BíbliaÉ certo que "quase" todas as regras têm as suas exceções e isto é ponto pacífico. Por exemplo, se eu disser: "a regra nascer, viver e morrer" não admite exceções", aparecerá alguém para dizer "É, mas você pode morrer antes de nascer ou ser um nati-morto que nasceu e morreu sem viver". Aí, querendo me defender eu poderia retrucar: "Ok, então a regra tudo que é vivo morre, esta não admite exceção". Ainda assim, apareceria alguém para dizer "Morre não, se transforma", segundo Lavoisier. Se eu, supondo que fosse dar um golpe mortal, dissesse: "Tá bom, tá bom, mas 2 mais 2 são 4 e esta regra não admite exceção",com certeza alguém rebateria: "Depende. Isto é apenas uma convenção matemática, aplicada ao sistema numérico decimal. Em outros…" E a discussão iria longe.

Vemos que estamos dentro de uma discussão filosófica onde eu, já p. da vida, diria: "Se você não for uma múmia, estiver vivo, sem camisa, e um assaltante lhe enfiar metade de um facão na barriga você sangra", acho que esta regra não admite exceção, certo? Talvez, aí, eu conseguisse calar as pessoas.

Então, só para argumentar, vamos admitir como verdadeira a afirmação "Quase todas as regras têm exceção". Vamos admitir também , e como conseqüência, que a maioria nem sempre tem razão. Pronto! Até aqui, pelo menos, já chegamos a um acordo. Agora vamos ao tema deste artigo:

Sem citar as fontes, por ser irrelevante ao caso e porque são muitas, estudos ( o mais técnico o dos americanos) demonstram que as pessoas não gostam de ler a Bíblia em letras pequenas e que o tempo médio que levariam para ler a Bíblia inteira, com reflexão mediana, do Gênesis ao Apocalipse – se lessem 3 páginas por dia, ininterruptamente e sem dias de descanso – seria de 360 dias, ou 1 ano, arredondando. Provaram também que o tempo mínimo para ler a Bíblia, […] apenas pausadamente, para uma pessoa obstinada e com um plano de leitura, seria de 90 dias, desde que, lesse 12 páginas por dia, sem dias de folga, e com letras grandes. Note-se que as pesquisas se referem a leituras sem exegeses, porque o tempo destas seria muito variável, dependendo do grau de profundidade onde se pretendesse chegar. Você conhece alguém que tenha conseguido essa façanha? Possivelmente, por "dever de ofício", e apenas por isso, algumas poucas pessoas devem tê-lo feito. Mas o mortal comum?… Não ponho a minha mão no fogo nem pelo Papa.

Quanto a mim, lembro-me que da primeira vez que me dispuz a ler a Bíblia inteira, mas sem método algum, levei 3 anos. Depois, muito depois, retornava e passava a ler de novo, tentando entender melhor e interpretando somente as passagens sobre as quais tinha dúvida ou que me chamavam a atenção. Continuei fazendo isso até recentemente, porque sobre quase todas as partes eu tinha dúvidas que me enlouqueciam e ninguém respondia. Nem aqueles que, teoricamente, deveriam saber respondê-las.

Daí, resolvi fazer um teste entre os amigos religiosos, crentes e alguns de seus líderes – sem as pessoas saberem – e vi que não eram só as pessoas comuns que não tinham lido a Bíblia inteira e não sabiam explicá-las, mas também fiéis de várias correntes religiosas, padres, pastores, "bispos", obreiros, apóstolos, missionários, "Testemunhas de Jeová", etc. Percebi claramente que aquelas pessoas mentiam quando eu lhes aplicava alguns testes, discreta e sub-repticiamente. Mas uma coisa havia em comum entre elas: todos acreditavam fervorosamente em Deus, Cristo, na Bíblia e nos Evangelhos.

Quando, no fim, eu abandonava a discrição e começava a apontar as contradições bíblicas, dizendo não acreditar, elas me aconselhavam: " Aleluia! Sem você saber, Jesus já começou a te tocar, mostrando o caminho das escrituras. Abra o teu coração para Jesus! Leia e estude a Bíblia e Ele se revelará." Com pequenas variações, era sempre mais ou menos isto o que me diziam.

Curiosamente, a maioria dos ateus, céticos e agnósticos, quando procedi da mesma forma, também não tinham lido a Bíblia inteira, mas certamente tinham lido muito mais e revelavam um conhecimento bem maior do que os do outro grupo . Eles também me aconselhavam a estudar os livros sagrados e até outros, só que no sentido inverso: para detectar as mentiras e contradições bíblicas e poder defender-se dos seus detratores, que sempre vão existir. O argumento dos religiosos é que os céticos e os sem-fé não conhecem ou não entendem a "palavra de Deus". Não só participei, como assisti a alguns debates entre esses grupos e, adivinhem quem revelou maior conhecimento?

Percebi nessas discussões e também em tudo que pacientemente pesquisei, que da Bíblia e dos Evangelhos, pode-se dizer com certeza apenas que são livros escritos "aproximadamente" entre os anos 1250 aC e 100 dC, refletindo uma coleção de mitos e lendas sem valor histórico, não se sabendo quantos nem quem são os seus verdadeiros autores. Aliás, sobre autoria e os pretensos "milagres" de Cristo é onde reinam as maiores controvérsias. Nem mesmo dos 4 evangelhos aceitos pela Igreja, os 3 sinóticos mais o de João (de João?), pode-se dizer com certeza de quem é a autoria. Talvez nem Sua Santidade, o Papa, saiba. Por isso a Igreja, malandra e cuidadosamente os denomina "Evangelho segundo…". Tudo nesse terreno é hipotético, nebuloso, duvidoso.

 Os críticos e estudiosos, ao se referirem à Bíblia têm por tempos verbais mais empregados o futuro do pretérito (poderia, teria, seria, etc) e o futuro do presente composto (teria sido, teria louvado, teria nascido, etc). Os advérbios e locuções (provavelmente, supostamente, aparentemente, talvez, por volta de, por certo, quem sabe, etc,) também são profusamente empregados. Por quê? Dificuldade de se comprovar pelo decurso de dois mil anos? Certamente que não. Sócrates, falecido em 399 aC, tem uma história de vida muito parecida com a de Cristo, em alguns pontos: "pregava para seus discípulos ao ar livre, nada deixou por escrito, foi condenado por um tribunal em Atenas (Grécia) e morto por se recusar a abdicar de suas idéias".  No entanto, ninguém duvida de sua existência nem dos seus pensamentos, imortalizados por seus discípulos. Filósofos de antes da era Cristã (Confúcio, Aristóteles, Platão e tantos outros) têm a autoria de seus textos confirmados. Por que não os dos textos "sagrados"? Ah, é porque foram feitos por muitas mãos, diriam, mesmo sem saber de quem eram as mãos. Mas e os dos Evangelhos? Atribui-se um para cada suposto autor, só que não se tem certeza se cada um deles é o verdadeiro autor. Datas? Outra confusão. Mais uma vez: Por quê?

Diante disto (e sem citar minhas inúmeras outras justificadas razões, que serão motivo para outro artigo), criei minha própria (IR)RELIGIÃO e certa ou erradamente, cheguei à seguinte conclusão:

"Afora os estudiosos por "dever de ofício" (exegetas, cientistas e historiadores, por exemplo) ou por opção, como os filósofos, autodidatas, ateus, agnósticos, racionalistas e céticos em geral, as pessoas só lêem na Bíblia aquilo que lhes interessa, seja por preguiça mental, por incapacidade de compreender ou, o que é mais provável, para não pôr em dúvida a sua fé. O árduo trabalho da exegeses bíblica é deixado para seus líderes religiosos que, por sua vez, também só lêem as partes que lhes interessam. E assim todos se enganam e enganam a todos."

Falei e disse, se acertei, não sei. E vocês o que acham? Vão me chamar de herege, ateu, desinformado, possuído por Satanás? Já nem ligo mais.

Ivo S G Reis
Publicado no Recanto das Letras em 03/04/2008 Código do texto: T929375
 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mencionar: Autor original: Ivo S. G. Reis; fonte: Recanto das Letras – Site do Autor – http://www.ivosgreis.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

 

 

Technorati : , , , , , , , ,

Talvez você também se interesse por estes artigos correlatos:

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

39 Comentários

  • mgomide3 disse:

    Prezado Ivo,
    Você, com segurança e conhecimento do assunto, nos deu uma bela aula de construção racional. Mostrou que uma mente independente, isto é, que usa a razão para deduzir conhecimento lógico, está bem defendida das mentiras, tolices e espertezas dos que querem se apoderar das almas dos indolentes. Você não construiu uma irreligião; mais que isso, você apontou o caminho correto da vida humana e valorizou mais ainda essa ferramenta tão desprezada pelo vulgo: a razão. Implicitamente, contém seu artigo um apelo para que seja exorcizada da massa cinzenta o satanáz da preguiça, libertando-a para o exercício pleno de suas prerrogativas, entre as quais a de ouvir a palavra divina que, por natureza, se manifesta na linguagem do raciocínio.
    Oxalá as escolas ensinassem as crianças, desde o primeiro ano, a ler, escrever e pensar. Esse tripé constitui a base onde se assentará, no correr dos anos, todo o patrimônio de conhecimento do individuo.
    Com esse artigo, subiram mais um degrau a seriedade e a qualificação do DDD.

  • gean sharlys magalhaes ribeiro disse:

    Se vc, não acrtedita nas sagradas escrituras que estão aí por váris anos e nos ajudam espiritualmente, que foram escritas por aqueles que tiveram junto a Jesus…Como eu acreditaria em vc?Nem seu nome inteiro vc colocou.Fique com Deus.

  • Administrator disse:

    Gean:

    Não peço que ninguém acredite em mim, até porque não sou teólogo e nem nenhuma autoridade nesses assuntos. Manifestei apenas a minha opinião pessoal e convidei as pessoas a refletirem um pouco mais, antes de acreditarem em tudo que as religiões lhes dizem. A intenção foi a de ajudar, “dar uma chacoalhada nas pessoas”.

    Quanto ao que você alega, quem disse ou provou que os evangelhos foram escritos por pessoas que estiveram junto a Jesus? Não se pode provar nem a autoria deles!… Ademais, eles “teriam sido escritos” todos depois do ano 50 dC e apenas um deles, o de Marcos, poderia ter sido referente às narrativas orais de Pedro, contemporâneo de Cristo. Mas isto é apenas uma suposição.

    O fato de as escrituras serem antigas não nos obriga a acreditar nelas. Se assim fosse, lendas e mitologias muito mais antigas do que a Bíblia teriam todas de ser verdadeiras só porque mais antigas? Reflita amigo, reflita!

    Gomide:

    Em verdade, não conheço as suas convicções religiosas, mas conheço a sua sensatez e inteligência. Sabia que compreenderia o que pretendi dizer. Suponho (com muito pouca certeza) que você creia em Deus. Mas se crê, certamente, não será aquele Deus bíblico, estou certo?

  • mgomide3 disse:

    Caro Ivo,
    No meu livro “Nas Pegadas da Vida”, de seu conhecimento, a primeira parte é dedicada inteiramente ao tema “Deus”, onde desenvolvo todo meu raciocínio a respeito. A releitura daquele capítulo esclarecerá sua dúvida. Estou, no entanto, a seu inteiro dispor para prestar melhores esclarecimentos sobre qualquer parte do livro.

  • Administrator disse:

    Meu bom e culto Gomide:

    Li seu excelente livro citado (embora tenha gostado mais do “Agora ou nunca mais”) já faz alguns meses e recordo-me que numa das partes iniciais – não lembro a página – você dizia que nem os dicionários ou teólogos conseguem definir claramente o que seja Deus. Ora, se nem eles conseguem, como pretende a Bíblia, com aquela redação absurda, defini-Lo e explicá-Lo?

    Perdoe, amigo, não pretendia discutir esse assunto neste artigo e dessa forma, mas agora, preciso saber e gostaria que você me respondesse taxativamente, sem escapismos, na lata, à pergunta:
    “Você acredita no Deus bíblico? Se não, em qual você acredita?”

    Se você não se sentir à vontade para responder, não responda. É apenas uma curiosidade minha. Outra coisa: você fala na definição de Deus como uma definição com “sabor agnóstico”. Para mim, com sabor agnóstico é sem convicção, isto é: “pode ser ou não ser e enquanto não provado não é”. Estou certo?

    Clareie isso, para mim e para os outros. Mas isso só se achar pertinente e conveniente, é claro.

    Obrigado pela atenção!

  • Erony MichelleHaydee disse:

    Interessante os comentarios acima. O que da o colorido eh a diversidade de ideias e opinioes.

    Minha impressao mais tocante da biblia, consiste no fato de voce encontrar como 340 vezes a palavra sangue, e, apenas 19 vezes a palavra amor.

    Com excessao de Pastores e fanaticos religiosos, raro eh o individuo que se darah o trabalho de le-la por completo.

    Eh um velho livro cansativo, violento e impostor.

    Para aguentar sua leitura completa, tem que possuir um cerebro lavado na infancia.
    Uma mente normal [que tem auto-dominio], NAO AGUENTA.

    Este eh o meu “debut” nesse maravilhoso BLOG.
    Saudacoes a todos.

    [Meu teclado nao tem “c” cedilhado nem acentuacao].

  • Obrigado, Erony. Até que enfim você apareceu.

    Como usuária “top” do Y!R, categoria “Religião e Espiritualidade“, este blog está aberto para você, inclusive, se desejar, para publicar artigos. Já conheço suas idéias e acho-as interessantes.

    Existem algumas pequenas diferenças (talvez para melhor) entre este blog e o nosso grupo de discussões no Y!R. A principal é que aqui você pode publicar seu artigo sem limitação de espaço, fazer críticas religiosas e ninguém irá excluí-lo. Aqui, até os crentes normais e os fanáticos podem emitir suas opiniões, pois nosso objetivo é o debate.

    As únicas coisas que pedimos são: 1) Que se evite, se possível, o excesso no uso da linguagem “internetês” (naum, nahun, vc, pq, bjs, bjim, eh, etc.), salvo se estritamente necessário; 2) que se procure observar, o quanto possível, as normas ortográficas, sem entretanto, usar toda a sua rigidez; 3) que se evitem as ofensas pessoais e excessos de palavrões pesados; 4) que ao se publicar citações de terceiros, seja indicada a autoria original e mencionada(s) a(s) fonte(s).

    Mas não se preocupe, Erony. No seu caso, como reside em Houston, no Texas, e usa um computador com teclado americano (sem “ç”, til e acentos) saberemos relevar seu internetês e o uso do “eh” e outras adaptações.

    No mais, aqui você poderá falar à vontade.

  • Andréia disse:

    Olá Ivo,

    Concordo com sua posição em relação a Bíblia…
    Gostaria de expor uma idéia, quando fazemos a pergunta: quem escreveu a Bíblia? uma das primeiras respostas é q foi escrita por inspiração divina ( Deus escolhe os “profetas puros de coração” e os passa mentalmente o que Ele quer que seja repassado adiante) tá, mas isso é fácil para os evangélicos e católicos acreditarem porque os convém. Porém os livros espíritas escritos por psicografia (uma pessoa com muita “sensibilidade de espírito” recebe informações de um espírito e também repassa adiante) não é aceito pelos mesmos e é tratado até com bastante preconceito…
    As pessoas ficam indignadas quando alguém diz não acreditar em Deus, ou na própria Bíblia, mas não querem o mesmo comportamento quando o contrário acontece… preferem acreditar e temer algo que nem sabem se existe realmente.
    Vamos pensar a estórinha de Noé, quem concorda que foi ele quem descobriu os continentes??? Claro pois ele teve de ir à Austrália buscar um canguru, ao Pólo Norte buscar os ursos polares e assim por diante, aff ele andou demais pra salvar os animais…
    Penso que a religião existe para dominar a sociedade, e consegue fazer isso de tal maneira que deixa as pessoas cegas. Por um lado é bom, pois quem teme, não vai matar, roubar e assim por diante… a não ser que ele seja mais inteligente e pense conforme a Bíbli fala: “Até o último momento quem se arrepender será salvo”, daí então ele vai fazer muita merda até procurar a salvação, não é à toa que a Igreja vive lotada de gente assim… falam tanto em Deus e ficam ao lado dos que mentem, roubam e matam em nome de Deus. Errados somos nós por não acreditar ou não se deixar dominar e alienar por eles… vai entender!

  • Alice disse:

    Oi, gente, voltei. E desta vez contente por ver que, finalmente, resolveram atender aos meus pedidos e discutir também outros assuntos e não apenas ecologia e meio ambiente. Nada contra esses assuntos, porque também gosto deles. Mas estava sentindo falta de assuntos na área de Filosofia e Religião e percebi que o blog já intorduziu várias inovações nessas áreas e novos artigos. Parabéns!

    No que se refere às discussões deste artigo, concordo com o administrador e com essa colega aí de cima. Não há como acreditar na Bíblia e ela está sendo usada indevidamente pelos mercadores da fé (os Silas Malafaia, Edir Macedo e tantos outros “intermediários de Deus”). PQP, como podem as pessoas acreditar nessas caras? Será que existe mesmo tanta gente burra assim? Desculpem, sei que a administração deste blog não gosta do uso de palavrões nem ofensas pessoais e, por isso, estou me policiando. Mas no caso em tela, não pude me conter. É burrice mesmo. Se quisermos usar um eufemismo, o máximo que poderíamos dizer é que é ingenuidade.

    Não vem ao caso. Por burrice ou ingenuidade, as pessoas estão sendo enganadas pelas suas igrejas e principalmente pelos pastores evangélicos e isso chega a ser muito perigoso.

  • mgomide3 disse:

    Caro Ivo,
    Você deseja saber claramente, na “lata”, minha opinião sobre Deus, perguntando: ”você acredita no Deus bíblico? Se não, em qual você acredita?”. Passo a responder a essa parte. Tenho por mim que “acreditar” situa-se nos domínios da “fé”. Nesse sentido, você já conhece meu pensamento. Logo, o Deus bíblico deve ser analisado sob o olhar crítico da razão. Ora, esse Deus, descrito como feito à nossa imagem e semelhança, isto é, identificado segundo critérios humanos, não consegue ultrapassar o primeiro degrau da razão. É uma fantasia criada por místicos para dar sustentação a uma prédica religiosa que, no fundo, se destina a captar o domínio sobre mentes inertes. Dessa forma, caio na segunda pergunta: “Se não, em qual você acredita?”. Do jeito que está formulada, a resposta cairia também na área da fé, porque não se trata de acreditar ou não acreditar. Mas me orientando pela intenção da pergunta, que é saber minha idéia de Deus, devo prosseguir procurando dar resposta satisfatória. Aristóteles, o maior pensador da antiguidade, já ensinava que Deus é um “motor imóvel”. E fez um esforço enorme para explicar esse paradoxo, concluindo que Deus é um ato puro, pensamento do pensamento. Por quê? Porque ele chegou a um ponto sem explicação. Esclareço melhor. Tudo no universo é efeito de alguma causa, deixando no registro temporal um rosário de contas infinitas, construído de causas e efeitos. Então fazemos a seguinte pergunta: qual foi a primeira causa? O raciocínio humano é incapaz de identificar essa primeira causa. É a essa primordial causa, fora de nossa capacidade mental, que chamo de Deus. Para melhor identificar esse ponto inicial do Universo, no mencionado livro “Nas pegadas da Vida”, faço uma comparação de Deus com o Infinito que apresentam ambos os mesmos limites para compreensão. Você pergunta em qual? No meu entender, só há um Deus – sem a concepção de individual ou coletivo –, isto é, só há uma Causa Inicial, cuja natureza é inalcançável pelo raciocínio. E, por ser inalcançável mas perceptível, é que os espertinhos da vida estão ganhando os 40 dinheiros de Judas multiplicado diariamente desde há 2.008 anos. Alguém que faça as contas.
    Agora vamos à outra parte: você deseja esclarecimento sobre minha definição de Deus com “sabor agnóstico”. Na verdade, como pode ser verificado pelo contexto no livro, na tentativa de transmitir ao leitor o que seria Deus (desde que não é identificável), dei-lhe diversos nomes, tais como a Razão, a Causa, o Sentido, a Essência, a Origem, a Justificativa, a Força. Acrescentei que Ele é inidentificável, citando a incongruência do “sabor agnóstico”. Disse ainda, na ocasião, que Deus é a Causa Suprema escondida (se está escondida, não existe para nossa percepção). Mas arremato confirmando que a existência dessa Causa Primordial é conjectural ante a existência da Vida. Fazendo um resumo: a) Deus bíblico é fantasia; b) para mim, existe uma causa primordial lógica, a que se pode chamar por qualquer nome, inclusive Deus; c) está fora da capacidade mental a concepção da identidade dessa causa inicial.
    Como você há de convir, o assunto dá guarida a uma imensidão de abordagens. No livro, consignei apenas uma síntese do meu pensamento. Falar sobre o livro me dá imenso prazer. Se não fui ainda explícito sobre o assunto, fico à sua disposição para melhor esclarecimento.

  • Administrator disse:

    Foi sim, Gomide, e brilhantemente, como esperava. E a sua maneira de encarar e tentar explicar esse assunto não é muito diferente da minha. Creia, amigo, fiquei arrepiado com a clareza da sua visão. No campo da Filosofia, diria que você teve uma visão racionalista sobre a questão, como, aliás, convém.

    Como você sabe, gosto muito de Filosofia (se tiver tempo, talvez ainda venha a fazer uma Faculdade de Filosofia, apenas por diletantismo). Pois bem, percebi em minhas leituras que um grande número de filósofos têm, sobre Deus, ou uma visão agnóstica ou racionalista ou totalmente cética, referindo-me aos filósofos mais respeitados, obviamente.

    Tirando fora a dos agnósticos, porque ficam meio que em cima do muro, diria que esses filósofos – e resumindo o que você disse, concordando com eles – dizem que tudo que sabemos sobre Deus é exatamente o que não sabemos. Ou seja, “Deus começa a existir quando a Humanidade e a Ciência, principalmente, esgotam todos os recursos para explicar o inexplicável. Então, se não pode ser explicado nem comprovado, não existe.

    Aí, vem o agnóstico – aquele que tinha ficado de fora – e diz: “Eu não avisei que vocês não iriam chegar a nenhuma conclusão? Portanto, eu é quem estou certo: não digo nem que existe nem que não existe. Mas até prova em contrário, para mim ele não existe e ponto final. Se quiserem que eu creia, provem que Ele existe e mudo de opinião rapidinho”.

    É isso. Enquanto não sabemos e nada provamos, não podemos afirmar TAXATIVAMENTE que Deus existe, como o fazem as religiões, inclusive, dando falsas provas da sua existência. É contra isso que me bato, porque acho desonesto para com aqueles que desejam e precisam crer, mormente quando ainda têm que pagar “dízimos” e contribuições para ter a atenção de Deus. Se nem se sabe se Ele existe, como poderia nomear secretários e prepostos aqui na Terra? Quem disse para o Papa, para o Edir Macedo, para o RR Soares, para o casa Hernandez, para o Silas Malafaia, para citar só alguns, que eles eram os representantes de Deus?

    Uma coisa eu afirmo, sem medo das críticas: “Deus, se algum dia conseguirem provar que Ele existe, certamente não será aquele descrito na Bíblia. Se for, eu me recuso a aceitá-Lo e estou pronto a assumir os riscos da minha posição, a menos que Ele me convença que eu estou errado e me faça mudar de idéia”. Do jeito que Ele se apresenta no seu livro, quem sabe, talvez com uma maldadezinha aqui, uma vingancinha lá, uma torturazinha…  

     

  • veni disse:

    este é o pior site que ja vi uma bagunça visual horrível.

    louco se esta noite pedirem a tua alma o que tens preparado e para quem será?

    a bíblia é o livro da verdade absoluta queira voce ou nao
    tudo o que esta nela se cumpriu e se cumprirá ate a consumaçao dos séculos.
    arrependam-se e creiam no evangelho! antes que seja tarde.

    está dado o meu recado

  • Administrator disse:

    Veni:

    Apesar do que vc pensa, somos um blog imparcial e democrático, acolhendo todos os tipos de opiniões: as que nos são favoráveis e as que não são e até nos detratam, como a sua. Isso é informação democrática. Isso é debate. Isso é ser justo.

    Reflita! Se, por acaso, vc não tiver argumentos para debater (muitos não têm), limite-se a ler e aprender. Mas evite xingar os que não compartilham com os seus pontos-de-vista, principalmente, por escrito.

    Mesmo que seja para discordar – e desde que não xingue nem faça ofensas pessoais a ninguém – as portas continuam abertas para você.

  • Kibom33 disse:

    Para Veni

    Quando não concordamos com o ponto de vista de alguem, o maximo que possamos fazer é argumentar o nosso, então vamos lá:
    voce disse:
    a bíblia é o livro da verdade absoluta queira voce ou nao
    tudo o que esta nela se cumpriu e se cumprirá ate a consumaçao dos séculos.
    Para chegar a essa conclusão vc. deve ter lido ela toda, portanto não preciso citar os cp. e nem os vs. ok.
    – O mundo tem 6.000 anos ok.
    – No mundo existe dragões e outros animais jamais visto, ok.
    – Morcegos são aves e insetos tem 4 patas, ok.
    – As plantas passaram a existir antes de existir o sol
    – Deus cria a noite e o dia, e depois o sol e a lua
    – As estrelas cairão sobre a terra, e depois jesus irá instituir seu reino na terra ( como se sobrasse alguma coisa ).
    – Sem contar que o sol gira ao redor da terra, a terra é plana, etc. etc. etc.
    Por favor estamos no século XXI, caia na real

  • andre disse:

    oi pessoal sempre eu entro nesses fóruns que tentam desmentir a bíblia porém em todos eles eu encontro um obstáculo: falta de referencia, quero dizer se a bíblia tem contradições mostre-as com referencia por favor por que o último texto comentado não tem nenhum embasamento bíblico.
    obrigado e espero resposta!

  • KLEBER RAMÍREZ disse:

    Tem que se respeitar a opinião da pessoas, mesmo não concordando com elas.
    Vocês já me conhecem, vou ser breve e dizer o que eu vejo no entedimento do homem.
    Narrei alguns fatos que aconteceram na minha vida e de minha família. Comoveram bastante pessoas. Mas o que eu observei é que elas tentaram, sem resultado, me convencer de que O Deus da bíblia e a sua Palavra não tem veracidade.
    Dizem os inteligentes que quando existe fato, não existem argumentos.
    Taí uma prova deste fato.
    Me convencer que o DEUS da Bíblia e a bíblia não tem veracidade, chegou no vôo atrasado.
    Eu vivo este relacionamento com Deus e sua palavra (Bíblia).
    comecem a crer nela e Cristo te esclarecerá.
    Obrigado.
    O parte da nossa vida está descrito no ítem 1 deste blog. Vida de Jesus, coleções de mitos e religiões.
    Kleber Ramírez

  • Kibom33 disse:

    Para: André

    Não citei as passagens da bíblia propositalmente, porque a pessoa que a defendia dizia “é o livro da verdade absoluta”, e como sei que a maioria dos crentes não são leitores dela, está ai a grande prova, tudo que foi mencionado esta nessa bíblia que vocês mantém em suas casas por ornamentação, não deveria mas vou ajuda-los:
    – O mundo tem 6.000 anos ok.
    Já que voces tem “preguiça”em leitura, vejam qualquer contra capa de uma bíblia considerada descente.
    – No mundo existe dragões e outros animais jamais visto, ok.
    “Ainda que nos quebrantaste num lugar de DRAGÕES, e nos cobriste com a sombra da morte.” (Salmos 44 : 19)
    – Morcegos são aves e insetos têm 4 patas, ok.
    “E a cegonha, a garça segundo a sua espécie, e a poupa, e o morcego”
    “Todo o inseto que voa, que anda sobre quatro pés, será para vós uma abominação.” (Levítico 11:19-20 )
    – As plantas passaram a existir antes de existir o sol
    “E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente está nela sobre a terra; e assim foi.(Gênesis 1:11 )
    “E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas”.(Gênesis 11:16 )
    – Deus cria a noite e o dia, e depois o sol e a lua
    “E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro”. (Gênesis 1:5 )
    “E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas”.(Gênesis 11:16 )
    – As estrelas cairão sobre a terra, e depois jesus irá instituir seu reino na terra ( como se sobrasse alguma coisa ).
    “E as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte.” (Apocalipse 6 : 13)
    – Sem contar que o sol gira ao redor da terra, a terra é plana,
    “E o sol se deteve, e a lua parou, até que o povo se vingou de seus inimigos. Isto não está escrito no livro de Jasher? O sol, pois, se deteve no meio do céu, e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro.” (Josué 10 : 13)
    “Marcou um limite sobre a superfície das águas em redor, até aos confins da luz e das trevas.” (Jó 26 : 10)
    Está ai André a sua resposta,e não diga que não tem embasamento bíblico. Não somos como os crentes que acreditam por acreditar, voces que não conhecem da bíblia e saem pelas ruas achando que encontram a verdade e sabem tudo, e estão acima de todos.

  • Kibom33 disse:

    Para: KLEBER RAMIREZ

    Voce dizer que o fato de eu não ter colocado as referências bíblicas é uma prova que ela é a verdade chego a duvidar de seu entendimento, ou no minimo apelativo, leia o texto anterior, e ensine seu amigo aí a não falar tanta besteira em tão poucas linhas.
    Realmente fiquei comovido pela sua narrativa sobre seu testemunho, como fico cm todas as pessoas que passam dificuldades, mas o que mais me comove é no que voce acredita, imaginando algo cair do céu, motivo esse que procurei desperta-lo para algo muito maior que são atitudes as quais eu, voce devemos nortea-las em nosso dia a dia.

  • ivan carlos disse:

    para o adm

    aceitar crente em debate, é a mesma coisa que dar bom dia a cavalo….

  • ivan carlos disse:

    o Deus dos crentes é aquele;
    Falava o Senhor a Moisés face a face como qualquer fala a seu
    amigo; (Ex 33: 11a) e, logo a seguir em Ex 33: 20 : E acrescentou:
    Não me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a
    minha face, e viverá. QUEM MENTIU, O DEUS DESCRITO OU A
    BÍBLIA?
    Eu formo a luz, e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu o
    senhor, faço todas estas coisas. (Is 45: 7); em I João 4: 8 : Aquele
    que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. REPETE-SE
    O QUESTIONAMENTO ACIMA.
    E vai por aí afora: Prometer terra que já pertencia a outrem…
    salvar um bêbado, injusto (amaldiçoou o próprio neto) do dilúvio…
    o engodo de Rebeca….de Jacob. Será que esse Deus é favorável
    a falcatruas?
    Vou parar por aqui. Se quiserem mais é só pedir, estudei bastante
    a Bíblia. Ao contrário de muitos crentes de qualquer religião.

  • Administrator disse:

    É isso aí, Ivan. A Bíblia é um repositório de absurdos e contradições. E ainda assim, o fanatismo dos crentes os cega de tal maneira que se recusam a enxergar isto.

    O pior é que quando alguém lhes mostra essas contradições eles dizem que nós é que não sabemos interpretar a Bíblia, que não se pode tomar os escritos ao pé da letra, que a linguagem é metafórica, etc., etc. Procure os últimos comentários do artigo “Vida de Jesus… Coleções de lendas e mitos de antigas religiões anteriores ao Cristo bíblico” e veja os questionamentos que colocamos e as respostas de um crente fervorosos quanto a isso.

    Obrigado pela participação. Volte sempre!

  • ivan carlos disse:

    ADM

    NÃO ESTOU CONSEGUINDO ACESSAR “VIDA DE JESUS….”.
    O QUE ESTÁ HAVENDO?

    UM ABRAÇO.

  • fredy disse:

    hello, thanks authors. good post. I agreed with commenter

  • Eurico Oliveira disse:

    Aconselho veemente a verem no GOOGLE os documentários (edição final e o adendo) do ZEITGEIST

  • Allan Santana disse:

    Concordo plenamente contigo a respeito sobre veracidade..
    Nada foi comprovado e realmente há muitas controvérsias..

    Agora um ponto interessante:
    Eles dizem que existe livre-arbitrio, porém nem eles respeitam o proprio conteudo da biblia e tentam impor de todo jeito isso na sua cabeça.
    Digo isso porque vivo isso em casa. Sou ateu e meus pais tentam me impor isso a todo custo. Eles me obrigaram ir à igreja, mas ir pra que? se eles copiam musicas de pagode, rock, agora só falta samba cristao..
    É um insulto aos estilos musicais, já que na época da inquisição musica era considerada coisa do “capiroto”..
    Muitos, senao todos nao saibam desse fato. Tambem nao saibam que eles mataram muitos no passado impondo suas crencas..
    Ahh, voltando a 1500!!
    Lembram daquele tempo em que eles praticavam este ato com os que nao aceitavam a religiao deles.
    Bom.. sinceramente tenho muita indignação com esses cristaos, mas o que posso fazer alem de desabafar??

    A principio o desabafo é esse..

  • Você pode fazer uma coisa sim, Alan: Vá para a nossa rede “Irreligiosos”, onde tratamos desses assuntos e combatemos as práticas religiosas, reunindo pessoas que pensam igual a nós. Se quiser, faça a sua inscrição (é só informar nome, cidade e email). O link está na barra lateral esquerda deste blog, sob o nome “Irreligiosos” (cor laranja), seção “Outros Sites do Autor”. É só clicar e entrar.

    Obrigado pela participação!

  • babi disse:

    Uma noção errônea comum sobre Deus é que Ele é apenas uma versão maior do afeto e da cortesia humanos. Mas, porque se tem uma concepção distorcida de Deus, isso significa que se gosta, se é crente e/ou não gosta, se descrente da própria noção errônea de Deus, de modo que não se gosta dele de jeito nenhum. os cristãos nominais modernos se voltariam contra Deus e passariam a odiá-lo uma vez que descobrissem o que Ele é verdadeiramente. Deus é a deidade máxima por si só, que julga cada pensamento e intenção, exige adoração e obediência exclusivas, condena todos os réprobos, redime apenas os eleitos, estabelece o Cristo e sua palavra como a verdade, o caminho e a vida, sendo ele próprio a vida necessária, e faz tudo que lhe apraz sem pedir conselhos a ninguem. Um tal Deus é repgnante para qualquer um ser não regenerado.
    A fiel pregação bíblica tem por fator precípuo a diminuição de falsos convertidos ao cristianismo, visto que confrontados com a verdade descobririam que a verdadeira fé cristã é intolerável uma vez que percebessemo que ela ensina. A verdade atrai os eleitos, mas repele os réprobos 1ª Corintios1:18.
    Naturalmente, se for pregado a verdadeira doutrina cristã em primeiro lugar, não haveria tantos falsos crentes e descrentes nesse mundo.
    Ex: Ao ouvirem isso, muitos dos seus discípulos disseram: ” Dura é essa palavra. Quem pode suportá-la?” Sabendo em seu íntimo que os seus discípulos estavam se queixando do que ouviram, jesus lhes disse: “Isso os escandaliza?”…E prosseguiu: “É por isso que eu lhes disse QUE NINGUÉM PODE vir a mim, a não ser que isto lhe seja dado por meu Pai”. Daquela hora em diante, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e deixaram de segui-lo (João 6:60,61,65,66). Provavelmente, esses se tornaram ateus.

  • Juliano - RCC disse:

    Amigo, para se falar de DEUS e de Sua Palavra, não basta apenas ler a respeito, ou ainda, aprofundar-se em estudos teológicos. É preciso sim, deixar fluir dentro de nós aquela “propensão” para o misticismo, inerente a todos os seres humanos.
    Trazemos dentro de nós uma força recôndita que nos impele para a união com a Realidade suprema. Se chamamos essa Realidade Deus, estamos dizendo que todos os seres mortais são incapazes de satisfazer, por si só, esse anseio de todos nós por uma interpenetração mais profunda e intensa com Deus.
    A maioria de nós precisa de várias décadas de busca inútil até descobrir que nada no mundo além de Deus pode satisfazer-nos. Pois foi Ele quem nos dotou desse impulso básico de possuí-lo e ser possuído, de possuir o “Impossível”, que torna todas as outras posses vãs.
    Quando essa “transformação” ocorre dentro de nós, nos entregamos então, à contemplação; que consiste basicamente, em um olhar em direção a Deus na fé, na esperança e no amor. Ela acontece, por assim dizer, FORA DA IDÉIA HABITUAL que sempre fizemos de nós mesmos e de Deus e dos outros e do mundo todo. Significa transcendermos aquela personalidade falsa que vivemos no dia-a-dia e mergulharmos na nossa fonte mais profunda onde nos posicionamos diante de Deus, voltando-nos conscientemente em direção à nossa Fonte, à nossa Origem.
    Não se trata simplesmente de um exercício de devoção. Certamente, não se trata de algo que depende de perseverança com algum método, uma maneira de respirar ou sentar. A contemplação aplica-se a todos os seres humanos e, portanto, deveria ser tão natural quanto um bebê olhando o rosto de seu pai ou de sua mãe.
    Enfim, meus amigos, para emitirmos uma opinião correta a respeito de Deus, precisamos prová-lo e “ver que o Senhor é suave”, não pelo intelecto, mas pela experiência inefável de Deus como o âmago vivo de nosso ser. Para experimentarmos Deus dessa maneira, precisamos superar as fórmulas insípidas de dogma e doutrina, e encontrar existencialmente o Espírito que as inflama e as transforma em realidade luminosa e vivificante.

    Boa noite e abraços a todos.

  • Viu como é difícil tirar “Deus” de dentro de você, Juliano? Pois é, ele foi “plantado” dentro de você desde quando era criança e agora, depois de adulto, fica quase impossível tirá-lo de onde ele se alojou: no seu interior, no seu espírito, na sua consciência.

    Não pretendo (quem sou eu?) afirmar que as minhas assertivas com relação ao assunto estão corretas. O que penso e digo é apenas mais uma opinião. Realmente, o ser humano, sente a necessidade de um “Deus” dentro de si. Veja o que você mesmo disse: “Significa transcendermos aquela personalidade falsa que vivemos no dia-a-dia e mergulharmos na nossa fonte mais profunda onde nos posicionamos diante de Deus, voltando-nos conscientemente em direção à nossa Fonte, à nossa Origem”.

    O posicionamento está correto, exceto pela palavra “Deus”, que não poderia ser o “Deus” das religiões que implantaram em sua consciência. Este “Deus” não poderia ser um “Deus” interior? Por que tem de ser um “Deus” cristão? Pense nisso!

  • Juliano - RCC disse:

    Pois é, IVO…e esse mesmo Deus que foi em mim plantado, também o foi em vc. E assim Ele permanecerá em nós até que venhamos a “descobri-Lo” pela razão ou pela fé, e então divulgá-Lo a todos que ainda não adquiriram essa consciência.
    Essa “consciência” do Deus libertador, aquele mesmo que libertou o Povo de Deus da escravidão do Egito é fundamental para o claro entendimento da Bíblia. Essa redescoberta de Deus, do mesmo Deus de sempre, Javé, o Deus do Êxodo, o Deus dos pais, dá olhos novos, abre um novo horizonte e devolve a liberdade de ação, a vitória sobre os medos humanos, a certeza de si, a vontade continuar a luta pela causa de Deus em DEFESA DA VIDA DO POVO, e nos dá, ao mesmo tempo, a consciência clara de não ser o dono da luta nem os únicos a defender a causa de Deus. Portanto, Ivo, não basta só a razão para descobrir todo o sentido da Bíblia.
    O estudo científico do texto bíblico não é o fim da LEITURA. É apenas um meio para se chegar ao fim. Essa leitura quando bem feita, nós cristãos a denominamos de “Lectio Divina” (Leitura Divina) ou Leitura Orante; e compreende quatro degraus que são: leitura, meditação, oração e contemplação. Nem sempre é fácil de distinguir um do outro. Trata-se de um processo dinâmico de leitura, em que várias etapas nascem uma da outra. É como a passagem da noite para o dia; na hora do amanhecer alguns dizem: “É noite ainda!” Outros dizem: “O dia já chegou!” Além disso, trata-se de quatro atitudes PERMANENTES; a atitude da leitura, por exemplo, continua também durante a meditação. As quatro atitudes existem e atuam, juntas, durante todo o processo da Lectio Divina.
    A leitura quando feita da forma acima, ajuda a superar o fundamentalismo. Quando mal feita só faz aumentá-lo. O fundamentalismo é uma grande tentação que se instalou na mente de muita gente. Ele separa o texto do resto da vida e da história do povo e o absolutiza como a única manifestação da Palavra de Deus. A vida, a história do povo, a comunidade, já não teriam mais nada a dizer sobre Deus e a sua Vontade. O fundamentalismo anula a ação da Palavra de Deus na vida. É a ausência total da consciência crítica. Ele distorce o sentido da Bíblia e alimenta o MORALISMO, o INDIVIDUALISMO e o ESPIRITUALISMO na interpretação dela. É uma visão alienada que agrada aos opressores do povo, pois ela impede que os oprimidos tomem consciência da iniqüidade do sistema montado e mantido pelos poderosos. Superar o fundamentalismo só é possível à medida que, através da Leitura Divina, o leitor consiga ver o texto dentro do seu contexto de origem e, ao mesmo tempo, perceber nele o reflexo da situação humana, tão conflitiva, confusa e controvertida, que hoje vivemos.

    Abs a todos.

  • Juliano:

    Essa discussão é interminável, porque envolve a subjetividade de cada um. Minha opinião resumida a esse respeito é: se você precisa de um “Deus” para se sentir feliz e seguro, e se isso, de fato, o torna feliz e confiante, siga com “Ele”. Mas, se ao contrário, consegue se libertar e conclui que se não fizer por você “Ele” não o fará, então, siga sem ‘Ele”, ou crie um “Deus” interior para você mesmo e tente ser forte o suficiente para caminhar com as próprias pernas.

    Não sei se estou certo, mas, respeitando a opinião e as convicções religiosas das pessoas, é o que penso.

  • Juliano - RCC disse:

    Ivo,

    Concordo inteiramente com você, no que diz respeito à subjetividade da cada um. Também respeito as convicções pessoais, não entro em “discussões” religiosas.
    O que eu tento expressar, algumas vezes, como foi o caso aqui, é alguma forma de esclarecimento científico-religioso, e nunca, a “imposição” da minha própria fé.
    Espero que meus comentários tenham podido ajudar alguém que esteja lendo, ou pretenda ler a Bíblia, para que o faça da maneira mais adequada. Para que dela retire um melhor proveito, e descubra por si só, a Verdade Oculta que a Bíblia revela.

    Boa noite!! Paz e Bem a todos!!

  • babi disse:

    Nada tenho contra ateus, pelo contrário, já fui um, e, tenho um grande amigo que é ateu. Penso, contudo, no ateísmo como uma forma de escape do homem que teme o desconhecido, nada mais que isso. O medo faz o homem descrer no que realmente ele sabe intimamente ser a realidade, dai cria-se uma fantasia auto regulada que é habilmente denominada ateísmo. Na verdade o ateísmo depende amplamente do teísmo. Aquele não seria sem esse.

  • Carlos Roberto disse:

    SINDROME DE PINÓQUIO
    Olha a onça aí! É mentira…

    Como esquecer do dia 1º de abril, dia da mentira? Você se lembra de ter acreditado ou até mesmo ter feito alguém acreditar em alguma mentira? Digo isso do dia 1º de abril e não dos outros 364 dias do ano. Quantas mentiras não são contadas a nós diariamente ou até mesmo quantas mentiras não contamos fora do dia que deveria ser o dia dela. Agora, por que não existe dia da VERDADE? Teoricamente, é porque todos nós devemos dizer a verdade, sempre, não importa a conseqüência desta, mas seria isto verdade? Você diz a verdade sempre e sabe toda a verdade? Seja sincero!

    Não se trata de defender a mentira, mas você já percebeu que ela, embora seja apontada nas parábolas morais como um desvio de caráter, não consta entre os sete pecados capitais da fé católica?

    A “SÍNDROME DE PINÓQUIO” ou “MITOMANIA” é a mentira frente a um assunto específico que é contada como se fosse uma verdade absoluta. No caso do Pinóquio é uma contradição enorme, uma mentira sobre a outra, um nariz crescendo por alguém faltar com a verdade, uma enorme mentira. A mentira não é o objetivo e sim a justificativa para seus fins, porém, quem conta acredita em sua mentira, onde a utiliza como defesa. Indubitavelmente, com raras exceções, o evangelho que vem sendo anunciado nestes últimos dias nada tem a ver com o Cristianismo Verdadeiro. A falcatrua no meio do CRISTIANISMO VERDADEIRO é indubitável. Falsifica aquilo que é verdadeiro com intenções de cristianizar as pessoas com meros objetivos. Imitar ardilosa e fraudulentamente, ou apresentar como autentico ou original aquilo que não é. No mínimo é sim cretinismo e sacrilégio. Lamentavelmente tudo isso é feito em nome de Jesus e de sua palavra, porem, sem nenhuma aprovação Dele. Esquecem do que está escrito: “Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade” – II Coríntios 4.2. Paulo descreveu também, aos pregadores de então que reduziam as exigências do Evangelho a fim de obterem lucro, aceitação e sucesso. Eram talentosos e persuasivos, mas, secretamente, insinceros. Cobiçavam dinheiro e visavam à proeminência, mercenários de mãos cheias – João 10:12 e13; Filipenses 1:15 e16; I Pedro 5:2. Paulo diferenciou deles ao dizer: “Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus; antes, falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus” – II Coríntios 2:17. Pregam o cristianismo fácil e falso de que fala – II Pedro 2:19. O que define a autenticidade do ministério de um pastor? Suas intenções. Se por trás de sua pregação existem existe um projeto empresarial, ainda que pregue as mais belas mensagens do mundo, pode ser descartado como mercenário da palavra.

    Mesmo uma mentira branda pode impedir a pessoa de conviver com a sua verdade. Inventar algo para justificar um esquecimento, por exemplo, pode não ser grave, mas vai distanciando a pessoa de sua própria história. Por que não pedir desculpa, assumir que é distraída? Tanto a mentira como a omissão são maneiras de sair de cena; “o que elas têm em comum é a covardia.

    Muitos acham que há situações em que mentir ou deixar de falar é atitude benéfica. Afirmam: “Não temos que sair abrindo o peito, nos desnudando. Não é uma questão de mentir, é uma questão de se proteger, que tem a função de preservar a própria intimidade. Tenho o direito de guardar minha história, de não falar sobre ela. A omissão é benéfica quando está se preservando o seu eu”. Mas, o que diz a Bíblia sobre tal prática?

    Se há as mentiras ditas inofensivas, o que não é verdade, e até necessárias para manter a harmonia social, há também as grandes fraudes, estas, sim, perigosas à sociedade, que brotam das mentes de mentirosos patológicos. Segundo os especialistas, a ficção mitomaníaca envolve concepções de grandeza ou de fraqueza, de capacidades e feitos extraordinários, fabulações que podem levar a cometer crimes e fraudes, como o exercício ilegal de certas profissões.

    Aqui quero me deter nas mentiras que andam pregando em nome de Deus, e como tem mentirosos infiltrados no meio cristão! É o MST da fé, que quer impor uma “REFORMA RELIGIOSA” abrindo espaços para que os militantes de uma religião moderna e promiscua invadam as igrejas e façam o que bem entenderem. A indústria da prosperidade, o evangelho liberal e a conivência com as práticas dominantes do inimigo tornaram-se comuns e fazem sucesso no meio cristão hoje. O Diabo então tem sido tratado com “caviar, filé, fritas, salmão, champagne francês” com os banquetes sendo servidos dentro de igrejas, ou pelo menos entidades que estampam nas suas fachadas o título de “IGREJA”. Ninguém, por conveniência ou por incapacidade espiritual, está disposto a se levantar contra estes ataques do inimigo contra a NOIVA DE CRISTO e assim, vão permitindo que ela tenha uma vida de adultério se prostituindo com as coisas deste mundo, numa convivência pacífica e harmoniosa.

    Muitos crentes estão fazendo um cristianismo atrelado a um monte de bobeiras teológicas como cristiabudismo, cristiaumbanda, cristiaespirita, cristiagospeiros, e por ai vai, alguma coisa que para estes está próximo de um cristianismo real que foi comprado com sangue e sangue santo, sangue de Jesus o único e suficiente salvador. Levados por mentiras e enganos, acham que é tudo cristianismo o que na verdade é tão somente uma farsa religiosa armada de forma sutil pelo Diabo para invadir o meio cristão provocando uma acomodação perigosa entre os crentes. Nesta direção o tal “COPO COM ÁGUA” tornou-se uma febre e até a igreja católica, para não ficar fora do mercado das benções via H2O copiou na integra as práticas de nossos “ANIMADORES DE AUDITÓRIO” que permeiam as programações de nossas televisões diuturnamente. Veja o que diz a Bíblia: “E também haverá entre vós falsos profetas e doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas conversas, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade” – II Pedro 2:1 e 2.

    A única verdade que temos é que a mentira existe, cabe a você encontrar mentiras nas verdades, e verdades nas mentiras.

    Carlos Roberto Martins de Souza
    crms1casa@hotmail.com

  • Henrique Dorneles disse:

    Queria colocar a minha opinião: Sou Cristão, e como aprendi, a Palavra, não é um balcão de buffet livre, onde você pega a bandeja ou prato e coloca apenas o que te convém comer… Embora ela seja um livro inspirado por DEUS, não nos esqueçamos que ela é também um livro que retrata uma parte da História de povos muito antigos da face da Terra. Povo bruto, que apenas na linguagem da violência, seja ela por homens ou até mesmo obra de DEUS, conseguiriam discernir o certo do errado. As pessoas pegam determinados livros, versículos e colocam o seu livre pensar, ou livre arbítrio, como gosto de afirmar, e isto vem de DEUS! E fazem afirmações até grotescas com questionamentos que se lessem o capítulo por inteiro ou um ou dois versículos acima do que mencionam, ou abaixo, teriam a resposta do que eles não entendem! Muitas coisas que tais pessoas afirmam, se elas também lessem, saberiam que o que eles fazem, já está descrito na Bíblia, a muito tempo atrás. Mas não acuso e nem penso que sou melhor do que qualquer um que escreveu tais coisas, pois se fizesse isto, não seria digno de ser chamado de Filho de DEUS e ter em mim o Poder do Espírito Santo! Apenas mais uma coisa! No Livro de João 12:3 a Palavra diz: -“Então Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, de grande preço, ungiu os pés de Jesus, e os enxugou com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do bálsamo.
    Notem e isto é para aqueles que questionam se estes livros foram escritos por quem a Palavra afirma ser o autor de tais livros, que João, o mais novo dos Apóstolos, o Apóstolo Amado, descreve o “cheiro do bálsamo que encheu a casa”, quero crer que quando alguém descreve o que viveu, lembra até do cheiro que sentiu. Diferente de quem apenas descreve o que lhe foi dito por outra pessoa Quando julgas o que não conheces, peca pelo fato de não conseguir notar a riqueza de detalhes justamente no que estás lendo… Que cada um viva na sua fé! E que DEUS em sua infinita sabedoria e bondade nos abençoe!

  • Assis Utsch disse:

    Ivo,
    Gostaria de parabenizá-lo por mais essa Página, cujo acesso só hoje vim a ter. Li seu texto e a maior parte dos comentários. Mais uma vez noto que os religiosos apreciam argumentar com base nos próprios livros santos. Todavia, mesmo quando não tenhamos estudado lógica, sabemos intuitivamente que não se prova uma alegação com a própria alegação, logo não se prova a Bíblia com ela mesma. Como disse em ( http://www.divinamagia.com.br ), “os livros santos de todos os credos são resultado de milênios de narrativas. Primeiro orais, depois escritas em línguas primitivas, sem qualquer precisão, textos com registros precaríssimos, escritos em folhas, pedras, couros, etc, com todos os percalços, e sujeitos àquela regra – quem conta um conto lhe acrescenta um ponto. O conteúdo desses livros só muito remotamente tem correspondência com os fatos”. Se o Documento de Deus é uma obra inverossímil, como poderia Ele ser real?

  • Ivo S. G. Reis disse:

    Primeiramente, gratos pela visita ao nosso espaço. Quanto às suas alegações, concordo. De fato,os crentes só sabem argumentar usando como fonte de referência a própria Bíblia, porque é a única fonte que conhecem (mal). E por quê? Porque eles não têm a mente aberta para pesquisar em outras fontes externas, principalmente as que dissecam e contrariam a Bíblia.

    Então é compreensível que fiquem igual a “camalote no rebojo” (conhece esta expressão?). Explico: roda, roda, roda, em torno de si mesmo, sem sair do lugar. Mas nem por isso, deixamos de dialogar e debater com eles. O que nos irrita é que não conseguimos convencê-los a usar outros argumentos que não os textos bíblicos. Como eles se recusam, a discussão com eles, infelizmente não leva a lugar nenhum.

    Certamente que deve haver crentes esclarecidos, mas são poucos, muito poucos mesmo. Acredito que o verdadeiro crente é um prisioneiro da “escravidão mental religiosa”, da qual sequer cogita libertar-se, por medo do castigo divino ou por preguiça mental. Por isso, de certa forma, odeiam os que se libertaram.

  • babi disse:

    Evidentemente pode haver escravidão mental religiosa pelos prefalados motivos, há, contudo, uma prisão inegavelmente igual, que é o absurdo da lógica crítica ao conteúdo das escrituras e isto por plena inabilidade e inaptidão de discernimento espiritual, por hermenêuticas fajutas, e, o que é pior pela “descrença voluntária” e doentia, sendo esta última o mal do século, tudo por incipiência e insipiência.
    Fica, portanto, a idéia frágil de ilhas flutuantes levadas pelo vento em roda de moinho como um sarcófago do que se está criticando sem entender.

  • Ronaldo disse:

    Lí vários comentários do blog, não todos, assim como já li várias passagens da Biblia e confesso que nao a li por inteiro.Gosto sempre de ler artigos de religião e ciência.Creio na Mensagem da Biblia como palavra de Deus, mas acredito que com o passar dos tempos os homens, religiões e muitos fatores possam ter modificado algo de acordo com suas conveniencias. Mas mesmo concordando que existem coisas que não são muito lógicas na Biblia, creio na sua mensagem principal, que nos mostra que “Deus é amor e que se não amamos nosso irmão o qual vemos como poderemos amar a Deus o qual não vemos.” Creio que por mais cético que alguem possa ser, esta pessoa tem no fundo do seu intimo uma esperança que nossa vida não é só materia e essa esperança é a prova da existencia de Deus.

1 Trackback or Pingback

Deixe uma resposta

Previous Post
«