O QUE É DESMATAR ?

11/07/2009
by mgomide3

   Está atualmente a humanidade, por intermédio de seus insensíveis e deficientes mentais, derrubando as árvores que caracterizam as matas naturais ainda existentes, principalmente na Amazônia, oeste de África e Grandes Ilhas do sudeste asiático. A ilha de Bornéu, por exemplo,  está praticamente sem cobertura florestal, e seu animal símbolo, o orangotango, hoje sobrevive em parques de proteção biológica.

   Essas ações, de caráter empresarial e individual, contínuas, furiosas e danosas, são impelidas pelo objetivo máximo da vida, definido pela estrutura econômica da atual civilização: a ganância a qualquer custo.

   E os governos irresponsáveis dessas regiões fingem que combatem tão odioso procedimento, mas por efetivas ações dão-lhe suporte para que prossigam nessa prática destrutiva. Tudo justificado pela glória de impulsionar seus paises rumo ao progresso material, sustentado no aumento de ganhos gerais: dos governos, políticos, parasitas sociais, sistema econômico individualista, atividades paralelas, empregos. Numa só palavra: desenvolvimento.

   O que é uma mata? Não são apenas árvores. Não é somente o solo potencialmente agriculturável. Não é uma fonte inesgotável de ganhos. Uma mata é um mundo. Sim, é um conjunto harmonioso que sustenta a vida. Assim como o planeta Terra é um mundo para os homens, uma mata é um mundo para seus habitantes. Ali está em equilíbrio uma existência imensa de seres vivos, dos quais apenas as árvores são mencionadas. Ali vive, ali é seu meio, ali é o mundo da biodiversidade. Biodiversidade é uma palavra síntese que abarca todo aquele mundo, desde o mais simples até os mais complexos. Se destruirmos a biodiversidade de um desses mundos, também estaremos destruindo o plano geral do planeta, pois as partes globais são interdependentes. O desequilíbrio climático atual é conseqüência, entre outras, dessas tragédias íntimas.

   Como sabemos, a vida se alimenta da própria vida, de uma forma harmoniosa, equilibrada e sustentável. Essa cadeia começa com a  essencial atividade dos vegetais, que recebem a energia vital do Sol, necessária à realização da fotossíntese, o milagre da transformação em vida dos elementos químicos do solo e do ar. É a comunhão sagrada entre a Terra e o Sol. Os vegetais são os desbravadores do planeta, são a porta por onde entram todas as demais condições de vivência. Nesse mundo (em situação trágica) a que nos referimos, vivem os animais de todos os tipos, os fungos, as bactérias; uns dependentes de outros. Todos são parte para manutenção do equilíbrio do sistema a que chamamos meio ambiente.

   Plantações extensas de eucalipto não têm biodiversidade; não têm vida. São apenas ferramentas de ganho, lucro.

   Quando os brutamontes destroem as árvores, arrancam suas raízes, limpam o solo para plantio, desequilibram e destroem um mundo. Um mundo, um mundo!

   Recentemente, um “sábio” deputado apresentou um projeto de lei, no qual constava que os proprietários de terras poderiam destruir suas matas desde que, posteriormente à realização dos seus objetivos econômicos, recompusesse a área destruída com o plantio de árvores. Ele não tem a mínima consciência desse mundo a que nos estamos referindo. Árvores são apenas a estrutura protetora que garante um ecossistema, isto é, um mundo que requer milhões de anos para encontrar seu próprio equilíbrio vivencial. Não são os humanos os seres mais importantes do planeta; são as plantas, grandes e pequenas. Todos os demais dependem delas.         

 

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

2 Comentários

  • Antídio S.P. Teixeira disse:

    Grande Gomide: (GG)

    Essa sua bela e compreensiva explanação detalha os processos de interdependência entre os seres das florestas entre si. Assim, deixa-me oportunidade para evidenciar a importância da manutenção do equilíbrio natural dos ecossistemas para que a vida, como “um todo”, siga seus próprios caminhos evolutivos, já que, desconhecemos as trajetórias que deverá seguir no contexto universal. Desmatar é contribuir para interromper o imenso ciclo evolutivo da vida cósmica. Em nossa fase material que começa com a concentração das diversas vibrações energéticas componentes da luz e a sua consequente materialização como hidrogênio. E, daí, seguindo a evolução da Tabela Periódica dos Elementos, estes passam a constituir a base para o desenvolvimento das formas de vida vegetativa, seguida pela animada que emitem as vibrações vitais dos seres menos evoluídos, e as inteligentes dos humanos. O destino de tais vibrações, ainda é vetado à compreensão destes.
    Portanto, desmatar para satisfazer às necessidades supérfluas introduzidas nas sociedades com objetivos de lucros, é uma ameaça à vida universal, e põe em risco de perda total de todo processo evolutivo desenvolvido em nosso Planeta, desde a sua formação.

  • Meu bom, idealista e combativo companheiro Gomide:

    Tenho andado um pouco ausente, envolvido que estou com um outro projeto blogosférico para integrar os sites que compõem a rede DDD, visando, quem sabe, dar-lhes maior visibilidade e oportunidade de os debatedores trocarem idéias entre si. Penso também (está difícil) em implantar uma estrutura que dê condições de apontar os temas com “conclusões” dos debates e os que estão inconclusos. Pelo que vi, de alguns dos tópicos que aqui debatemos, já poderíamos tirar conclusões, mas nem todo leitor sabe interpretar isso. Daí, a tentativa de incluir mais essa facilidade.

    Mas vendo este seu interessante texto, não pude furtar-me a comentá-lo, dada a sua importância. A questão do “sábio” deputado que você citou também já tinha causado a minha indignação (e de quantos mais?). Como os políticos são desinformados e insensíveis às questões ambientais!…

    Como pode o cidadão achar que se pode tirar o que quiser da natureza e que é só “replantar” (ou reflorestar) que tudo estará resolvido?!… E os prejuízos ao ecossistema e o tempo de adaptação para a recomposição, que jamais voltará a ser o que era antes? Desmatar, é facílimo. Máquinas poderosíssimas, de alta tecnologia, derrubam e fatiam árvores com extrema rapidez e eficiência. Cortar árvores, para elas, não diferencia muito de cortar pão. Um dia de trabalho dessas máquinas, chamadas robôs lenhadores corresponde a três ou quatro anos de geração de cobertura vegetal pela natureza. Com essas máquinas, a natureza não pode e nunca poderá acompanhar o ritmo dos homens. O descompasso aumenta numa progressão geométrica. E os políticos idiotas não sabem (ou fingem não saber) disso.

    É. mais uma vez, a ganância comandando as ações do homem sobre a natureza.

Deixe uma resposta

Previous Post
«