Em geral, eles não respondem e, quando o fazem, usam uma resposta padrão automática do tipo: “Recebemos o seu email. Gratos por nos contactar. Tão logo possível, responderemos…, etc. etc” . Depois, você fica aguardando aquela resposta que nunca chega. No site da Presidência da República é assim também e a mesma coisa nos dos ministérios. Mas nem por isso devemos desistir, principalmente quando a intenção for a cobrança de medidas relacionadas ao meio ambiente, à segurança nacional e à qualidade de vida.

No momento desta postagem, dois importantíssimos assuntos estão sendo discutidos em Brasília: no STF (ontem, 4ª feira), discutiu-se a demarcação das terras das reservas indígenas Raposa da Serra do Sol; no dia 1º deste mês, a proposta de redação do novo Código Florestal Brasileiro. Em ambos, a tendência de votação (ainda não está decidido) parece ser contrária aos anseios do povo brasileiro e à segurança nacional.

No primeiro caso, e por sorte, um dos Ministros pediu vistas do processo e a votação foi adiada para janeiro, depois do recesso parlamentar. Mas 8 ministros já se manifestaram favoráveis à demarcação contínua, quando o desejável seria a demarcação em ilhas, por questões de justiça social, soberania e segurança nacional; no segundo, a principal figura, o Ministro Reinholds Stephanes, da Agricultura (veja artigo abaixo: “Políticos, os Principais Vilões do Meio Ambiente“) , apresenta uma proposta de redação absurda, lesiva aos interesses nacionais, e que pode permitir que aumente ainda mais o desmatamento na Amazônia e prejudicando ainda o recém-lançado Plano Nacional de Mudanças do Clima, tão entusiasticamente anunciado pelo presidente Lula. Parece até que lá pelas bandas palacianas de Brasília não se fala a mesma língua e que o jogo de vaidades e a preocupação com os interesses individuais sobrepujam os interesses coletivos, que seriam a favor do país. […]

No excelente artigo abaixo deste, nosso companheiro, o ambientalista e escritor Maurício Gomide, citou o exemplo de Bougainville onde, por muito menos, uma pequena nação de ilhéus se revoltou e forçou o Governo a adotar medidas mais coerentes com a defesa do meio ambiente e os interesses nacionais.

Já aqui, quando o máximo que se consegue são passeatas, assim mesmo, depois do estrago feito, sugiro que utilizemos o recurso dos e-mails: entupir as caixas de entrada dos emails dos políticos e dos ministérios com mensagens de repúdio e cobrança de soluções. Digo e repito: infelizmente, o brasileiro é um povo excessivamente passivo e socialmente alienado, o que facilita a vida dos políticos para ficarem à vontade e defenderem as minorias que lhes pagam. E para facilitar mais ainda, existem as questões do corporativismo político e da impunidade. Com tantas facilidades assim, como reclamar depois, se eles ficarem incentivados para a prática de crimes de corrupção?

Segue, abaixo, a lista dos emails dos senadores (depois faço a dos deputados e dos ministérios). Usem-na! Protestem em massa, pelo menos quanto a esses dois assuntos! Digam NÃO à demarcação contínua das reservas indígenas da Raposa Serra do Sol e NÃO à redação do novo Código Florestal Brasileiro, proposta pelo Ministro Reinholds Stephanes. Só um lembrete: ao enviar os emails, usem uma linguagem polida e escorreita, para não correrem o risco maior de ficar sem resposta. Eu já fiz a minha parte. Façam a de vocês! Os emails já estão no jeito para serem abertos à redação. É só clicar e escrever.

Como proceder?

ALTERNATIVA “A”:

  1. Clique no nome do senador para o qual desejam enviar o e-mail;
  2. No campo “De:” substituam o e-mail debdesvdiv@gmail.com, pertencente a este blog, pelo de vocês (por favor, utilizem os seus próprios e-mails, no campo do remetente, do contrário a resposta não irá para vocês, e sim, para o e-mail deste blog);
  3. Escrevam a mensagem e cliquem em “enviar”.

ALTERNATIVA “B” (RECOMENDADA):

  1. Copie o e-mail do senador, utilizando as teclas Ctrl+C;
  2. Abra o seu programa particular de e-mail;
  3. Cole o email do senador no campo “Para:”
  4. Escreva a mensagem e clique em “enviar”.

Se desejarem citar a fonte onde os obtiveram, podem citar o nosso blog. Quem sabe, assim, eles passam a nos dar mais ouvidos? Àqueles que conseguirem obter respostas não automáticas, solicitamos, se possível, dar-nos conhecimento.

LISTA DOS E-MAILS DOS SENADORES BRASILEIROS

adelmir.santana@senador.gov.br; almeida.lima@senador.gov.br; mercadante@senador.gov.br; alvarodias@senador.gov.br; acmjr@senado.gov.br; antval@senador.gov.br; arthur.virgilio@senador.gov.br; augusto.botelho@senador.gov.br; cesarborges@senador.gov.br; cicero.lucena@senador.gov.br; cristovam@senador.gov.br; delcidio.amaral@senador.gov.br; demostenes.torres@senador.gov.br; edison.lobao@senador.gov.br; eduardo.azeredo@senador.gov.br; eduardo.suplicy@senador.gov.br; efraim.morais@senador.gov.br; eliseuresende@senador.gov.br; ecafeteira@senador.gov.br; webmaster.secs@senado.gov.br; expedito.junior@senador.gov.br; fatima.cleide@senadora.gov.br; flavioarns@senador.gov.br; flexaribeiro@senador.gov.br; francisco.dornelles@senador.gov.br; garibaldi.alves@senador.gov.br; geraldo.mesquita@senador.gov.br; gecamata@senador.gov.br; gilvamborges@senador.gov.br; webmaster.secs@senado.gov.br; heraclito.fortes@senador.gov.br; ideli.salvatti@senadora.gov.br; inacioarruda@senador.gov.br; jarbas.vasconcelos@senador.gov.br; jayme.campos@senador.gov.br; jefperes@senador.gov.br; joaodurval@senador.gov.br; joaopedro@senador.gov.br; joaoribeiro@senador.gov.br; jtenorio@senador.gov.br; j.v.claudino@senador.gov.br; jonaspinheiro@senador.gov.br; jose.agripino@senador.gov.br; jose.maranhao@senador.gov.br; josenery@senador.gov.br; sarney@senador.gov.br; katia.abreu@senadora.gov.br; leomar@senador.gov.br; lucia.vania@senadora.gov.br; magnomalta@senador.gov.br; maosanta@senador.gov.br; crivella@senador.gov.br; marco.maciel@senador.gov.br; marconi.perillo@senador.gov.br; maria.carmo@senadora.gov.br; mario.couto@senador.gov.br; marisa.serrano@senadora.gov.br; mozarildo@senador.gov.br; neutodeconto@senador.gov.br; osmardias@senador.gov.br; papaleo@senador.gov.br; patricia@senadora.gov.br; paulo.duque@senador.gov.br; paulopaim@senador.gov.br; simon@senador.gov.br; raimundocolombo@senador.gov.br; renan.calheiros@senador.gov.br; renatoc@senador.gov.br; romero.juca@senador.gov.br; romeu.tuma@senador.gov.br; rosalba.ciarlini@senadora.gov.br; roseana.sarney@senadora.gov.br; sergio.guerra@senador.gov.br; sergio.zambiasi@senador.gov.br; serys@senadora.gov.br; siba@senador.gov.br; tasso.jereissati@senador.gov.br; tiao.viana@senador.gov.br; valdir.raupp@senador.gov.br; valterpereira@senador.gov.br; wellington.salgado@senador.gov.br

  • Escreva sua mensagem e clique em “enviar”.
  • Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

    3 Comentários

    • Gomide disse:

      Caro administrador,

      Enviei mensagem a todos os senadores (mas como tem senador neste país!!!). Foi uma tarefa enjoativa, mas… afinal, é uma das obrigações a ser enfrentada com coragem; tudo em benefício de nossa querida Terra.

    • Meu valoroso soldado e general (general porque traça as estratégias de luta e soldado porque também entra na briga):

      Só você mesmo… Que energia hein Gomide!… Mas de você, eu não poderia esperar outra coisa. Eu mesmo não tive saco de enviar para todos. Enviei para uns 4 ou 5, nem sei, e não tive resposta de nenhum, até agora. Desta vez, nem aquelas respostas automáticas e impessoais.

      O que eu esperava era exatamente isto: que você e outros fizessem o mesmo. Obrigado. Depois, diga-me quantos responderam (resposta padronizada não vale) e quem foram. E você sabe que podemos fazer isto mais de uma vez? A cada 60 dias, por exemplo? Imagine se todos fizessem isto!

      Valeu, graaaande Gomide, valeu.

    • Gomide disse:

      Para conhecimento geral.
      Das mensagens que enviei a todos os senadores há 12 dias, apenas três responderam ao meu protesto. Duas respostas (Osmar Dias e Eduardo Suplicy) foram feitas pelos respectivos chefes de gabinete, mediante um texto formatado (sem alma), dizendo que levariam o assunto ao conhecimento dos respectivos titulares. A terceira (Raimundo Colombo) não foi exatamente uma resposta, mas a citação de um rosário de discursos próprios, transformando-se meu endereço eletrônico como mais um alvo para receber as arengas políticas. Posteriormente, venho recebendo desse ilustre senador diversos informativos de auto-elogios, cuja leitura me têm feito “chorar”.
      É isso aí. Mas, pensando bem, não podemos nos queixar. Afinal, suas excelências não têm tempo para dar atenção a um simples cidadão, pois ficam o dia todo “trabalhando”, com afinco, sem descanso, em benefício da-nação.

    2 Trackbacks / Pingbacks

    Deixe uma resposta