Irresponsabilidade Sócio-Ambiental

06/11/2008
by Antidio Teixeira

Sabe-se tudo sobre o presente porque, sem esforço, vemos, ouvimos e sentimos os acontecimentos; porém, para entendê-los, necessitamos usar o raciocínio para reconstituir mentalmente o passado e acompanhar o desenvolvimento dos fatos que os antecederam. Isso, para a maioria dos indivíduos é mais cansativo do que escalar montanhas. Para estes, é mais cômodo aceitar o que dizem as tradições ou as lideranças do que investigar com fidelidade o passado e trazer à luz da razão o desenvolvimento dos processos sócio-ambientais que nos antecederam. Em face desta ignorância sobre as questões ambientais de , quase que a totalidade da humanidade, diante da má fé dos esclarecidos, o mundo está entrando num processo de transformações vertiginosas e catastróficas em que a existência das formas de vida animada corre risco de extinção prematura. O comportamento consumista ilimitado estimulado pela mídia, é incompatível com as condições ambientais e os recursos naturais e finitos necessários para sustentá-lo. Um crescente déficit ambiental se formou com a liberação de gases carbonados emanados na geração de energia calórica contida nos combustíveis fósseis, para transformá-la em força motriz e elétrica para impulsionar o pseudo desenvolvimento que foi batizado como “revolução industrial”. As pessoas vítimas dos apelos publicitários, ignorando, por omissão dos anunciantes, os danos causados ao meio ambiente para produzir, condicionar, embalar, transportar e conservar os produtos que consomem, ou usam, desnecessariamente, o fazem inocentemente e, com isso, já estão comprometendo, indiretamente, a segurança social em nossos dias e, possivelmente, a existência de nossos filhos e netos amanhã. […]Esclareço: não sou alarmista, mas realista diante de um processo que a razão mostra e interesses financeiros procuram encobrir. Conscientizem-se de que tudo que consumimos ou usamos, alimentos, roupas, calçados, habitações, educação, saúde, transportes, lazer, etc. dependeram da utilização de algumas formas de energia; e, a maior parte delas são geradas a partir de combustíveis fósseis, que já causaram o desequilíbrio climático que já estamos sentindo, ou da desintegração nuclear, cujos resíduos radiativos estão sendo acumulados por não se ter como se livrar deles.
Sugiro aos ambientalistas de todo mundo, dedicados à preservação de áreas definidas ou de espécies em extinção que se unam, enquanto há tempo, em torno da ONU, para levá-la a criar uma taxa progressiva para ser aplicada no restabelecimento do equilíbrio ambiental, sobre a exploração de hulha, petróleo e gás natural, produtos cujos efluentes de combustão não se tem como reciclar economicamente. A taxação se refletirá na elevação de preços ao consumidor de produtos de industrialização automatizada, cujo consumo será inibido, abrindo maiores oportunidades para os manufaturados artesanais com restabelecimento do mercado de trabalho. Os valores oriundos da taxação deverão ser aplicados no reflorestamento destinado ao enxugamento do carbono atmosférico e, portanto, com sepultamento da biomassa produzida.
Aos ambientalistas consumidores, sugiro a eliminação de todos os gastos supérfluos, cabendo a cada um distingui-los dos essenciais.

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

3 Comentários

  • Yan Kavasi disse:

    Olá, Antídio:

    É um prazer vê-lo por aqui de novo, com os seus interessantes artigos. De fato, hoje fala-se muito em “aquecimento global”, “proteção do meio ambiente”, “desenvolvimento sustentável”, etc., puros eufemismos para camuflar a destruição da natureza, e esquecem-se de ver que a causa primeira disto tudo é o consumismo descontrolado.

    O Gomide andou falando por aqui num termo chamado pegada ecológica, que tem muito a ver com isso. Seria bom que as autoridades que discutem esse problema o fizessem levando em conta a pegada ecológica de cada habitante e aprendessem a fazer contas de matemática simples (razões e proporções), para ver como o consumismo não planejado afeta a humanidade.

  • Gomide disse:

    Caro Yan Kavasi,
    A propósito de seu comentário sobre o inspirado artigo do nosso ambientalista Antídio, publiquei hoje algo que diz respeito às suas idéias. Seria interessante você dar olhada no texto “A Agonia da Terra”, transcrição de um artigo publicado num jornal francês. Alí o tradutor registrou “rastro” significando “pegada”, que aliás são sinônimos. Mas a medida de degradação ambiental é mais conhecida por “pegada ecológica”.

  • Yan:
    Satisfação tenho eu ao receber sua mensagem de apoio aos meus pronunciamentos. Realmente, estou cada vez mais tenso vendo conscientemente a realização de pesadelos que me acometer há mais de trinta anos. Leio jornais, assisto telejornais e vejo apenas, blá-blá para boi dormir, enquanto, a cada dia o mundo avança para uma catástrofe sem precedentes: uma guerra total para ajustar a humanidade aos meios de sustentação com a preservação das beneses das classes dominantes. Sob este tema, está no forno um pequeno e objetivo artigo para alertar os leitores ambientalistas para uma realidade que os meios de comunicação não querem que entendam. Abraços,
    Antídio

    GGomide:
    Vamos atrás, com o Ivo no comando. Boa semana,
    O mesmo

Deixe uma resposta