DESTRUINDO O MEIO AMBIENTE

06/08/2008
by mgomide3

 

Uma empresa de vulto internacional está instalando grande fábrica de cerveja em determinada cidade de Minas Gerais. Será a segunda maior indústria da espécie no Brasil, ocupando imensa área. Para tanto, reuniram-se as autoridades municipais, os representantes da mencionada indústria e o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, órgão integrante da administração local para tratar e resolver os trâmites burocráticos, de forma que a empresa ficasse legalmente habilitada para iniciar as obras no menor prazo possível. E os representantes da indústria saíram com a aprovação total. Imaginamos como terá ocorrido tal reunião. Naturalmente, depois de pagas todas as taxas, o mencionado Conselho, por unanimidade, aprovou o corte de 140 árvores frutíferas nativas, condenando à morte todo o bioma da área, sob promessa de compensações.  Serão substituídos, portanto, todos os seres vivos, macro e micro, (não só as árvores). […]Segundo supomos, devem ter declarado mais ou menos assim: “se é para o progresso, aprovamos”. Para formalidade de aparências e tranqüilidade de consciências, exigiram que, em troca, a empresa prometesse plantar outras árvores em outros lugares e em tempos futuros. Trocaram um ato concreto de morte e destruição por uma vaga promessa, cuja efetividade já conhecemos há muito tempo.
Essas ações nos fazem compará-las com as que ocorreram outrora na ilha de Páscoa, quando os nativos cortaram todos as árvores em benefício da fabricação de moais de pedra, seus deuses. Decisões daquela época devem ter sido parecidas: “se é para louvar nossos deuses, aprovamos o corte de árvores.” E todos sabem das conseqüências para os habitantes daquela ilha, sem o suporte de seus seres vivos vegetais.    
Além desses tais Conselhos Municipais, conta o Estado de Minas Gerais com os seguintes órgãos oficiais para defesa do meio ambiente:
1)   Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema);
2)   Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad)
3)   Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam)
4)   Instituto Estadual de Florestas (ICF)
5)   Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam)
É muita gente ganhando para defender o meio ambiente. Bem entendido: defender no faz-de-conta.
Descrevemos acima um fato concreto, ocorrido há uns 10 dias, que deve estar harmonizado com os outros órgãos oficiais por esse Brasil afora, cuja verdadeira função é fingir que defendem a Natureza, mas que, na efetividade, ungem os atos do esquema econômico. São, portanto, instrumentos que servem ao senhor lucro e, em conseqüência, apressam o suicídio da humanidade.
Tanta omissão, tanta hipocrisia, tanta irresponsabilidade!!!!
Por isso clamamos por um Governo Mundial como única e última esperança.  

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

4 Comentários

  • Antidio Teixeira disse:

    A idéia do lucro como instrumento para obtenção do poder e do bem-estar, foi implantada na consciência coletiva dos povos pela mídia. A disputa pela posse dos bens naturais foi exaltada para estimular a concorrência na qual são adotadas as mais diversas armas, tanto materiais como, pior ainda, as morais. As leis são flexibilizadas através de brechas implantadas preventivamente durante sua elaboração. Os piores crimes são inocentados em manobras judiciais financiadas pelos criminosos corruptores. A falta de respeito ao direito de vida já não é, apenas, contra os seres inofensivos da Natureza, mas contra a própria humanidade. A mortalidade por doenças causadas por inanição e falta de saneamento básico é muitas vezes maior do que as guerras de conquista de poder e de bens materiais. Assim, fica claro porque, em nome de criar empregos para uma minoria e desenvolver economicamente determinada região, destroem-se um ecossistema para produzirem e exportarem drogas que irão criar dependência econômica de indivíduos incautos em outras, incapacitando-os para o desenvolvimento da capacidade intelectual para o exercício de atividades profissionais superiores. Tudo isso em nome do lucro.
    Antídio

  • Antidio Teixeira disse:

    Ivo:
    Comentei este artigo desde anteontem e repeti ontem e não foi publicado. Por acaso houve alguma irregularidade?
    Forte abraço,
    Antídio

  • Administrator disse:

    Antídio:

    Dificilmente poderá haver irregularidade com qualquer coisa que você escreva. Sinceramente, não sei o que possa ter ocorrido, mas vou verificar.

    Admito uma das duas hipóteses: 1) eventualmente alguma palavra que fez o filtro de “spam” reter automaticamente o comentário ou 2) o fato de eu estar dando manutenção no site, coincidentemente no horário em que você publicou. Vou ter de pesquisar.

    A propósito, recebi a sua cartilha. Muito obrigado. Forneça-nos dados dos locais onde ele poderá ser adquirida, para que eu possa fazer a divulgação nos 4 sites sobre a minha responsabilidade (precisarei dos links e detalhes, caso não tenha no link).

    Estou trabalhando em umas novidades e ando meio sem tempo de publicar artigos (tenho 3 na fila, para formatar). Por isso, nem abri ou respondi meus emails. Logo, logo, volto à normalidade.

    Informo aqui mesmo, assim que solucionar o problema.

  • Administrator disse:

    Ok, Antídio. Já verifiquei e o seu comentário já foi liberado.

    Como supunha, ele havia ficado retido automaticamente pelo filtro de “spam”, talvez (acho estranho, mas pode ser), em função da palavra DISBUTA (troquei o “p” pelo “b”, propositalmente, senão até o meu comentário ficaria retido).

    Ocorre que a palavra “BUTA”, sinônima de prostituta, encontra-se inserida no final da palavra “disButa”. O termo “Buta” (que seria com “p”) é uma das palvras bloqueadas. É um mecanismo meio esquisto e falho, mas é assim que funciona. Felizmente, ele acerta muito mais do que erra. Deve ter sido isso, porque o seu Português é irrepreensível e jamais precisaria de qualquer tipo de revisão, bem como o que conheço das suas idéias, até aqui.

    Sempre que essas coisas ocorrerem, avise-me, por favor. Abraços!

Deixe uma resposta