas ilógicas e quase impossíveis é que é preciso saber interpretar a leitura porque “a linguagem é metafórica”. Estou mentindo? Você sabe que não!
    KLEBER RAMÍREZ – A interpretação é necessária através do Espírito de Deus que habita em nós, conforme:
    João 14:16-17, 26
    16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre;
    17 O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.
    26 Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.
    João 15:26
    26 Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim.
    João 16:7 – 11
    7 Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei.
    8 E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.
    9 Do pecado, porque não crêem em mim;
    10 Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;
    11 E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.

    IVO REIS – Pois bem, vamos aos versículos que você citou (vou destacar apenas os que seguem abaixo):
    Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus.
    3 – Mateus 7:17-22
    18 Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.
    19 Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo.
    20 Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.
    Bem, parece que você acredita nisso, não é? Agora vamos colocar os versículos aplicados à vida real, destrinchando as “metáforas”. Gostaria que você, ou qualquer outro crente cristão, respondesse a todas as questões relacionadas às perguntas “Isto é verdade?”
    Princípio geral: “Filho de gente boa é gente boa; filho de gente ruim é gente ruim.”Isto é verdade?
    KLEBER RAMÍREZ – NÃO
    1) Todos os filhos de assassinos (árvores más) serão também assassinos porque “a árvore má não pode dar bons frutos (bons filhos)”. Isto é verdade?
    KLEBER RAMÍREZ – NÃO
    2) Todos os filhos de pessoas boas (árvores boas) serão também boas pessoas porque “a árvore boa não pode dar maus frutos (maus filhos)”. Isto é verdade?
    KLEBER RAMÍREZ – NÃO
    3) Se uma pessoa boa (um pai bom e zeloso, “a árvore boa”) tiver um filho assassino (mau fruto), devemos cortar o pai e lançá-lo ao fogo (cortar a árvore boa e lançá-la ao fogo, para destruição total). Mas o mau fruto, o filho assassino, fica vivo e impune, sem nenhum castigo. Isto é verdade?
    KLEBER RAMÍREZ – NÃO
    4) Pelos seus frutos (filhos) os conhecereis (os pais). Portanto, se o filho for bandido é porque o pai é ou foi bandido; se o filho for bom e magnânime é porque o pai também o é ou foi. Isto é verdade?
    KLEBER RAMÍREZ – NÃO
    KLEBER RAMÍREZ – Vejamos. Vamos primeiramente para o Velho Testamento onde fala-se sobre justiça: EZEQUIEL 18:1-32
    1 E VEIO a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
    2 Que pensais, vós, os que usais esta parábola sobre a terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram?
    KLEBER RAMÍREZ – Os Israelitas acreditavam que se o pai cometesse pecado, os filhos pagariam pelo erros dos pais.
    3 Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nunca mais direis esta parábola em Israel.
    Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá.
    5 Sendo, pois, o homem justo, e praticando juízo e justiça,
    9 Andando nos meus estatutos, e guardando os meus juízos, e procedendo segundo a verdade, o tal justo certamente viverá, diz o Senhor DEUS.
    10 E se ele gerar um filho ladrão, derramador de sangue, que fizer a seu irmão qualquer destas coisas;
    11 E não cumprir todos aqueles deveres, mas antes comer sobre os montes, e contaminar a mulher de seu próximo,
    12 Oprimir ao pobre e necessitado, praticar roubos, não tornar o penhor, e levantar os seus olhos para os ídolos, e cometer abominação,
    13 E emprestar com usura, e receber demais, porventura viverá? Não viverá. Todas estas abominações ele fez, certamente morrerá; o seu sangue será sobre ele.
    14 E eis que também, se ele gerar um filho que veja todos os pecados que seu pai fez e, vendo-os, não cometer coisas semelhantes,
    17 Cumprir os meus juízos, e andar nos meus estatutos, o tal não morrerá pela iniqüidade de seu pai; certamente viverá.
    18 Seu pai, porque praticou a extorsão, roubou os bens do irmão, e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que ele morrerá pela sua iniqüidade.
    19 Mas dizeis: Por que não levará o filho a iniqüidade do pai? Porque o filho procedeu com retidão e justiça, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso certamente viverá.
    20 A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.
    21 Mas se o ímpio se converter de todos os pecados que cometeu, e guardar todos os meus estatutos, e proceder com retidão e justiça, certamente viverá; não morrerá.
    22 De todas as transgressões que cometeu não haverá lembrança contra ele; pela justiça que praticou viverá.
    23 Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio? diz o Senhor DEUS; Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva?
    24 Mas, desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo a iniqüidade, fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio, porventura viverá? De todas as justiças que tiver feito não se fará memória; na sua transgressão com que transgrediu, e no seu pecado com que pecou, neles morrerá.
    25 Dizeis, porém: O caminho do Senhor não é direito. Ouvi agora, ó casa de Israel: Porventura não é o meu caminho direito? Não são os vossos caminhos tortuosos?
    Desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo iniqüidade, morrerá por ela; na iniqüidade, que cometeu, morrerá.
    27 Mas, convertendo-se o ímpio da impiedade que cometeu, e procedendo com retidão e justiça, conservará este a sua alma em vida.
    28 Pois que reconsidera, e se converte de todas as suas transgressões que cometeu; certamente viverá, não morrerá.
    29 Contudo, diz a casa de Israel: O caminho do Senhor não é direito. Porventura não são direitos os meus caminhos, ó casa de Israel? E não são tortuosos os vossos caminhos?
    30 Portanto, eu vos julgarei, cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor DEUS. Tornai-vos, e convertei-vos de todas as vossas transgressões, e a iniqüidade não vos servirá de tropeço.
    31 Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?
    32 Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei.
    IVO REIS – Se possível, e como também diz o Ivan, gostaria que me dissessem se conseguem viver de acordo com essas regras, não transgredindo as escrituras.
    KLEBER RAMÍREZ – Não. Na verdade ninguém consegue. Mas, segundo as escrituras, temos um advogado, Jesus Cristo, o justo, que intercede por nós. Vejamos:
    I JOÃO 1:5-10 e I JOÃO 2:1-6
    5 E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas.
    6 Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade.
    7 Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.
    8 Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.
    9 Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.
    10 Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.
    CAPÍTULO 2
    1 MEUS filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.
    2 E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.
    3 E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos.
    4 Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.
    5 Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele.
    6 Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.
    KLEBER RAMÍREZ – Para encerrar, vamos para:
    João 15:1-5
    1 EU sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.
    2 Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.
    3 Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.
    4 Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
    5 Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
    6 Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.
    7 Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.
    8 Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.
    9 Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor.
    10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.
    Espero ter esclarecido o meu argumento. Qualquer dúvida, argumente que tentarei ser mais claro.
    Um abraço do tamanho do preço de nossas vidas.
    Amo vocês em Cristo Jesus
    Kleber Ramírez

  • Kleber:

    Está difícil de entender o seu pensamento. Acho que o que você quer mesmo é transcrever versículos bíblicos e parábolas do evangelho e isso não adianta para agnósticos, céticos e ateus. NÃO ACREDITAMOS NESSES LIVROS.

    Os motivos (alguns), você já viu aí em cima: eles são contraditórios, ilógicos e impraticáveis e os próprios crentes os apregoam mas não vivem de acordo com eles porque é impossível. Você mesmo admitiu, no meu comentário anterior, que os versículos que você citou “não estavam certos”, mas, mesmo assim, continua a insistir, citando outros, que são contraditórios àqueles:

    14 E eis que também, se ele gerar um filho que veja todos os pecados que seu pai fez e, vendo-os, não cometer coisas semelhantes,
    17 Cumprir os meus juízos, e andar nos meus estatutos, o tal não morrerá pela iniqüidade de seu pai; certamente viverá.
    18 Seu pai, porque praticou a extorsão, roubou os bens do irmão, e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que ele morrerá pela sua iniqüidade.
    19 Mas dizeis: Por que não levará o filho a iniqüidade do pai? Porque o filho procedeu com retidão e justiça, e guardou todos os meus estatutos, e os praticou, por isso certamente viverá.
    20 A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.

    Ora, se as citações deste comentário estão certas, as do outro estão erradas ou vice-versa (porque são contraditórias). Então, é melhor admitir que as duas estão erradas, porque não pode haver uma regra uniforme para o comportamento humano, já que as pessoas e as circunstância em que elas se encontram são diferentes. Isto é Filosofia Kleber, e são técnicas de “raciocínio lógico” que, infelizmente, os crentes não praticam. E, a bem da verdade, nem sabem e nem querem, PORQUE SÃO FANÁTICOS. O fanatismo embota ou impede o raciocinio.

  • KLEBER RAMÍREZ disse:

    Olá Sr. Ivo Reis.
    Os Israelitas acreditavam que Quando os pais pecavam, as consequências dos mesmos passavam de geração em geração. Mas Deus pelo profeta Ezequiel, ensinou que se um pai ou filho cometer pecado ou vice-versa, nenhum seria responsável pelo dano causado pelo pecado, isto é, se alguém praticar a santidade ou outro pecado, quem cometeu pecado receberia em si mesmo a consequencia de tal ato.
    No novo testamento, o Sr. Jesus Cristo, nos comparou com o ramo. Vejamos:
    Jesus era a videira e nós o ramo, se o ramo não estiver na videira, ele não poderá dar fruto.
    4 Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
    5 Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
    Como estamos passivo de erro, Jesus, o filho de Deus, veio morrer em nosso lugar, recebendo a consequencia de nossos pecados em si mesmo, tal ato nos purificou e nos salvou do que era mortal.
    Este sacrifício só recebe mediante a fé.
    O fruto são: Santidade, alegria, amor, paz, longaminidade, justiça, salvação, cura, libertação, e outras coisas mais.
    mais alguma dúvida?
    Kleber Ramírez

  • KLEBER RAMÍREZ disse:

    Outra coisa.
    Você disse que elas são contraditórias. Depende do ponto de vista seu, porque na verdade Deus mostrou que era impossível o homem se salvar por méritos próprio, Ele providenciou a salvação, dando seu filho para nos redimir, resgatar e nos libertar do pecado.
    Você disse também, que não adiantaria citar versículo da bíblia, porque vocês não creem. Eu sei disso. Mas não é por causa da incredulidade, que o sacrifício de Jesus para todo aquele que crê não será invalidado.
    Agora, existe um resultado final para os que crem e um resultado final para os que não creem.
    Um abraço.
    Jesus te ama.
    Kleber Ramírez

  • ivancarlos disse:

    Kleber,

    Você não entendeu ainda, que o único pecado que persiste é a INJUSTIÇA contra o próprio homem? Esta é a mensagem central da Bíblia que você tanto lê e parece não ter entendido, ou não quer, porque é difícil a luta contra as injustiças praticadas contra os pobres, órfãos, doentes, marginalizados, etc. É mais fácil se fechar em cultos, e esquecer que existe uma vida de verdade NESTE MUNDO para ser vivida.
    No entanto o julgamento que você faz sempre questão de citar, está explícito em Mt 25, 31-46 (o grande julgamento), se você crê realmente, na palavra bíblica, chegará à triste conclusão que as igrejas já estão condenadas. Não se percebe nenhuma iniciativa real daquelas pessoas, no sentido de luta para que se faça justiça no mundo.
    Simplesmente, entendem que basta crerem em Jesus, e ele então virá com seus anjos e os arrebatará para o céu. Você não acha isso, um pensamento infantil?

    Abraços.

  • babi disse:

    Há uma sucessão de idéias que não refletem o que na realidade o escritor bíblico em sua narrativa do Evangelho de Jesus Cristo quis dizer, um exemplo é a palavra “MUNDO” – É suposto popularmente que a palavra mundo (Kosmos) tem seu uso uniformizado no Novo e/ou Velho Testamentos. Extremamente longe disso. Ela é usada em um número de formas absolutamente diferentes.
    “Mundo” é usado para definir o universo como um todo: Atos 17:24.
    “Mundo” é usado para definir a terra: João 13:1; Efésios 1:4, etc., etc.
    “Mundo” é usado para definir o sistema mundial; João 12; 31 etc.
    “Mundo” é usado para definir toda a raça humana: Romanos 3:19 etc.
    “Mundo” é usado para definir toda a humanidade menos os crentes: João 15:18, Romanos 3:6 etc.
    “Mundo” é usado para definir os gentios em contraste com os Judeus: Romanos 11:12 etc.
    “Mundo” é usado para definir somente os crentes: João 3:16, 17; João 1:29; João 6:33: 12:47; 1ªCorintios 4:9; 2ª Coríntios 5:19 etc.
    Dos prefalados sentidos alistados acima, poder-se-ia acostar outros tantos. Em que mundo desses situa-se a presente discussão?

  • babi disse:

    Não há mais comentários?

  • Ivo S. G. Reis disse:

    Babi:

    Para nós a discussão já levou à conclusão e tem uma resposta: NÃO. Mas, infelizmente, para a maioria das pessoas esse estigma de que quem é ateu ou não tem religião é desprovido de bons valores morais, ainda vai continuar, por muito tempo. Cabe a todos nós quebrar esse mito.

  • Sérgio Ebling disse:

    Bom dia Srs,
    Inicialmente, gostaria de informar que há pouco que “descobri” esse blog e faço agora meu primeiro post por me interessar pelo assunto citado.

    Li atentamente a matéria e (confesso) li parcialmente os comentários posteriores. Não por preguiça que deixei de ler, mas por em certo momento se desviar do tema e partir para a discussão da referida metáfora e sua explicação.

    Vale destacar que indiferente do preceito religioso envolvido ou a falta dele, há de se concordar que de fato existe a necessidade do desenvolvimento moral na vida do ser humano. Há de se concordar também que nenhum de nós nasce com sua moral formada, na realidade a formamos, modificamos e desenvolvemos ao longo das experiências de nossas vidas.

    Inclua nessas experiências não só aquilo que vivenciamos na “tentativa e erro” mas toda instrução familiar, educacional, social e espiritual, quando estas houverem.

    Assim, tendo estabelicido estes conceitos, torna-se claro que a moral de fato é mutável ao longo da existência da pessoa, porém cabe a pessoa a responsabilidade de definir quais suas mudanças. Exemplificando: Diariamente recebemos uma enxurrada de informações, reconhecemos e analisamos as mais importantes e descartamos o resto. Da mesma forma, ao longo da vida recebemos inumeras orientações das mais diversas fontes, cabe a nós analisar, raciocinar, meditar e por fim descartar o resto.

    Desta maneira, a evangelização não deve ser tratada como o “herói” ou o “bandido” nesta relação com a moral, a degradação ou a graduação da moral é de inteira responsabilidade do indivíduo e das informações em que o mesmo escolhe confiar.

    Durante minha vida recebi e busquei diversas fontes que me instruissem e me ajudassem a crescer como pessoa, busquei informações em filosofias, teorias, ciências e religiões ocidentais e orientais. Tenho nos ultimos 4 anos me aplicado em estudar a Bíblia de uma maneira livre de pré-conceitos, doutrinas e tradições. Não encontrei nada que desabonasse este livro, pelo contrário, muito de suas instruções me porporcionou desenvolvimento em sentido pessoal, espiritual, social e familiar.

    Notei, também, que muito do que os ditos líderes religiosos professam nada ou muito pouco tem a ver com o que a bíblia realmente ensina. Porém, como dito anteriormente, cabe a cada um analisar e escolher no que ou em quem acreditar, sendo o único responsável, por sua progressão ou regressão moral.

    p.s.:
    Sr. Ivo, você esta interpretando a metáfora de maneira errada.
    Árvores e frutos não representam a relação pais e filhos, representam a relação entre a instrução dada e o resultado de se aplicar esta instrução.

    Na passagem citada, Jesus estava destacando que más instruções ou maus instrutores resultariam em más aplicações ou maus seguidores (árvore ruim produzindo fruto ruim) e o inverso, boas instruções ou bons instrutores resultariam em boas aplicações ou bons seguidores (árvore boa produzindo fruto bom) . Desta forma, da mesma maneira que ao olhar para uma laranja sabemos que ela se originou de uma laranjeira e não de uma macieira, ao vermos atitudes ruins por parte de uma pessoa sabemos que ela teve uma má instrução ou um mau instrutor.

    Sr. Kléber
    A Bíblia é auto-explicativa, basta se esforçar em buscar a resposta. Uma boa maneira de se fazer isso é por se ler o contexto e procurar textos relacionados em outros evangelhos.

  • Caramba, Giba, você é bom mesmo hein cara! Estou feliz com a recuperação do blog e assim que tiver certeza de que ele ficou estável, nos 3 navegadores principais (IE, FFox e Chrome), vou reativá-lo. Mas temos de incluir um plugin para substituir o 1 Blog Cacher, senão o site fica lento. Seria o caso de reintroduzir o WP Cache?

    Em tempo: Verifiquei que você não desativou o 1 Blog Cacher. Isto então significa que ele agora está OK? Estou comentando no Chrome e aqui vai tudo bem. Falta ver o Firefox e o maldito (mas necessário) IE. Você me deu um banho, cara, porque eu jamais iria suspeitar que era isso, até porque substituí o WP Cache pelo 1 Blog Cacher porque o outro estava dando problemas e me disseram que este era melhor (estou com ele em outros sites, mas lá, sem problemas). Já arrumei o DDD laranja, você viu? Se puder, deixe um comentário ao meu último post, de hoje, para testar.

    Aguardo resposta. Grato!

Deixe uma resposta