Quem diz isso não são extremistas de direita contrários à Reforma Agrária e sim o próprio Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal (MMA) do Ministro Carlos Minc.

Ao mesmo tempo em que jornais pelo Brasil noticiavam que o ritmo de desmatamento na Amazônia aumentou 133% em agosto, o MMA divulgou a "Lista dos 100 maiores desmatadores da Amazônia" (pdf) na qual o INCRA (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) ocupa as 6 primeiras colocações.
No total, o INCRA desmatou 229.208,649 ha (ou 2.292,086 Km²) de 2006 a 2008, área equivalente a metade do Distrito Federal ou a toda a área urbana de Minas Gerais, tendo sido multado pelo IBAMA em mais de R$ 265 milhões, quantia que, obviamente, nunca será paga e se fosse, sairia do bolso dos brasileiros pagadores de impostos.[…]
No site governamental do MMA, a lista já não ocupava local de destaque no dia de sua divulgação (30/set). Hoje, 1 dia após, já foi devidamente "enterrada" dentro do site.
Em seu blog no site da Revista VEJA, o colunista Reinaldo Azevedo, sob o título "A Grande Mentira" diz que:
"É fato público, notório, que o Incra é um braço do Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Seu presidente, Rolf Hackbart, é um dos comandados de João Pedro Stédile, que indica também os diretores regionais. Assim, sempre que se falar em Incra, é bom ter claro que se está falando de MST."
 
 
Ainda que esse colunista possa ser taxado de desafeto de Lula/PT/esquerda, sua afirmação pode ser comprovada por entrevistas e declarações dadas pelo Sr. Hackbart, facilmente encontradas no Google, como a que atribuiu aos grandes agricultores as mortes no campo:
"O presidente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Rolf Hackbart, atacou setores do agronegócio e conclamou toda as entidades de pequenos agricultores e trabalhadores sem terra do país para se unirem na disputa por mais verbas do Orçamento da União. Ao falar a 9.000 militantes rurais e sociais, disse que sob a "etiqueta de agrobusiness" fazendeiros mataram sem-terra em Minas e balearam outros em Mato Grosso do Sul. "Temos de saber em que ponto vamos nos unir porque o outro lado é muito organizado, sob a etiqueta do agrobusiness."
Fonte: Radiobras
Já há tempos que vemos na TV e Imprensa em geral as ações de invasão e destruição do MST, Via Campesina e outros. Apesar de se auto-intitularem como um movimento camponês que busca a Reforma Agrária, na verdade tais grupos fazem parte apenas de uma arcaica estratégia de militantes de esquerda de desestabilizar estruturas fundiárias através da guerrilha camponesa.
Alçados a movimento popular legítimo e influente no atual governo brasileiro, tais grupos agem recrutando agricultores até mesmo por meio da força. Alguns dissidentes do movimento já foram, inclusive, mortos ("…por latifundiários", é claro). Apesar de beneficiados por polpudas verbas federais, além de máquinas, implementos e assistência técnica gratuitos, assentamentos já estabelecidos são abandonados para que "a marcha continue".
A figura abaixo consta do "Boletim Transparência Florestal no Estado de Mato Grosso nº12" divulgado no site Imazon e mostra as áreas de desmatamento do Estado brasileiro maior vítima do MST no período:

Com a divulgação de tal lista que expõe as verdades sobre o INCRA/MST, o Ministro Carlos Minc se coloca na mesma situação da ex-Ministra Marina Silva ao "peitar" os reais "gafanhotos da Amazônia". Não será surpresa se o Ministro for esvaziado ou mesmo defenestrado do Governo, como foi Marina Silva. Fica evidente, agora, quem foram os verdadeiros responsáveis pela saída da Ministra que tão bem vinha defendendo nossa Amazônia. Não foram os madeireiros, arrozeiros, plantadores de soja´, criadores de gado ou latifundiários em geral, e sim os "pobres e injustiçados trabalhadores sem-terra". (Em tempo: O INCRA, através de seu presidente Rolf Hackbart, contesta todas as multas aplicadas pelo IBAMA).

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

2 Comentários

  • Administrator disse:

    Lembra-se do que lhe respondi quando me perguntou se eu já sabia quem era o maior desmatador da Amazônia, mesmo antes de publicar o seu artigo?

    Quando falei que era o próprio Governo, era por isso. Quem é o INCRA senão um dos próprios braços do Governo na Amazônia? Portanto, a lista que apresenta o INCRA como o maior desmatador, ocupando as 6 primeiras posições, não revelou nenhuma surpresa.

    Agora as críticas: É de se admirar que o Ministério do Meio Ambiente – eu disse M-i-n-i-s-t-é-r-i-o – , um órgão com todos os aparatos jurícos, burocráticos e tecnológicos, só possua uma listazinha sem-vergonha, montada às pressas em planilha Excel, para divulgar os nomes dos maiores desmatadores, sem melhores detalhamentos sobre as áreas desmatadas e as circunstâncias que levaram a isso. Ademais, está claro que a lista é só um aperitivozinho para a opinião pública, para mostrar “alguma coisa” e fazer parecer que se tem algum controle. NÃO EXISTE CONTROLE. Divulgou-se apenas o que já se sabia e não se podia esconder, porque qualquer um poderia desmentir – a lista das autuações.

    Só que existem inúmeros desmatadores, protegidos políticos, que sequer foram autuados e, portanto, não constam da lista. Mas continuam lá, desmatando, invadindo terras, expulsando famílias e até matando pessoas. Por que não exibem esses nomes? E por que não divulgam a relação das terras griladas e seus respectivos ocupantes? Ah, não, isso não pode. Iria aparecer o nome de muita gente importante, inclusive políticos.

    Quando alguém for a fundo na questão da grilagem de terras no Norte e na questão dos financiamentos por banco públicos para “projetos de desenvolvimento na Amazônia”, irá se descobrir muita coisa. É só ver quem são os maiores tomadores de empréstimos para desenvolvimentos de projetos nos Bancos da Amazônia, Brasil e BNDEs. Por que não se publica essa relação e fotografias das áreas objetos dos financiamentos? Note bem: essa questão já não é só na Amazônia, mas também no Nordeste. Norte e Nordeste são as regiões mais abandonadas do país e onde ainda existem grandes áreas de terras a serem exploradas. Ora, se os olhos do poder fiscalizador estão voltados para as regiões Sul e Sudeste, vamos para o Norte-Nordeste. Lá, tudo corre frouxo e não chama tanto a atenção. 

    Essa seria a relação que todos gostaríamos de ver publicada. Você acha que eles vão permitir isso? Nuuuuunca! E sabe por quê? É uma máfia e há muitos políticos envolvidos. Eles são os maiores proprietários das grandes áreas de terras no Norte-Nordeste e ainda por cima, beneficiadas com financiamentos dos bancos oficiais brasileiros. Até projeto para a “criação de rãs”, em nome da mulher de um importante senador (foi cassado mas retornou) foram favorecidos, com longos anos de carência, para uma coisa que só existia no papel. De verdadeiro, só as terras, as placas e o dinheiro público que nunca será pago, é claro.

    Só para concluir: Há 3 anos, estive com dois amigos em Palmas (TO), tentando abrir uma empresa de consultoria de projetos. O objetivo era assessorar interessados em obter financiamentos dos bancos públicos para o desenvolvimento de projetos rurais na Região Norte. Nossa missão seria elaborar o projeto de viabilidade técnica e possuíamos as credenciais necessárias. Contactamos diversos órgão públicos, o Banco do Brasil e o Banco da Amazônia e todas as informações vitais nos foram negadas (não tínhamos o “QI” e nem pertencíamos à máfia). Até no site, que deveria ser público, colocaram senha, para que não se tivesse acesso ás informações imprescindíveis para a criação de uma empresa de consultoria de projetos. Depois, descobrimos as razões e para não compactuar com isso, desistimos da idéia. Mas a coisa continua, até hoje. É uma farra, para um seleto e desonesto time. Bem, já falei demais. Vou parar por aqui, senão posso me complicar e sou muito fraquinho para lutar contra o poderio deles.

    isso é Brasil.

  • Vânia Maria disse:

    Meu Deus!Que horror!Parece que estamos todos anestesiados. Simplesmente nos destroem.
    Essa gente ambiciosa ignora que a natureza existe porque é necessária, é nossa fonte de vida.
    Os poetas antigos cantavam muito a beleza das paisagens brasileiras. Por exemplo,”A Pátria”, de Olavo Bilac diz assim:…”Criança, não verás país nenhum como este!Olha que céu, que mar, que rios, que florestas! A natureza aqui perpetuamente em festa,é um seio de mãe a transbordar carinho” …
    E por aí vai, descrevendo toda a nossa riqueza natural. Mas, infelizmente a educação se deteriorou de tal forma que ficamos pobres, muito pobres mesmo. Somente uma educação voltada para o ser humano, valorizando um caráter bem formado, além de sólidos conhecimentos básicos e consciência de sua responsabilidade como habitante deste planeta, somente isto poderá salvar nosso país, nossa gente, nosso planeta. Vejam o que estão fazendo hoje com as escolas, com os professores, com os alunos. Fico tão decepcionada porque os governos não sabem sequer o significado do que seja alfabetizar. Gritam nos palanques políticos que vão trabalhar pela, saúde, educação, etc.
    Mas se você perguntar a eles o que entendem por educação, eles não saberão responder. Ignoram completamente. Assim que são eleitos, tornam-se nossos inimigos, inimigos do povo. A ambição está destruindo as pessoas. Agora compreendo o que significa a “burrice” que foi tão amplamente definida e comentada neste blog.

Deixe uma resposta