Amazônia Ameaçada! E Agora, o que Fazer?

01/06/2008
by Ivo S. G. Reis

Quando a cobiça dos interesses internacionais volta os olhos para a Amazônia; quando a desertificação ameaça tomar conta de áreas já devastadas pela derrubada de árvores ou esgotamento do solo; quando usinas de álcool pleiteiam o direito de instalar-se na região; quando a floresta nativa começa a ser destruída para dar lugar a plantações de soja e estabelecimento de pastagens para gado; quando rios começam a ser assoreados e contaminados pelo mercúrio e outros resíduos tóxicos da mineração; quando os peixes começam a desaparecer e perecer; quando o conflito armado entre índios e brancos, começa a acontecer, em razão da disputa de terras e pelo desrespeito à demarcaçao dessas terras nas reservas indígenas; quando a extração ilegal de madeiras começa a deixar a terra careca e a queima do carvão vegetal a deixar populações doentes; quando espécies animais começam a se extingüir…

Ah, quando o trabalho escravo nas fazendas e na derrubada de árvores passa a se tornar comum; quando uma área equivalente a 3 vezes o Estado de S. Paulo já se encontra desmatada; quando a biopirataria é praticada e o país não consegue impedir; quando a região começa a ser loteada e vendida para investidores estrangeiros; quando um jornal da importância do New York Times pergunta: ” Afinal, de quem é a Amazônia? ” e outro (o Independence), diz que a Amazônia é muito importante para deixá-la apenas nas mãos dos brasileiros; quando outras nações começam a enxergar aquela parte do nosso território como “patrimônio da humanidade“, ameaçando a soberania nacional; […]quando operações armadas como a “arco de fogo” têm de ser montadas às pressas, para conter a ganância, o desrespeito e a irresponsabilidade das madeireiras que estão acabando com as florestas do Estado do Pará; quando a Ministra do Meio Ambiente renuncia por não resistir às “pressões internas” que ela não revela quais são; quando o Presidente da República diz em cadeia nacional de televisão que “a Amazônia pertence aos brasileiros”, mas, por trás das câmeras, autoriza a venda daquelas terras para estrangeiros… O que isso pode significar? Será que já não é chegada a hora de o povo brasileiro desconfiar, protestar e cobrar providências do poder público?

Sim, a Amazônia está ameaçada sim. E o Governo tenta, mas já quase não consegue esconder isso do povo. Prefere enganá-lo, dizendo que está zelando pelos interesses nacionais. Só que todos sabemos a dura realidade: tem-se revelado incompetente para isso. Agora, chegou a nossa vez de intervir e cobrar providências. Protestem, protestem, protestem!

Para dar um exemplo, republico abaixo e com a autorização do autor, o protesto do meu colega escritor do Recanto das Letras, Ricardo De Benedictis, expresso com a linguagem sensível, clara e forte da sua da poesia:

—————————————————————————————————

AMAZÔNIA AMEAÇADA!

Amazônia,
Causa-me insônia
A tua desdita!
Causa-me vergonha
Que se lhe imponha
A guerra maldita!
Amazônia,
Reúne teus ancestrais
Impede a serra e o machado
Expulsa o invasor e o arado
Das reservas florestais!
Amazônia,
Querem tuas florestas,
Reúne pessoas honestas
Demarca já teus umbrais!
Amazônia,
Querem poluir teus rios
Por interesses sombrios
Dos carrascos capitais!
Amazônia,
Convoca teus ancestrais
Bichos, plantas, minerais
Prepara tua defesa
Cuidado com a ONG-empresa
Demarca já teus umbrais!
Ricardo De Benedictis (*)
Publicado no Recanto das Letras em 16/05/2008
Código do texto: T992188


—————————————————————————–

(*) Ricardo De Benedictis (67) é escritor profissional, com várias obras publicadas, colaborador do Recanto das Letras, participante de 20 antologias poéticas. Atualmente, é Presidente da Academia Serrana de Letras (Vitória da Conquista/BA) e da APOLO – Academia Poçoense de Letras e Artes (Poções/BA). Também é criador e mantenedor do site http://www.bahia3000.hpg.ig.com.br . Clique aqui para ver o perfil completo do autor no Recanto das Letras . No site do Recanto das Letras poderão ser consultadas, também, outras obras do mesmo autor.
——————————————————————————————————————————
Nota de atualização(1) – 13/06/2008 : A matéria acima foi republicada, na íntegra e com referências elogiosas, no site BrasilWiki! Visitem também o referido site e tomem conhecimento de outros comentários sobre a matéria, postados naquele interessante site de reportagens.
Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

15 Comentários

  • Alice disse:

    Parabéns, administrador. Parabéns, escritor Ricardo Benedictis. Que lindo artigo! Vocês precisam divulgar isto aos 4 cantos do mundo. Mas antes, fazer com que o Brasil tome conhecimento desse apelo.

    Tudo o que aí está é verdadeiro, muito verdadeiro. Esta é a triste realidade do Brasil. Será que os políticos ainda não enxergaram isto? Ou estão fazendo pouco caso, achando que o pior nunca acontecerá conosco?

    Tenho medo dessa tal “cobiça internacional”. Pela cobiça do petróleo, os americanos invadiram e tomaram de assalto o Iraque. Agora, eles estão cortejando a Colômbia e logo estarão instalando suas bases naquele país. De lá, para tentar invadir a Amazônia pela fronteira colombiana é um pulo. Será que ninguém nunca pensou nisso?

  • Antidio Teixeira disse:

    Administrador:
    Sim; a ocupação da Amazônia por povos estrangeiros fugitivos das intempéries climáticas será inevitável; seja pacificamente com inteligência dos nossos governantes ou violentamente por força militar estrangeira mais poderosa. Já está ocorrendo em outros estados do Norte e do Nordeste a aquisição de terras por agricultores estrangeiros, principalmente americanos no Piauí que, para cá estão imigrando com suas famílias. O que o nosso governo tem a fazer é a ocupação, com os excedentes de nossa população, dos pontos estratégicos, fortalecer as estruturas administrativas e prepará-las para um brusco desenvolvimento para não perder, futuramente, a soberania nacional sobre a região.
    O que as potências econômicas mundiais querem nos fazer crer, é que as florestas tropicais são responsáveis pela absorção dos poluentes gerados pelo progresso do mundo; por isso , procuram preservar a Amazônia livre para uma ocupação futura. Vejamos porque:

    Os países que enriqueceram com a Revolução Industrial poluindo o mundo com a queima de combustíveis fósseis, estão todos situados acima do trópico de Câncer. Esta região, assim como a que se estende abaixo de Capricórnio, são regiões que , há décadas, vêm experimentando crescente bombardeio por raios ultravioletas motivado pelo adelgaçamento da camada de ozônio e o avanço dos “buracos” do Norte e do Sul, na direção dos respectivos trópicos. O fenômeno é sentido especialmente na redução da produtividade agrícola, na incidência de câncer de pele entre seus habitantes e na agressividade dos fenômenos climáticos cujos efeitos estão diariamente nos noticiários. Enquanto isso, a atmosfera que acoberta as regiões intertropicais ficou saturada por óxidos de carbono e de outros gases mais pesados, provenientes da queima de materiais fósseis que, bombardeados pelos fótons, geram calor anômalo nas altas camadas atmosféricas daí irradiando-se para todo o Planeta, adulterando um sistema compensatório de temperaturas vigente há muitos séculos.
    Nós construímos nossos raciocínios com dados oferecidos pela mídia e que nos parecem lúcidos, porém, vistos por outros ângulos, a verdade pode ser bem diferente e inconveniente.
    Antídio

  • Administrator disse:

    Antídio:

    Que bom vê-lo por aqui de novo!… Ficou mais de uma semana ausente. Sem desmerecer os demais, felizmente todos de bom nível, você e o Gomide são dois dos nossos mais ilustres colaboradores.

    Mas tenho uma ótima noticia: acaba de juntar-se às nossas fileiras o escritor e também simpatizante das causas ecológicas, Ricardo De Benedictis, meu colega no Recanto das Letras e autor do poema inserido no artigo.

    Benedictis me enviou uma série de artigos de sua lavra, com autorização prévia para serem publicados aqui no blog. São artigos interessantíssimos, com outros tipos de enfoque e que, sem dúvida alguma, muito ajudarão a fazer as denúncias e alertas que queremos tornar públicos. Esses artigos serão publicados semanalmente e sugiro que passe por aqui pelo menos a cada 3 dias, para conhecê-los. Avise também ao Gomide.

    Felizmente, nosso pequeno exército verde está aumentando, principalmente na qualidade. E o seu comentario, Antídio, jogou mais luz ao tema abordado e mostrou os paralelos da questão.

    Fico feliz em revê-lo.

  • mgomide3 disse:

    Tudo o que disse o ilustre Administrador são fatos reais, concretos, incontestáveis. É uma triste realidade, mas é simplesmente uma tônica mundial. A destruição dos biomas se efetiva por todas as partes, como paises confrontantes com o Brasil, sudeste da Ásia, grande parte da África e Oceania. O ambientalista Antídio teceu uma frase lapidar: “… vistos por outros ângulos, a verdade pode ser bem diferente e inconveniente.” Pois bem. O ângulo de minha visão diverge de quase tudo que foi aqui comentado. Peço licença para discordar de alguns enfoques que, no meu entender, foram externados sob a influência cultural. Entendo que temos de nos libertar dos grilhões da cultura (vide o mito da caverna, de Platão) a fim de que a visão racional não fique obliterada. Dessa forma, passo a expor o que vejo de toda essa questão. Tentarei fazer uma síntese do meu pensamento.
    Não, a Amazônia não está ameaçada. Quem está ameaçado é o todo, o planeta. De nada adianta defendermos a vida de uma perna quando todo o indivíduo está sendo dilacerado e envenenado. Quanto à ocupação da Amazônia pelos norte-americanos, com foco apenas nesse contexto, entendo que é preferível, no futuro próximo, unicamente eles ficarem vivos respirando o ar da Amazônia do que todos mortos por não terem ar para respirar. De que adianta exercermos nossa ilusória nacionalidade para ter domínio territorial sobre a Amazônia, se a assassinamos diariamente, como vimos fazendo! Alguma dúvida? Vide o brilhante artigo do Administrador. Dá para perceber, nessa altura de minha exposição, de que não faço distinção de seres humanos. A existência de norte-americanos, brasileiros, equatorianos, nigerianos ou franceses, é apenas convencional; é uma simples ilusão. Enfim, um produto da cultura. Na verdade, paises são ilusões. Alguém como eu ou você, leitor, poderia ter nascido em qualquer parte do mundo, inclusive em um navio. E seríamos o mesmo ser biológico de hoje. O que existe efetivamente é o animal chamado humano, cujo conjunto se constitui em humanidade e que prolifera geometricamente, tanto em número natural quanto potencial pelo uso da tecnologia. Se temos que gritar algo para o mundo, deveria ser: que alguém tome conta da Amazônia para que uma parte da humanidade possa viver pelo menos mais um pouquinho. Meu amor pelo planeta está muito acima do pelo Brasil, mero acidente histórico, cultural.

  • Administrator disse:

    Seu pensamento, Gomide, e talvez pelo seu profundo amor à natureza e à humanidade, foi acima do de todos nós: olhou o planeta, como um todo, a Amazônia como parte dele e, o Brasil, como um pai incapaz de criar, alimentar, defender e educar seu filho. Se eu não entendi errado, parece-me que foi essa a visão que você quis passar. E, de certa forma, você não deixa de ter razão. Aliás, a própria Ministra Marina Silva, pouco antes de renunciar ao cargo e falando sobre a Amazônia disse algo mais ou menos assim: “É preferível ver um filho vivo, no colo de um estranho, do que deixá-lo morrer no nosso.” É bem o que você disse.

    Sim, não resta dúvida: A Amazônia é importante para o Brasil e para o mundo e o Brasil não está tendo competência para administrá-la (isso é o que parece, mas eu acho que só parece porque ninguém fala a verdade). Mas, por outro lado, também não sabemos nem podemos garantir qual dos países estrangeiros ou consórcio de países estrangeiros teriam. O mais provável seria que a dilapidassem e esgotassem todos os recursos da Amazônia, por razões econômicas. Afora isso, existe o problema político: que país ou países não gostariam de apossar-se da Amazônia e mudar  o traçado do nosso mapa? O problema amazônico é muito profundo e a solução ainda não foi encontrada, embora fosse fácil, se não existissem os interesses políticos e econômicos internacionais e a ganância.

    Então, na dúvida, é preferível que Amazônia fique conosco, que somos da mesma família. Não importa se somos nós quem cuidamos dela ou se é ela quem, de certa forma, cuida de nós. Pela lógica, teríamos de ser mais competentes. O que o poder público brasileiro precisa, é ter mais seriedade e atacar o problema de frente. Mas, lamentavelmente, o que se está vendo, por enquanto, é o inverso:
    Fazem uma propaganda enganosa para a nação e , por trás , tentam aprovar um projeto como o “Floresta Zero“, que pretende autorizar que 50% da Amazônia seja desmatada. Visitem o site do Greenpeace e comprovem!

    A questão está aberta e muita água ainda terá de rolar. Quanto a mim, ainda acho que o problema tem solução, sem perda da soberania nacional. Basta o Brasil se conscientizar disso, querer, e lutar por e para isso.

  • mgomide3 disse:

    O Administrador tem dúvida (procedente) quanto à finalidade de posse da Amazônia por estrangeiros. Seria para conservá-la em interesse próprio ou teria motivos econômicos? Quanto a intenções, ninguém é capaz de advinhá-las. Mas podemos deduzí-la, pelo menos para exercitar nossa capacidade racional. Em poder do Brasil, é certa a devastação, pois metade já se foi… Em poder dos norte-americanos haveria a possibilidade de sua manutenção tendo em vista seus próprios interesses de segurança. Devo esclarecer que o episódio do Pentágono, constante do meu livro “Agora ou Nunca Mais” é verdadeiro. Tenho documentos a respeito. Em consonância com o relatório do Pentágono, prevendo tragédia ecológica para os próximos 15 anos, é lícito concluir-se (ou pelo menos desconfiar) que tal organização militar, cuja competência inclui a segurança do país, esteja providenciando, sub-repticiamente, essa e outras medidas com o mesmo fim, isto é, segurnça dos EE.UU. Raciocinando com a cabeça deles, eles estão certos. Afinal, as palavras certo ou errado sempre são uma posição relativa. Essência do problema: o que nos interessa é a segurança do planeta, que é o assunto maior e abarca a Amazônia, a poluição, a tecnologia e tudo o mais, inclusive a própria Vida.

    uu

  • Administrator disse:

    Gomide, só mesmo um ambientalista estudioso e diligente como você é, poderia trazer a questão a esse nível que, sem dúvida, também tem de ser levado em conta.

    Mas é como eu disse: a questão ainda está aberta às discussões e muita água terá de rolar antes de decidir-se o que é melhor. Certeza, hoje, ninguém tem, enquanto as coisas ficarem como estão. Mas em havendo disposição de promover as mudanças necessárias, o enfoque da discussão passa a ser outro.

    Resumindo, diria a que o caso poderia ser colocado mais ou menos assim : ” Ou você (Brasil) toma conta dela (Amazônia) direito, ou vamos tomá-la de você e passar a gestão dos recursos e até a autonomia política da região para outro(s)”.

    Só que para se dar um ultimato, há também que se dar um prazo e esperar. E nem o ultimato nem o prazo foram dados ainda. Então, o que temos de fazer é correr e corrigir o que está errado, antes que chegue a esse ponto.

    É o que penso.

  • Yan Kavasi disse:

    Tenho andado um pouco ausente do blog, devido aos meus afazeres, passando mais no fórum “Debatendo a Ecologia…”, devido às minhas responsasabilidades como moderador de um dos fóruns.

    Alguns dos artigos lá publicados trouxeram-me de volta para aqui e resolvi prestar minha humilde colaboração nos 3 últimos mportantes tópicos levantados com relação aos problemas amazônicos. Não sabia por onde começar e, assim, escolhi este, por ser o mais antigo entre os 3 últimos. Mas pretendo comentar também os demais artigos e já aqui mesmo vou fazer algumas referências a eles.

    Primeiramente, notei que mais um importante soldado, RICARDO BENEDICTIS, aliou-se às nossas fileiras. E isso é bom, porque parecer ser também um aliado de peso. Que seja bem-vindo, mas que não se esqueça também que temos um fórum específico para assuntos ecológicos e que é a continuação deste blog. Se ele estiver lendo esse comenário, que esteja desde já convidado a visitar-nos lá.

    Quanto ao tema em discussão, não resta dúvida, pelo que o Ivo, o Gomide, o Antídio e o próprio Ricardo disseram, que a ameaça já é real HOJE. Apenas ainda não concretizou seus objetivos.

    Opino com o Ivo e o Ricardo: reconheçamos que o Brasil é irresponsável sim, tratando o assunto com descaso, sem dar-lhe a importância devida. Mas nem por isso, devemos merecer a punição de deixar que internacionalizem a Amazônia. Temos é de corrigir o rumo e lutar por ela.

    Se permitíssimos a internacinalização, estaríamos concordando em sermos punidos sozinhos, deixando impunes os outros países que já fizeram o mesmo que nós e que quase já não podem mais reverter a situação.

    Nós, pelo menos, ainda temos tempo. Mas precisamos lutar e mudar a nossa política em relação à Amazônia, senão o pior poderá mesmo acontecer, justa ou injustamente. Mas vai acontecer,se permitirmos.

  • Antidio Teixeira disse:

    Yan:
    O seu retorno é uma alegria para todos nós com o prenchimento de sua lacuna no blog. Amplia a nossa esperança de sucesso na nossa meta de preservação ambiental agora reforçado pela pesada adesão do RICARDO. Parabéns aos dois.
    Antídio

  • SempreAlerta disse:

    Li os artigos e os comentários e fiquei preocupada. Também vi isso em alguns outros blogs que visito.

    Pelos comentários, a impressão que dá é que existe uma bomba armada contra o Brasil e alguém com o dedo no detonador. Só falta saber quem é e quando vão puxar. Tomara que nunca tenham a oportunidade.

  • Yan Kavasi disse:

    Obrigado pela deferência, Antídio. Não sei se você se recorda, mas fui dos primeiros colaboradores deste interessante blog e até assumi uma missão de moderador no fórum Debatendo a Ecologia, por deferência do administrador, quando o Gomide não pôde aceitar a missão.

    Mas reconheço que tenho sido um pouco omisso, não por desejar, mas por conta dos meus afazeres que se avolumaram. Influiu também um pouco de descrença na vontade dos nossos políticos e nas nossas autoridades. E cito um exemplo recente: A operação “arco de fogo”, apreendeu uma carga de madeira ilegal de um madeireiro, na Amazônia, fechou a sua madeireira e levou-o preso para a delegacia para responder processo por “crime ambiental” (ele já era reincidente).
    Na serraria, mecanizada, toras e toras de madeira ilegal, já separadas em lotes para comercialização, também foram apreendidas e, inclusive, fotografadas para caracterizar a prova do crime.

    Pois bem, ele prestou o seu depoimento, foi solto no mesmo dia, vai responder ao processo em liberdade e a polícia ainda lhe ofereceu cafezinho. Depois disso, ele saiu sorridente e ainda com um copinho de café na mão.

    Como não perder as esperanças? Provavelmente, ele vai contratar um bom advogado, talvez pagar uma multa, perder a carga e ser advertido, e nada mais. Em breve, ele estará fazendo a mesma coisa, em outro lugar, mas ainda dentro da mesma Amazônia. Dá pára confiar na seriedade das autoridades brasileiras?

    Por coisas desse tipo, querem tomar-nos a Amazônia – porque não tratamos os problemas daquela região com seriedade. Mas de quem é a culpa? É ou não para refletir e mudar o comportamento, antes que seja tarde?

  • Antidio Teixeira disse:

    Yan:
    Seu desânimo é justificável diante da desonestidade inserida em nossa cultura pelos colonizadores. A filosofia sempre foi pregar uma moralidade suprema de fachada, e proceder de forma vil. Isso acontece não só no nosso país, mas em todos em que o desenvolvimento cultural foi orientado pelos colonizadores. A diferença é que nos países que se tornaram ricos usando esta tática para usurpar as riquezas de suas colônias este “status” era mantido com os resultados de suas pilhagens. Mas, os preços econômicos que eles já estão pagando causado pelo desquilíbrio climático que vem afetando sua produtividade agrícola, assim como as intempéries responsáveis por sérios prejuízos urbanos contaminam suas economias e afetando, também, a que foi globalizada. É hora dos países tropicais estarem unidos para dar a eles o pão, sem, no entanto, perder a soberania.
    Cordial abraço e desculpe-me se não concordar com minhas conclusões.
    Antídio

  • Yan Kavasi disse:

    Não há como não concordar com você, Antídio, e também com o que disse o Ricardo. É isso mesmo. Eles devastaram suas florestas lá e agora avançam sobre as nossas , com o pretenso argumento de que a Amazônia é de vital importância para o equilíbrio do clima no planeta.

    Claro que, como diz o Gomide, com o seu outro ângulo de visão um pouco mais radical e desesperançado, temos de olhar e pensar no planeta como um todo e aí, pensar na amazônia como não apenas nossa, mas pertencente a esse planeta. Até aí, concordo. Mas por que entregar a administração dela aos estrangeiros? Apenas pela nossa ATUAL incapacidade? Se o problema é esse, troquem-se as pessoas incompetentes, mude-se a política ambiental e crie-se vergonha na cara, para não sermos vistos, no exterior, como irresponsáveis e incapazes de administrar uma região com as riquezas, dimensões e potencialidades da amazônia legal, aproximadamente, 1/3 do território nacional.

    Gostaria muito que o Gomide voltasse aqui e justificasse melhor as suas teorias. Seria muito importante para o debate.

  • Alice disse:

    Todos sabemos, pela mídia nacional e internacional, ser verdade que o empresário sueco a que se referiu o Sr. Benedictis é realmente dono, sozinho, de 160 mil hectares de terras na Amazônia. O que a Imprensa nem o Governo explicam é como é que ele conseguiu isso.

    Ora, se um consegue, reunindo-se uma meia dúzia de sócios desse porte ou maior e se os critérios usados forem os mesmo, não é de se estranhar que possam comprar toda a amazônia. Que absurdo é esse? Se alguém souber, que explique, por favor, porque a Imprensa, ao que sei, só está trabalhando com hipóteses. Será que é tão difícil assim apurar-se a verdade? Ou será que essas são “informações protegidas”? Protegidas com que intenções?

    O povo brasileiro e o mundo precisam conhecer a verdade. Por que o Governo, mesmo sabendo que o assunto está na mídia internacional, não se explica? Não é esquisito isso?

  • erony disse:

    Continuaremos de bracos cruzados?
    Sendo assim, a invazao estrangeira eh inevitavel, amigo !!!

    O povo deve sair as ruas, exigindo uma urgente e drastica medida, para salva o nosso patrimonio, que eh o pulmao do planeta terra.
    Abracos cordiais.

Deixe uma resposta