Este artigo está publicado no Projeto S.I.L.I. e reproduz entrevista escondida no jornal O Dia (RJ). É uma contribuição para o colega Ivo e demais que ainda acham que a criação de reservas indígenas gigantescas ajuda a preservar a Amazônia. Demonstra também como o petróleo ainda é e será por um bom tempo o principal "objeto de desejo" de presidentes americanos inescrupulosos e presidentes brasileiros corruptos. ================================================

Mercenários da Blackwater Já Operam No Brasil

O General-de-Brigada Durval Antunes de Andrade Nery, Coordenador de Estudos e Pesquisas do Cebres (Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos), denuncia em entrevista publicada no O Dia, que a recriação da IV Frota da Marinha dos EUA tem como objetivo uma futura intervenção militar nas jazidas de petróleo de pré-sal, recém descobertas pela Petrobrás no litoral brasileiro.    Além disso, o General relata a existência de mercenários da Blackwater em plataformas de petróleo administradas pela Halliburton e pertencentes à família Bush situadas na plataforma continental brasileira, devidamente licitadas pela ANP. A relação entre a Halliburton e a Blackwater é bem conhecida no mundo e seu histórico de ilegalidades e arbitrariedades está bem documentado no Google:

[…]Dick Cheney, atual Vice-Presidente dos EUA, era o Presidente da Halliburton antes de assumir a vice-presidência. A Halliburton possui escritórios no Rio de Janeiro e Macaé (RJ) e em Salvador (BA). Segundo o relato de um Coronel de Exército Comandante de Batalhão na Amazônia, mercenários também já ocupam reservas indígenas contando com bases fluviais bem equipadas e fortemente armados, onde militares brasileiros so podem entrar com autorização judicial. Conforme já prevíamos no artigo anterior sobre a Blackwater, o futuro já chegou: mercenários já ocupam bases na Amazônia brasileira!! Transcrevemos, a seguir, a matéria publicada no O Dia (bem escondida, por sinal). Este blog tentará contato com o General Durval para tentar colher maiores detalhes e informações sobre a denúncia. 16/08/2008 20:24:00 Essa IV frota é amiga? Coordenador do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos, general vê com preocupação a reativação da esquadra dos EUA encarregada de proteger o comércio nos mares do sul e critica a presença de “mercenários” em plataformas do nosso litoral Rio – Para a maioria dos militares brasileiros, não há como desassociar a recriação da IV Frota dos Estados Unidos da descoberta de imensa jazida de petróleo no nosso litoral. Entre esses militares, está o general de brigada da reserva Durval Antunes de Andrade Nery, coordenador de estudos e pesquisas do Cebres (Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos), que reúne entre seus pesquisadores diplomados pela Escola Superior de Guerra. Abaixo os principais trechos da conversa dele com O DIA. IV Quarta Frota “A decisão dos Estados Unidos de recriar a IV Frota foi apresentada como destinada a proteger o livre fluxo do comércio nos mares da região. Ora, se alguém tem condições de proteger, tem condições de impedir esse fluxo comercial. Pergunto: Por que proteger o comércio de uma área que não vive situação de guerra? E isso quando o Brasil dá notícia da extensão das jazidas do pré-sal como uma das maiores de todo o mundo”. Grupo Halliburton dos EUA “Esta empresa está envolvida com o apoio logístico em todo o mundo no que diz respeito ao petróleo, principalmente no Iraque. A Halliburton é uma empresa que hoje, no Brasil, mantém um de seus (ex-) diretores como diretor da ANP (Nelson Narciso Filho, indicado pelo presidente Lula e aprovado em sabatina no Senado). Esse homem tem acesso a dados secretos das jazidas de petróleo no Brasil”. Bush e o pré-sal “Logo depois que o mundo tomou conhecimento da existência das reservas do pré-sal, o presidente (George W.) Bush disse na imprensa: ‘Não reconheço a soberania brasileira sobre as 200 milhas’. O pré-sal ultrapassa as 200 milhas. Tudo que existe ali para exploração econômica é do País, isso segundo a ONU. Por que o presidente norte-americano recria a IV Frota logo após não reconhecer nossa soberania?” O comando da IV Frota “Poderíamos imaginar que a IV Frota vai ter missão humanitária, mesmo custando uma fortuna manter porta-aviões nucleares com 50, 60 e 100 aviões navegando permanentemente nos mares do sul. Mas, por que nomear para o comando o contra-almirante Joseph Kernan, especializado em táticas de guerra submersa e no treinamento de homens-rãs? Um homem que com seus sabotadores deu um banho nas guerras do Afeganistão e do Iraque está à frente da IV Frota para proteger?” Blackwater no Brasil “(Após a eleição de Bush), a Hallibourton, contratada pelo governo dos EUA para planejar a redução das despesas do país com as Forças Armadas, criou uma empresa chamada Blackwater — firma de mercenários, com contrato de seis bilhões de dólares e que, só no Iraque, tem 128 mil homens. Eles fazem segurança e matam. Pergunto: Quem está fazendo a segurança das 15 plataformas que a família Bush tem no Brasil, todas vendidas (em licitação) pela ANP? Ainda faço um desafio: vamos pegar um barco e tentar subir numa plataforma. Garanto que vamos encontrar os homens da Hallibourton armados até os dentes e que não vão deixar a gente subir”. Estranho na selva “Coronel que até o ano passado comandava batalhão na região da (reserva indígena) Yanomami contou que estava fazendo patrulha em um barco inflável com quatro homens em um igarapé quando avistou um sujeito armado com fuzil. Um tenente disse: ‘Tem mais um cara ali’. Eram cinco homens armados. O tenente advertiu: ‘Coronel, é uma emboscada. Vamos retrair.’ Retraíram. Perguntei: ‘O que você fez?’ Ele disse: ‘General, tive que ir ao distrito, pedir à juíza autorização para ir lá.’ Falei: ‘Meu caro, você, comandante de um batalhão no meio da Amazônia, perto da fronteira, responsável por nossa segurança, só pode entrar na área se a juíza autorizar? Ele respondeu: ‘É. Foi isso que o governo passado (Fernando Henrique) deixou para nós. Não podemos fazer nada em área indígena sem autorização da Justiça”. 15 homens e 10 lanchas “O coronel contou que pegou a autorização e voltou. Levou três horas para chegar ao igarapé, onde não tinha mais ninguém. Continuou em direção à fronteira. De repente, encontrou ancoradouro, com um cara loiro, de olhos azuis, fuzil nas costas, o esperando. Olhou para o lado: 10 lanchas e quatro aviões-anfíbio, no meio na selva. ‘Na sua área?’, perguntei. ‘É’, respondeu. Ele contou que abordou o homem: ‘Quem é você?”. Como resposta ouviu: ‘Sou oficial forças especiais dos Estados Unidos da América do Norte’. O coronel insistiu: ‘Que faz aqui’. E o cara disse que fazia segurança para uma pousada. Ele perguntou qual pousada? Ouviu: ‘Pertencente a um cidadão americano’. Quinze homens estavam lá, armados. Hallibourton? Blackwater?” Crise do Petróleo “Temos (no pré-sal), talvez, a maior jazida de petróleo do mundo. Será que países desenvolvidos vão se aquietar sabendo que o futuro deles depende do petróleo? Os Estados Unidos tem petróleo só para os próximos cinco anos. Tanto é que o país não consome o dele, porque suas reservas são baixas. Passa a pegar o que existe no mundo. Foi assim no Irã, em 1953, quando derrubaram o (primeiro-ministro Mohamed) Mossadegh. Os aiatolás pegaram de volta e agora querem outra vez atacar o Irã. No Afeganistão, deu no que deu. No Iraque, tomaram o petróleo de lá. Agora vem o petróleo do Mar Cáspio e a Georgia (em guerra com a Rússia por território onde passam gasodutos). E no Brasil, como será? Essa (IV) Frota é só amiga? Está aqui só para proteger?”.

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

23 Comentários

  • Caro Mr. Spock:

    Seu artigo, como sempre, muito inteligente, merece as mais profundas reflexões.

    Já tinha lido algo sobre o que você publicou e fiquei estarrecido ante a ingenuidade(???) do Governo Brasileiro. A bem da verdade, não sei é ingenuidade mesmo ou outra coisa. É mais provável que seja “outra coisa” e, se for, é muito mais preocupante do que uma simples ingenuidade política. As intenções americanas são mais do que óbvias. Será que o Governo Brasileiro acredita nos “bons propósitos americanos”?

    Quanto às suas alegações de que acho que somente com a criação de grandes áreas de preservação se resolve o problema da Amazônia, está equivocado. Acho, sim, que novas áreas têm de ser criadas, mas isso, sozinho não é nem jamais será a solução. Não tenho dúvidas de que a questão amazônica é de natureza MILITAR, POLÍTICA e ESTRATÉGICA, principalmente nos dias atuais.

    Por mérito total da Petrobras, foram descobertas na camada chamada de “pré-sal”, grandes reservas de petróleo. Ora, ninguérm tem dúvida de que as reservas mundiais de petróleo, um recurso natural não renovável, estão se esgotando e que, no futuro, os países que detiverem o controle das últimas reservas serão os mais poderosos. O Brasil tem possibilidade de ser um desses candidatos. não só com o petróleo, mas também com o etanol de cana-de-açúcar. Os Estados Unidos vão permitir que isso aconteça, “pacificamente” e sem que eles ternham uma beirinha? Não! Eles são imperialistas po natureza, desde que o seu país foi constituído, e continuam a sê-lo. Onde estiver a riqueza, eles irão atrás. E se não lhes derem participação, eles tomam à força.

    Isso é o que penso e isso é o que o nosso governo deveria também pensar e enxergar. Volto mais tarde, para continuar comentando.

  • Antidio Teixeira disse:

    Caro Mr.Spock:
    Excelente ver o seu retorno ao DDD após longa e sentida ausência. A excelente entrevista que você nos trás é de assunto com que estou familiarizado porque há muitos anos analiso projeções do papel energético de nosso país no cenário mundial futuro; e considero preocupante os movimentos silenciosos da serpente nos preparativos para o bote final sobre nossa soberania territorial, caso não haja imediata mobilização nacional para organização da defesa. A coisa poderá ser mais rápida do que imaginamos porque os países que enriqueceram e tornaram-se potências econômicas e militares queimando combustíveis fósseis, situam-se acima do Trópico de Câncer, regiões em que a camada protetora de ozônio já está bastante degradada causando sensíveis alterações climáticas determinantes de grandes prejuízos econômicos na produtividade agrícola e danos causados por calor excessivo sobre regiões superpovoadas, secas, incêndios incontroláveis alternando-se com enchentes torrenciais, tornados, furacões, etc. – A tendência será a emigração maciça de povos do hemisfério norte para as regiões tropicais. No início deste ano, segundo a Revista Veja, 100 famílias de agricultores da região central dos USA adquiriram terras no Piauí para transferirem sua atividades para lá. E, parece que adivinharam. Viram os prejuízos causados por enchentes até dois meses atrás, nas regiões produtoras de milho lá deles? portanto, a questão Amazônica é mais preocupante do que as jazidas de petróleo recén descobertas no pré-sal. Isso porque, até que este petróleo chegue à tona ele já estará desvalorizado pelo alto custo de extração e já estará a caminho do desuso assim como outros combustíveis fósseis. Portanto, nosso país possuidor da maior área de captação de energia luminosa sobre terras agricultáveis estendidas de leste/oeste na região trópico/equatorial, produzindo o ano inteiro será do maior interesses das potências militares. Precisamos protegê-las para proteger-nos e para que as gerações futuras não sejam escravizadas por colonizadores.
    Cordial abraço,
    Antídio

  • Lourenço Pezzuti disse:

    Eu como analisador dos acontencimentos do mundo escrevo:

    Eu estive lendo e não é nada errado pensar assim isso porque ,a historia da humanidade sempre foi
    assim, os maior sempre engole o menor e por isso devemos ter cautela e força pra que isso não aconteça . Vocês podem até achar engraçado ou ingênuo ou até mesmo louco .
    Quem poderia orientar como resolver esse problema sem gozação e falando muito sério :
    Inri Cristo sem repetir suas palavras …tenho a certeza que ele tem a chave .
    E se formos inteligentes podemos analisar que ele é mesmo a verdade , sem fanatismo e sim realidade.

    Lourenço Pezzuti

  • renato disse:

    triste saber que tudo isso acontece enquanto nada é veiculado pelos meios mais difundidos de informação…
    espero que o próximo presidente dos EUA não continue com seu legado de sangue.

  • renato disse:

    triste saber que tudo isso acontece enquanto nada é veiculado pelos meios mais difundidos de informação…
    espero que o próximo presidente dos EUA não continue com seu legado de sangue.

  • Antidio Teixeira disse:

    Caríssimo Ivo:
    Tive o prazer de dar boas-vindas a Mr. Spock e comentar este artigo desde o dia da publicação. No entanto minha mensagem não foi publicada. Também comuniquei-lhe por e-mail dois dias após e, acredito que você não tenha recebido a notificação. Peço-lhe que faça uma revisão no mecanismo do blog.
    Receba o abraço fraterno de
    Antídio

  • Administrator disse:

    Resposta para Antídio:

    Tenha paciência, Antídio, seu comentário já está no ar. Os problemas da demora se dão, como expliquei, devido a uma das seguintes causas: 1) manutenção no blog: 2) retenção automática (acidental ou não) pelo filtro de spam.

    Em ambos os casos, para contornar esses problemas – e isso acontece em qualquer blog – eu teria de ficar alerta 24 h por dia, o que é impossível.

    Desta vez, o problema deveu-se a uma longa manutenção que estou dando no blog, tentando mantêlo coordenado com o nosso portal, recém-criado (veja notícia e matéria a ser publicada aqui). Com isso, o servidor fica ocupado, fazendo constantes atualizações no banco de dados e as matérias ficam retidas em um arquivo temporário para só depois serem liberadas. O certo seria eu colocar um aviso “BLOG EM MANUTENÇÃO”, para você ficarem sabendo e não se preocuparem. Mas como essas coisas só acontecem em longos períodos de manutenção que excedem a capacidade do meu BD, deixei para lá. Desculpem!

    O fato é que, a menos que alguém me avise ou que eu visite a cada minuto o meu “dashboard”, nem eu mesmo sei quando a retenção acontece. Não posso corrigir isso, mas apenas amenizar colocando um aviso, pois é inerente a plataforma WordPress, na parte que tem o código protegido. Mas fique tranqüilo. Isso só vai acontecer esporadicamente e jamais qualquer comentário ficará retido por mais de 24 horas, porque reviso meus blogs todos os dias.

    Dito isto, obrigado pelo comentário à presente matéria. Concordo com tudo o que vc disse e faço minhas também as suas palavras. A matéria do Spock é realmente interessante e merece muita discussão. Espero que apareçam outras pessoas para debater.

  • Maguilla disse:

    Será que o nosso serviço de “inteligência militar” funciona? Por que essas notícias não são divulgadas ou, se são, apenas aparecem timidamente, sem o alcance necessário para toda a população brasileira? E as outras nações do mundo sabem disso?

    Os americanos, que se dizem “nossos parceiros”, não são confiáveis. E assim que possuirmos algo que realmente lhes interessem, se não lhes dermos participação, eles invadem e tomam à força. É assim que eles funcionam, principalmente contra países de baixo poderio militar de defesa, como é o caso do Brasil. Eles só respeirtam um pouquinho mais as grandes potências, assim mesmo, não as de natureza apenas econômica, mas aquelas que são fortes militarmente. E esse, infelizmente, não é o caso do Brasil. Logo, …

  • Mr. Spock disse:

    Caro Ivo,
    Pelo que voce mesmo escreve demonstra que eu não estou tão equivocado assim. Na verdade, a criação dessas “reservas indígenas” só atendeu aos interesses estrangeiros na Amazônia brasileira. As reservas não são parte da solução, são uma grande parte do problema!!
    Segundo nossa Constituição, os indígenas são cidadãos brasileiros, por que então são merecedores de “países” inteiros se o mesmo direito não é dado aos demais cidadãos??
    Exemplificando com a atual famosa reserva de Raposa Serra do Sol, são 1 milhão e 700 mil hectares para pouco mais de 18.000 índios, ou seja, um Kuwait na nossa fronteira norte. E como já disse aqui, já se foi o tempo em que “índio quer apito…”. Hoje em dia, índio quer dólar, Nike e Rolex! Esses 18.000 criam mais de 30.000 cabeças de gado em área de pasto outrora ocupada pela floresta, gado esse fornecido pelo governo estadual e federal. Esses 18.000 também contam com 200 escolas indígenas, metade de toda a rede escolar de Roraima.
    Acho que também vou colocar uma penas na cabeça e virar índio…

    Caro Antídio,
    Grato pela re-recepção.
    Não se engane, porém, quanto a utilidade do petróleo dentro das próximas décadas. Mesmo que seu uso como combustível esteja com os dias (ou décadas) contados, seu uso como matéria prima ainda perdurará por muito tempo. Como também já disse aqui, os próprios grandes consumidores de combustíveis já se deram conta que queimar petróleo é um desperdício caro que não compensa a exploração, mesmo com o barril aos cerca de US$ 120,00 atuais, Porém, seu uso na petroquímica, além de gerar muito maior valor agregado, ainda será insubstituível por, talvez, séculos. Que outra matéria prima substituiria todos os plásticos atualmente existentes?

    Aos demais colegas,
    Não é de se estranhar a ausência de tais notícias na grande mídia. Há alguns anos que a nossa imprensa deixou de ser corajosa e passou apenas a se preocupar com o que é vendável.
    Como disse no artigo, tentei contato com o General Andrade Nery via ESG e não obtive resposta ao email enviado o que me obrigou a intensa pesquisa na web sobre todos os detalhes da entrevista do General. Obviamente, não encontrei grande coisa nos jornais e revistas brasileiras, mas algumas conclusões pude tirar:
    1) As Forças Armadas Brasileiras estão sofrendo do mesmos males da nossa sociedade (como não podia deixar de ser): sectarismos, desinteresse, desmotivação, egoísmo e falta de patriotismo. Os poucos Oficiais Generais que se manifestam o fazem em círculos fechados e não parecem dispostos a colocar em risco suas carreiras seja pela Amazônia ou pelo futuro do país;
    2) A estória contada pelo General Nery sobre um Coronel comandante de batalhão na Amazônia é pouco verossímel. Dificilmente um oficial comandante iria liderar uma patrulha fluvial em botes infláveis, selva adentro. Porém, se realmente o fez, a narrativa demonstra a total falta de interesse de defesa territorial brasileira por parte do referido Coronel. Nenhum militar que seja cônscio de suas responsabilidades de defensor da pátria iria retroceder para conseguir um mandado judicial ao ver seu território invadido por tropas armadas estrangeiras;
    3) As referidas “plataformas da família Bush” não foram encontradas na web. Mesmo na ANP, as empresas vencedoras de licitações de áreas de exploração não demonstram ter ligação direta com o Presidente dos EUA, apesar de algumas terem ligações estreitas com a Halliburton;
    4) A nomeação do Diretor da ANP Nelson Narciso Filho realmente se deu logo após sua “saída” da direção da subsidiária da Halliburton em Angola. Atualmente, o Sr, Narciso é o 2º homem na hierarquia da ANP e responsável direto pelo banco de dados que contem tudo sobre prospecção, estudos geológicos, capacidade de produção, enfim TUDO sobre o petróleo brasileiro. Lembram-se do laptop da Petrobrás contendo dados sobre o pré-sal que foi “extraviado”? Pois bem, quem fazia o transporte do laptop era a Halliburton…assim como foi a Halliburton que forneceu o software e atualmente gerencia o tal banco de dados.

    Bem colegas, esses e outros fatos estarão contidos em uma série de artigos que pretendo publicar no Projeto S.I.L.I. tão logo consiga consolidar os dados e informações esparsos e espalhados na web, a quase totalidade de sites internacionais, pois como se sabe, achar qualquer estatística, dado ou informação em sites brasileiros é tarefa inglória.

  • Antidio Teixeira disse:

    Caríssimo Mr. Spock:

    É um prazer a oportunidade de dialogar com você neste blog sob os auspícios do amigo Ivo e assistido pelo Mestre Gomide. Com referência a minha declaração sobre a tendência de desvalorização do petróleo não a cito como fato isolado e restrito à sua aplicação como combustível automotivo, conforme me parece ter ficado entendido; mas pela eclosão de crise econômica mundial motivada pelas agressões das radiações luminosas do Sol sobre o meio ambiente dos países mais ricos e maiores produtores. É bom lembrar que algumas cidades européias, neste verão no hemisfério norte, estão, ou tiveram, que recorrer a navios petroleiros para fazer o abastecimento de água. Tudo funciona como reação em cadeia: o potencial consumidor do mundo é de seis bilhões de almas; os agricultores e os industriais em todos os países anseiam ganhar dinheiro para satisfazê-las eqüitativamente; assim, teremos que produzir mais bens. Para tanto, teremos que produzir mais energia cujas maiores fontes são poluidoras assim como os resíduos do pósconsumo. Portanto, quanto maior for a carga poluente, principalmente na atmosfera, mais próximo estaremos da explosão da bolha econômica e o petróleo do pré-sal tornar-se-á inviável. Procuremos proteger a Amazônia que será mais importante. Forte abraço e bom domingo.
    Cordialmente,
    Antídio

  • Considerações sobre os comentários já publicados até aqui:

    Sobre os de Mr. Spock (reservas indígenas e uso do petróleo) e o do Antídio (preservação da Amazônia e uso do petróleo):

    Além do cerne da matéria em si, há que se considerar a interpretação do Mr. Spock sobre as “reservas indígenas“. Parece-me que nem eu nem nenhum dos meus companheiros aqui do blog afirmou que a criação de reservas indígeneas seria uma das soluções dos problemas ambientais da Amazônia. Creio que está havendo uma certa confusão neste aspecto. Uma coisa é a criação de “zonas de demarcação de reservas indígenas” (contínuas ou em ilhas); outra é a criação de zonas de preservação ambiental (ZPA) ou reservas ecológicas. E é nesta última que insisto e entendo que o Governo também deveria insistir.

    Demarcar terras indígenas é apenas uma questão de justiça social, mas deve ser feita com critério, sem descambar para os exageros, como você tão bem salientou. Do jeito que está indo, todo mundo vai lamentar não ter nascido índio. As áreas demarcadas devem ser proporcionais à população indígena que nela habita, do contrário, cometem-se injustiças e dão margem à corrupção. Ademais, – e isto já ficou comprovado – todos sabemos que os índios se deixam corromper e comprar, cedendo suas terras protegidas para os bandidos ambientais que, assim, agem impunemente e às vezes, até sob o amparo das leis falhas. Portanto, demarcação de terras indígenas contínuas em grandes áreas, antes de ser solução é um problema disfarçado de solução. Acho que a demarcação em ilhas, com áreas proporcionais à população indígena, na quantidade certa para a sua sobrevivência seria a solução correta.

    Quanto à criação de áreas de preservação ambiental, estas sim, insisto, se fazem necessárias. Nelas, não se pode desmatar, destruir ou introduzir novas culturas que não as nativas da região e, assim mesmo, tudo sob o controle governamental. As únicas nesgas de mata atlântica que ainda restam são exatamente as que se encontram enquadradas como áreas de preservação ambiental. Não fosse isso, já não se teria nada.

    Recomendo que os colegas leiam, aqui mesmo neste blog, o artigo “Peru Dá um Bom Exemplo, Preservando 1,5 milhão de ha da Floresta Amazônica“, um artigo que ilustra como o Peru, através do SINANPE (Sistema de Áreas Protegidas do Peru), defendeu a sua parte da Amazônia, com a instituição de áreas de proteção ambiental, na “Zona Reservada Sierra del Divisor”. Esta é uma das soluções, simples, que poderiam ser adotadas pelo Brasil, para começar. O resto, seria feito com o uso da nossa “inteligência militar” (como diz o Maguilla, será que temos uma?), com a nossa diplomacia e a criação de políticas públicas que prevejam, inclusive, o uso da força militar para a região, como fizeram na operação Arco de Fogo.

    Quanto ao petróleo (esta resposta vale para o Mr. Spock e o Antídio), vocês estão com visões opostas e a minha tende um pouco mais para a do lado do Antídio. Há muito venho pesquisando este problema e estou até devendo um artigo sobre isso, que pretendo publicar logo,logo. O petróleo ainda domina a matriz mundial de energia e os combustíveis fósseis respondem por mais de 80% dessa matriz. mas ninguém tem dúvida de que, sendo o petróleo um recurso natural não renovável, já está em fase de exaustão e o custo de prospecção tornando o seu uso cada vez mais inviável. Devemos nos preparar para “Um Mundo sem Petróleo” (este será o tema do artigo que pretendo publicar).

    Pois bem: Enquanto esse dia não chega (está perto, muito perto), o que acontece nesse meio tempo? Os países terão de mudar a sua matriz energética e isso não é fácil – muitos nem conseguirão. Enquanto não mudam, travam uma guerra econômica pelo petróleo e nela fortalecem-se os países detentores das maiores reservas e da tecnologia da prospecção e exploração, segmento onde o Brasil poderá estar inserido.

    Chegado a esse ponto, ressumbra a importância do excelente artigo de alerta do Mr. Spock, que mostra uma movimentação americana em torno das reservas brasileiras, especialmente as novas reservas do pré-sal. O artigo nos diz: “É hora de abrir os olhos”. E é mesmo.

    Isto, todos os que leram a matéria (Renato, Maguilla, Lourenço e Antídio) enxergaram e demonstraram a sua indignação e preocupação. Mas, o que queremos – e precisamos alardear isso – É QUE O GOVERNO ENXERGUE, da mesma maneira como nós, simples mortais e não técnicos, pudemos ver.

    Parabéns! Parabéns mesmo, Spock, por levantar essa questão. Vamos falar, discutir, alertar e alardear, por onde pudermos. Se possível, convide outras pessoas para esse debate.

  • VILAS BOAS disse:

    Achei muito interesseante saber de tais informações , que a maioria dos paises desenvolvidos ficam de certa forma com “Olho Gordo” sobre as nossas riquesas. Tudo que sabia em relação a Amazônia é aquela história de que a floresta é o Pulmão do Mundo, Por que não é passado para o povo brasileiro o que realmente a Amazônia representa para nós e para os grandes paises imperialistas? Não está na hora dos brasileiros serem mais informados em relação a todos estes fatos e acontecimentos? E por que as Forçãs Armadas Brasileiras ainda não se manifestaram diante de tais acontecimentos que envolvem a nossa soberania?

  • Antidio Teixeira disse:

    Caríssimo Vilas Boas:
    Que bom que você tomou posse da sua tribuna.
    Comentando sua interveção:
    1º) – A estória da Amazônia ser pulmão do mundo, equivale ao engodo de que o Iraque teria armas de destruíção em massa e, até hoje, os americanos estão lá controlando as reservas petrolíferas.
    2º) -Os países que dominam economicamente o mundo enriqueceram se utilizando das riquezas naturais dos países do chamado terceiro mundo, que permaneceram pobres; e é a Amazônia que, além da imensa floresta pouco explorada, guarda imensas jazidas minerais no subsolo. Ela é, então, a última fronteira natural do mundo a ser explorada; e
    3º) – Justiça seja feita: as Forças Armadas sempre cumpriram seu papel de guardiã lutando contra “forças ocultas” internas e externas, em defesa da soberania nacional sobre a região. Há pouco mais de um mês o General comandante da Região veio a público manifestar-se sobre o perigo para soberania territorial com a criação de reservas indigênas em regiões de fronteiras.
    Forte abraço e esteja sempre conosco.
    Antídio
    Em tempo:
    veja, neste blog, o artigo: “Chegou a Humanidade ao Fim?”: nele, abra o site indicado e escute o depoimento de americanos, já traduzido para o português, sobre as conseqüências do consumismo no mundo. É, simplesmente estarrecedor.

  • Como o assunto colocado pelo Spock é de suma importância, mas tem também um caráter especulativo (analisa possibilidades que eu até acho completamente plausíveis, mas muitos não), resolvi colocar uma pergunta semelhante em teste, no meu grupo de discussões do Yahoo!. Coloquei-a com um título bem simplório, para aumentar o alcance do público alvo que, por lá, não gosta de discutir coisas muita complicadas. A pergunta foi “Petróleo brasileiro das jazidas do pré-sal é alvo da cobiça americana. Vocês acham que eles podem nos invadir?

    Abaixo da pergunta, fiz um breve resumo, em linguagem simples, da matéria do Mr. Spock, para que eles pudessem avaliar e responder. Para minha surpresa, sabe qual foi a reação geral? Dentre as 15 respostas, apenas 3 usuários admitiram a possibilidade. Os outros 12 acusaram-me de paranóico, alarmista e comunista, alegando que eu estava “viajando”.

    Pois bem, para aqueles que não acreditam na iminência do perigo, resolvi pesquisar mais e encontrei no site do “Midia Independente”, de onde sou colaborador, a seguinte matéria que reproduzo abaixo e que corrobora tudo o que Mr. Spock disse. Leiam e reflitam:

    ———————————————————————————-

    A sombra dos EUA paira sobre a soberania do Brasil
    Por Eduardo Patriota Gusmão Soares 16/08/2008 às 15:18

    Com uma crise batendo à porta, os EUA se voltam para as riquezas da América do Sul. A reativação da IV Frota Naval é tudo, menos sinal de que eles querem nos proteger. A ameaça a soberania já valeu até conversas entre os altos comandantes do exército e o Presidente da República

    Numa palestra, o geofísico João Victor Campos disse que nos Campos de Carioca, Tupi e Júpiter são estimadas reservas de cerca de 90 bilhões de barris de petróleo, em uma área de extensão de 800 km que vai de Santa Catarina ao Espírito Santo e de 200 km de território marítimo do País. Com o preço do petróleo em cerca de US$ 100 o barril, esta riqueza pode chegar a US$ 10 trilhões, o que daria para levar o Brasil a um grau de desenvolvimento muito melhor se for explorada a contento pelos nossos administradores públicos.

    Como se nota, o Brasil começa a despontar como uma grande fonte de energia para alimentar o mundo. Energia é algo fundamental. Os recentes conflitos entre Rússia e Geórgia, são mais por causa do controle energético da região, do que outra coisa. A própria guerra do Iraque, bem se sabe, foi uma busca insandecida por petróleo, a principal matriz energética mundial. Como quem está no topo, de lá não quer descer, os EUA já vislumbram um jeito de pôr as mãos na “energia” que emana das camadas pré-sal brasileiras.

    O atual vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, um dia já presidiu uma empresa norte-americana de exploração petrolífera, a Halliburton. Esta mesma empresa está administrando o Banco de Dados de Exploração e Produção (BDEP), da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), sem ter passado por processo licitatório. Curiosamente, lembram-se do notebook “roubado” com informações sigilosas da Petrobrás? Advinhem no contêiner de qual empresa o notebook estava? E como bem notou o geofísico, “(…) a ANP não tem poder regulador da legislação nacional, mas serve para impor interesses estrangeiros nos assuntos relativos ao petróleo ferindo a soberania brasileira.”

    Ainda mais estranho, é o fato dos EUA terem recentemente ativado a IV Frota Naval, que patrula as águas do Sul. Criadas em 1943 e desativadas em 1950, a frota tem 22 navios: quatro cruzadores com mísseis; quatro destróieres com mísseis; 13 fragatas com mísseis; e um navio-hospital. Segundos os EUA, o navio ficará em missão de paz para patrulhar e garantir o comércio mundial, já que 90% dele é feito através de navios. Oras, mas quem tem o poder de garantir a segurança, também tem o poder de barrar a passagem. E, como se sabe, os EUA são peritos em arrumar desculpas para guerras, conflitos, intervenções armadas, etc. Com uma crise energética, alimentar e financeira se agigantando sobre os EUA, vemos pairar sobre o fraco cone sul a sombra da maior potência militar de toda a história da humanidade.

    Tristemente, nossos comandantes da Marinha foram falar com o presidente Lula que eles “não possuem condições de cumprir os deveres constitucionais”. Em bom português: aqueles navios não estão ali passeando e, no caso de um ataque, não temos como nos defender. Afinal, eles gastam quase US$ 600 BILHÕES por ano com suas forças militares. O Exército brasileiro deve receber dotação orçamentária de R$ 2,628 bilhões em 2008, dos quais R$ 2,069 bilhões para gastos com custeio e R$ 559 milhões para investimento. Só podemos torcer para que a crise nos EUA tenha fim. Senão, seremos tragados para alimentar a insaciável máquina do Tio Sam.

    Texto original e fontes: http://www.umavisaodomundo.com/2008/08/sombra-eua-sobre-soberania-brasil.html

    Email:: duduziuz@gmail.com
    URL:: http://www.umavisaodomundo.com/

    ————————————————————————————————–

    É Spock, cada vez mais acredito naquela célebre frase de Nelson Rodrigues: “Toda a maioria é burra“, a despeito das possíveis exceções e controvérsias e que chocou e choca tantas pessoas, até hoje. 

    Outra burrice que está prestes a ser cometida é a demarcação CONTÍNUA da Reserva Indígena Raposa da Terra do Sol. 1.743.089 hectares (quase 2 milhões de campos de futebol) para apenas 18.000 índios? O que de fato existe naquela região? Respondo: Muita riqueza (ouro, nióbio, petróleo, as maiores jazidas de manganês e ferro do mundo, pedras preciosas (diamante e esmeraldas), cobre, prata e, por estar na amazônia, a maior biodiversidade do planeta. Não é atoa que existem cerca de 150 ONgs estrangeiras por lá, pressionando para que as terras sejam demarcadas continuamente. Se conseguirem, depois é só enrolar e comprar os índios, baratinho, e os estrangeiros tomam conta das terras, infiltrando um estado dentro de um estado, que, um dia, protegido por eles, poderá querer tornar-se um outro país. Acorda, Brasil!

  • Mr. Spock disse:

    Bem Ivo, sobre a entrevista do General Andrade Nery já estou preparando um artigo a ser publicado no SILI sobre as declarações dele e adianto aqui alguns pontos.

    Como voce sabe, não faz parte da linha editorial do SILI a publicação de meras notícias ou idéias sem fundamentações, portanto, como não recebi nenhuma resposta ao meu email enviado ao Centro de Estudos Estratégicos da ESG pedindo um contato com o General Nery, resolvi fazer minhas próprias pesquisas sobre o que foi declarado. Além do que já escrevi em outro comentário nesse mesmo artigo, pude constatar o seguinte:

    1) Realmente a 4th Fleet (Quarta Frota) da Marinha dos EUA foi reativada após 48 anos de desmobilizada, sendo atualmente comandada pelo Rear Admiral (Contra-Almirante) Joseph Kernan que também comanda o SOUTHCOM (Southern Command). O Almirante Kernan é especializado em DEMOLIÇÕES SUBMARINAS e já comandou pelotões do SEAL experts em tais ações;

    2) Não foi encontrada na web a composição da 4ª Frota. Por sinal, cho interessante o detalhamento dado pelo Sr. Eduardo Soares, teria sido muito informativo ele ter divulgado onde obteve aqueles dados. Encontrei somente referências ao USNS Comfort, navio-hospital em missão “humanitária” na América Central, que parece já ter sido substituído pelo USNS Kearsarge, segundo a Embaixada dos EUA no Brasil;

    3) Não encontrei as “plataformas da Família Bush no Brasil”. Das 569 concessões de exploração concedidas pela ANP, de agosto/98 a julho/2008, não encontrei nenhuma empresa concessionária diretamente ligada aos Bush. Existem sim 2 diretamente ligadas a Halliburton e várias empresas nacionais que, estranhamente, surgiram nesse período. Mas, como a própria Petrobras possui diversos contratos com a Halliburton, não é de se estranhar a presença desse conglomerado em plataformas brasileiras;

    4) O próprio General Andrade Nery parece ser figura controversa, até nos meios militares. Segundo o que encontrei na web, faria parte do grupo chamado de “militar melancia” (verde por fora, vermelho por dentro). Apesar das posições ideológicas não desmerecerem ninguem, fica ao menos uma certa suspeita de haver um direcionamento ideológico nas declarações do Oficial.

    (Agora chega, ou nem vou precisar escrever o meu artigo! 😛 )

    Quanto ao Yahoo Respostas, também andei por lá até uns meses atrás, mas como o nível das perguntas/respostas variavam do ridículo ao totalmente boçal, larguei de mão. Atualmente, uma usuária (Sol do Deserto) costuma colocar perguntas diretamente linkadas aos meus artigos no SILI e esse já havia estado por lá:
    http://br.answers.yahoo.com/question/index;_ylt=ApZf59zmgeuIk3KDVR9iBIDJ6gt.;_ylv=3?qid=20080818183759AA6mBuq

    De qualquer forma, a despeito da falta de informações mais concretas e provas documentais, é público e evidente (para quem quiser saber) que já perdemos nossa soberania sobre a Amazônia há algum tempo, seja para “índios”, FARCs, Blackwater, ONGs, ou quaisquer outros estrangeiros que queiram por lá se instalar. Voce se lembra daquela ONG internacional que mostrei no Fórum “Debatendo a Ecologia”? Aquela que vendia lotes de vários acres na Amazônia para que “fossem preservados”? E voce até achou uma boa idéia, na época…

    É por isso que digo que só há uma solução para a manutenção da Amazônia brasileira como território nacional; a ocupação!
    Mas essa ocupação implica em abertura de estradas, ferrovias, cidades, indústrias, etc., tudo que irá “devastar” a Amazônia, conforme os “ambientalistas” que, com uma visão limitada e distorcida do problema, defendem a preservação de uma floresta que está fadada a desaparecer, seja pela ocupação internacional ou, até mesmo, por meios naturais.

  • Administrator disse:

    Interessante as coincidências, Spock. Acabei de responder, há uns 4 dias, a uma pergunta dessa moça Sol, sobre ONGs estrangeiras no Brasil que, por sinal (já que ela sequer se dignou em escolher), escolheram a minha como a melhor resposta (não sei quem escolheu nem votou). Se quiser, consulte a pergunta e a resposta no link: http://br.answers.yahoo.com/question/index;_ylt=AnhCwE3AEYuwvoeMEvx8r1PI6gt.;_ylv=3?qid=20080830221143AArnCde&show=7#profile-info-86699730ef424034cd08be4e28bb7a09aa

    Quanto à seriedade com que trata suas informações, não tenho dúvidas. Seus critérios são semelhantes aos meus, ou seja, procura xecar, antes de publicar . Agora mesmo estou com uma matéria do Gomide, INTERESSANTÍSSIMA, que é o prosseguimento da sua (trata sobre a movimentação de tropas americanas em Roraima, fato que já teria acontecido, na surdina). Ainda não publiquei e pedi a ele que checasse as informações (há um outro militar patenteado envolvido) e ele ficou de confirmar e me repassar assim que tiver a resposta. É coisa recente e estamos caçando a notícia. Só pela incerteza das fontes, ainda não publiquei.

    Quanto ao tema da sua matéria, existem mais notícias na Internet. Eu mesmo já as havia lido. Mas não tomei a iniciativa de republicar ou fazer resumos, porque teria de pesquisar a veracidade e as origens das fontes. Sorte minha que você fez isso antes, pois sei o quanto é cuidadoso. O que precisamos é nos aprofundar mais.

    Finalizando, vamos a uma parte polêmica do seu último comentário: concordo que temos de ocupar a Amazônia, antes que os estrangeiros o façam, debaixo dos nossos narizes. Só não concordo é que a ocupação se faça à custa de grandes desmatamentos; só não concordo é com queimadas e derrubadas de árvores por madeireiras; só não concordo é com a instalação de usinas de álcool, no pantanal e na Amazônia; só não concordo com a troca da vegetação nativa por formação de pastagens ou com indústrias poluentes dos rios ou com a introdução de uma “selva de concreto”, dentro da selva verde ou ainda com a substituição da vegetação nativa por monoculturas de soja ou de cana. Agora se você falar na instalação de laboratórios para pesquisas cientificas e fabricação de remédios, com a biodiversidade local, ou com a introdução de indústrias não poluentes que aproveitem a biodiversidade e a mão-de-obra nativa ou importada ou com indústrias de alimentos que aproveitem os produtos da região, aí sim, desde que com racionalidade e sustentabilidade a Amazônia deve ser ocupada sim, gerando riquezas e emprego, além de poder dizer-se ao mundo: “Isto aqui é nosso, estamos ocupando e dando um aproveitamento racional a tudo que aqui tem”. Fora disso, é melhor expulsar os intrusos oportunistas que lá estão e quem nem se preocupam com o meio ambiente. Se depender deles, a floresta acaba. 

  • Antidio Teixeira disse:

    Do meu observatório “Extraterrestre”, como já manifestei em algum comentário neste Blog, a importância do petróleo do pré-sal não será tão significante como pensam, dada a extemporaneidade com que ele chegará à superfície. Vejo que a carga poluente que está sendo lançada na atmosfera mundial cresce tão rápido quanto está crescendo a economia globalizada. Não nos esqueçamos de que “tudo que consumimos ou nos utilizamos, demandam algumas formas de energia cuja obtenção de, aproximadamente, 90% delas é realizada por processos poluentes atmosféricos. As camadas protetoras de ozônio sobre as regiões mais povoadas do mundo, tanto no Hemisfério Norte, como no Sul, estão se adelgaçando aceleradamente e a filtragem dos raios ultravioletas se tornando, cada vez mais, rarefeita e, em poucos anos, tais regiões estarão inabitáveis por seres animados. A corrida humana na direção dos trópicos já pode ser notada no nosso país, onde as melhores áreas agrícolas, que eram no Sul, hoje, estão no Centroeste, Norte e Nordeste. É bastante que observem o crescimento da constância e da intensidade de manifestação dos fenômenos naturais, especialmente sobre as referidas regiões. Só como exemplo da estupidez humana, recomendo o e-mail DUBAI – Loucuras, para que avaliem a carga poluente que um pequeno emirado árabe está lançando na atmosfera para construir uma “cidade hospício carnavalesco” como forma de superação de outras loucuras imobiliária em outros países asiáticos, tendo a China como outro exemplo.
    Estou pedindo ao Administrador orientação para transferir o e-mail para este Blog.
    Perdoem-me se acham que estou fora de órbita; mas, na realidade, estou em meu “Observatório Virtual”. Aquele abraço,
    Antídio

  • Mr. Spock disse:

    Só para cumprir o prometido, informo que o artigo contendo a análise da entrevista do General Nery, com vários links para dados e informações obtidas na web, já está publicado no Projeto SILI:

    http://projetosili.blogspot.com/2008/09/sobre-entrevista-do-general-andrade.html

    Muito do que está lá eu já havia adiantado aqui porém alguns links interessantes foram encontrados na longa e minuciosa pesquisa feita pelo Google.

    Para quem tem por hábito ver o panorama geral de uma situação a partir de detalhes ficará claro que estamos MUITO MAL em termos de defesa de nossa soberania, seja em que área for.

    A promiscuidade do Governo Federal com conglomerados internacionais fica evidente. As desavenças nas Forças Armadas, antes ocultas, afloram. Pelo andar da carruagem, em breve poderemos estampar novos slogans: AMAZÔNIA NUNCA MAIS! e O PETRÓLEO ERA NOSSO!

  • De fato, Spock, a situação está muito, mas muito mais feia mesmo do que até você, um pesquisador zeloso, possa imaginar. Pense no que você já descobriu até aqui. Pensou? Exagere! Exagerou? É muito mais do que a conclusão a que você chegou. Aquela excelente reportagem que você nos mandou é apenas uma ínfima parte do que está acontecendo em relação à visão e o interesse que os estrangeiros têm em nosso país, especialmente na região amazônica, o nosso ponto mais frágil, verdadeiro “Calcanhar de Aquiles”. Se armarem contra nós, é por lá que eles irão começar. Aliás: já começaram, sorrateiramente.

    Estou preparando uma série de reportagens sobre a situação da Amazônia e da enganação da demarcação das terras indígenas, paralelamente com um estudo sobre as ONGs estrangeiras, as questões estratégicas, econômicas, políticas e a visão dos militares sobre o assunto. Enlouqueci! O Gomide disse que também se perdeu. O assunto ou assuntos, dariam, pelo menos, uns 3 bons livros. É tão complicado, que parei para pensar melhor.

    Assim, estou estudando para ver como posso colocar essas reportagens, em séries, capítulos ou sei lá o quê (aceito sugestões). A coisa está muito mais feia do que pensamos. O pior é que acho que o Governo está sabendo disso – não há como não saber.

    Estou precisando de ajuda, companheiro, principalmente, de pessoas com o seu espírito investigativo e destemido, a par da sua capacidade de analisar, raciocinar, e concluir, é claro. Enfrentar uma guerra dessas sozinho ou com apenas uns 3 bons soldados leais é luta inglória. Sei de algumas restrições que você tem quanto a parte da nossa linha editorial, achando que alguns de nossos colaboradores são apenas “eco-chatos”, talvez um pouco fanáticos em questões ambientais. Mas, afirmo: não é bem assim: isto tudo é fruto da paixão pelo assunto que, às vezes, leva a alguns exageros. O que você tem de entender é que estamos no mesmo barco, em matéria de preocupação com a soberania do nosso país, e, especialmente, lá naquela disputada e conflitante região da Amazônia. Temos linhas editoriais diferentes, é verdade. Se for por discordâncias, também acho que geofísica, pesquisas meteorológicas e astronômicas, estudos de vulcões, do clima, de terremotos, de catástrofes possíveis, leitura de dados da NASA, etc, são um trabalho técnico de alta relevância, mas eu não os faria. Não por não julgá-los importantes, mas por não me sentir qualificado (dispenderia muito do meu valioso tempo para assim me julgar) e por entender que há outras coisas mais sérias e nem tão mais simples por discutir, aqui mesmo. Mas nem por isso, deixo de valorizar o seu trbalho e visitar o seu blog regularmente, embora faça poucos comentários. Você percebeu um tom de desespero e desabafo em minhas palavras? Não nego, abnegado companheiro. É isto mesmo. Estou indignado com o Governo Brasileiro, revoltadíssimo, pedindo ajuda a todos quanto possa, para lutar contra esses FP e os “olheiros internacionais”.

    Então, colega de luta, vamos manter nossas preferências de linhas editoriais, mas nos unirmos e nos ajudarmos, em nome do Brasil. Podemos continuar fazendo o que gostamos, cada um na sua, sem descuidar das grandes questões nacionais.

    A maioria dos blogs que visito, dos jornais que leio, apenas dão notícias sobre a região, mas não discutem nem propõem soluções. Nós, aqui, não queremos apenas dar notícias. Isso, todo o mundo faz. Queremos denunciar, alertar. debater e propor soluções. Esta é a nossa meta e seria muito bom se você pudesse se alinhar conosco. Por isso, continuo mantendo o seu blog na minha lista de “blogs parceiros”. Aliás, uma desculpa: achei, em nome do nosso relacionamento inicial, que deveria continuar mantendo o seu blog naquela lista, mas se você discordar é só avisar e eu retiro. 

    Volte aqui de vez em quando e acompanhe as próximas notícias. se já não está, você vai ficar muito mais revoltado ainda. Tudo o que vc souber sobre o assunto, informe-nos e faremos o mesmo. Aliás, isto nem é muito necessário. Basta que um visite o blog do outro a cada dois dias, para manter-se atualizado.

    A propósito, possuo uma seqüência de trocas de 10 emails entre o Gomide e eu, a respeito de movimentações de tropas militares estrangeiras (secretíssimas) que teriam já ocorrido na região amazônica. nem tudo está inteiramente comprovado: pesquisamos os nomes e as instituições e existem. Estamos verificando tudo e são tantas coisas que ficamos perdidos. Sugeri ao Gomide enviar o material para você analisar e ele concordou. Você não quer nos ajudar a desembrulhar e estudar o pacote? Se tentarmos ligar uma coisa a outra, pesquisar, contactar, ligar pessoas, a coisa vai muito longe e pode até se caracterizar em um crime militar forçado.

    O que está revoltando é a omissão e a ingenuidade, burrice ou conivência do Governo brasileiro. A nossa intenção é divulgar e botar a boca no mundo.

    Aguardo sua manifestação.

  • Mr. Spock disse:

    Caro Ivo,

    O que me chamou a atenção no DDD desde que o achei na web foi sua disposição e abertura para a discussão de temas diversos, sem censuras ou uma linha editorial pré-concebida. Parabenizo-o até por abordar o assunto “Religião” de modo lógico e racional, coisa que eu nunca farei no SILI por considerar que crenças não são lógicas nem racionais sendo, portanto, uma tarefa inglória. O mesmo poderia se dizer de discutir política em um Forum PTista ou Nazista.

    Podemos discodar dos caminhos mas não dos objetivos. Somos, acima de tudo, Brasileiros (assim mesmo, com B maiúsculo) defendendo sua terra, seu povo e suas riquezas (materiais ou não). Se, hora ou outra, chego a me irritar com certas opiniões aqui divulgadas é porque percebo que elas tendem muito mais para o lado da crença do que da racionalidade, mostrando-se imutáveis diante de evidências factuais e científicas ao contrário.

    No caso da Amazônia, por exemplo, considero que todos os problemas existentes por lá são uma parte e não o todo em si. São uma consequência da falta de visão de Nação de praticamente todos os governos republicanos. Podemos até dizer que D. Pedro II foi muito mais Brasileiro do que quase todos que o sucederam. Podemos até condenar os métodos utilizados, mas quando os os americanos decidiram conquistar o Oeste (do Mississipi pra lá), o fizeram sem medirem consequências. Algo similar foi feito no Brasil pelos Bandeirantes e se hoje São Paulo sustenta o resto do Brasil podemos agradecer (ou culpar) a eles, mesmo tendo sido impulsionados pela mesma ambição por riquezas que moveu os americanos para a Califórnia.

    Minha inclinação para o estudo de Climatologia, Geociências e afins se deve a tais estudos fornecerem peças importantes para o entendimento do quebra-cabeças geral. Sem o entendimento dos processos naturais de um modo científico e lógico ficamos a mercê daqueles que manipulam tais verdades para seus próprios interesses e descambamos, novamente, para o terreno da “crença”. Foi assim que a Igreja Católica controlou o mundo ocidental por séculos, monopolizando e ocultando o conhecimento científico.

    Ficaria muito honrado em ter acesso aos dados que voce e o Gomide possuem e me disponho a pesquisá-los, analisá-los e consolidá-los com os meios que possuo, apesar de já não crer que, nos dias de hoje, a mera denúncia ou publicidade sejam capazes de alterar o panorama geral. Como dizem, “situações drásticas requerem soluções drásticas”.

    Sua indignação e revolta com o Governo Brasileiro talvez seja a mesma daqueles ingênuos bem intencionados que acharam um dia que o partido agora no poder era o “último baluarte” da moralidade, decência, honestidade, e patriotismo no Brasil. Eu, tendo convivido com eles e outros da dita “esquerda” desde os tempos de Faculdade, em nada me surpreendi com toda a lama em que o país afundou desde 2002, pois conhecia bem a covardia, incompetência, falsidade e ambição dessa trupe.

    Portanto, fica à disposição meu email para voce ou qualquer outro participante do DDD enviar o que quiser, bem como permanece aberto a voce o Projeto SILI para publicar o que quiser.

  • Administrator disse:

    Ok, Spock. Vou começar a organizar o material para enviar-lhe. Mas aviso: Ele não está destrinchado porque eu e o Gomide ficamos meio perdidos em meio a tantas informações e nós que têm de ser desatados e reatados. Só sugeri enviá-los a você pelas seguintes razões: 1) Você já está mexendo num assunto parecido;
    2) demonstra interesse pelas questões; 3) é um pesquisador sério e habilidoso, um verdadeiro “Sherlock Holmes” (sem gozação); 4) tem raciocínio lógico e analítico, sabendo concluir; 5) é rigoroso; 6) deseja o que desejamos. Chega?

    Só vou enviar-lhe os emails trocados sobre “um dos assuntos específicos”, uma movimentação de tropas militares estrangeiras na Amazônia, região de Roraima, que já teria ocorrido há uns 15 anos atrás e que foi abafada. Os militares sabem, mas não podem falar, embora desejem. O caminho para descobrir essas verdades é nos meios militares mesmo. Eles já estão desconfiados e querendo botar a boca no trombone, mas não podem. Está havendo um princípio de levante, uma revoltazinha interna quanto a esse estado de coisas, até com a maçonaria no meio, denunciando. É um tremendo rolo. O Governo brasileiro, perdido, afundado em questões diplomáticas e burocráticas, sem saber o que fazer.

    Para seu espanto, além dos militares, ONGs estrangeiras religiosas “plantadas” nas reservas indígenas, também estão a serviço da internacionalização da Amazônia. Se puder, procure a Diretriz Brasil nº 4 e leia. Está tudo lá, o plano para dominar aquela região.

    Infelizmente, ando meio sem tempo e só lhe posso mandar os emails trocados. Mas, por ali, ligando as pontas, você poderá chegar onde eu já cheguei, ou até mais longe. Procure ler também, se puder, os comentários do Gomide.

    A propósito, minha idéia é engajar a Globo nessas denúncias, se conseguir. Nesse sentido, já entrei em contacto com o principal técnico desenvolvedor do Portal Globo Amazônia e ele já nos respondeu no blog, hoje, no comentário sobre o artigo do portal (leia o comentário do Cox). Não é muito nem certeza de que obteremos ajuda, mas já é uma luzinha no fim do túnel.

    Se ainda assim estiver interessado em receber o material, confirme, mais uma vez (vai que você desiste depois disso que falei!).

    Abraços!

  • Mr. Spock disse:

    Ivo, confira o webmail do DDD, minha resposta está lá.

    Abraços

  • Mr. Spock disse:

    Retificando:

    This is an automatically generated Delivery Status Notification

    Delivery to the following recipient failed permanently:

    ivoblog@debatadesvendeedivulgue.com

    Technical details of permanent failure:
    Google tried to deliver your message, but it was rejected by the recipient domain.

    Portanto, estou reenviando para o outro endereço que eu tinha.

Deixe uma resposta