ARCA DE NOÉ PARA VEGETAIS

27/02/2008
by Antidio Teixeira

Os noticiários da semana passada divulgaram que os noruegueses construíram um depósito sob uma montanha a 1.000 km do Pólo Norte, no qual armazenaram as mais variadas sementes da flora de todo mundo, com a finalidade de salvar as espécies, em caso de desastre ambiental. O que vocês acham disso?

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

7 Comentários

  • mgomide3 disse:

    A atitude dos noruegueses, gastando um dinheiro grosso, não deve ser infundada. Eles já enxergaram o que muita gente ainda não viu. Interessantte é a semelhança desse fato com a preocupação do personagem Candota (do livro Agora ou Nunca Mais) em preservar livros em bibliotecas subterrâneas. Afinal, a motivação é a mesma. Gente, gente, já estamos na reta final!…

  • Rubens Pacheco disse:

    Não só os noruegueses gastam esse dinheiro grosso… O projeto é bancado também por Bill Gates entre outros colaboradores. Algo terrivel está para acontecer. Pensem na hipótese de um apagão mundial de energia elétrica causada por uma grande tempestade geomagnética vinda do sol, igual à ocorrida no século 19 – onde todos os telégrafos foram destruídos. Isso está previsto para daqui 5 anos, mas sem definição de data. Se isso ocorrer, o apagão será inevitável e poderá levar anos para ser restabelecido. As conseqüências de um apagão dessa natureza deixo para cada um imaginar. A nossa vida vai ser muito dura daqui para frente.
    Rubens
    Meteorologista.

  • Antidio Teixeira disse:

    Caríssimos
    Luís Kilares e Rubens Pacheco

    Agradeço seus valiosos comentários de apoio que bem reforçam as declarações de Lélis as quais também endosso. No entanto, contemplando os fenômenos instalados e em franca progressão, concordamos que eram as algas marinhas as principais responsáveis pelo equilíbrio saudável do meio ambiente, entre as formas de vida vegetativas e as animadas, ao absorverem a biomassa decomposta lançadas nos mares, como nutriente; e mais o carbono atmosférico, para com eles constituírem seus organismos, num mesmo ato em que devolviam à atmosfera, o oxigênio puro. Ora, as superfícies aquáticas do planeta são as maiores receptadoras de luminosidade solar, e, conseqüentemente, de energia vegetal. Portanto, quanto maior for o lançamento de húmus, (matéria orgânica decomposta), nos espelhos d’água, maior será, não só o volume de matéria viva produzida assim como de energia “básica” captada e de carbono atmosférico absorvido. Ocorre que, quando tais algas perecem, para decompor suas estruturas orgânicas desvitalizadas e transformá-las em nutrientes para o próprio mundo vegetal, o processo reabsorve as mesmas cotas de oxigênio que elas liberaram durante seus ciclos vitais; e agora, combina-as com outros elementos mais pesados, tendo em maior volume o carbono, para devolvê-los ao meio ambiente nas formas de CO e CO2. Sendo a densidade destes efluentes maior do que a do oxigênio, considerando-se a força centrífuga exercida pelo movimento de rotação terrestre, houve modificação na distribuição da cobertura atmosférica causando o incontestável aquecimento global. A vida vegetativa marinha está perecendo dado o lançamento de substância tóxicas como defensivos agrícolas, detergentes e desinfetantes domiciliares e freqüentes derramamento de petróleo, assim como ocorre com as floras bacterianas das fossas sanitárias quando as inundamos com germicidas, detergentes e produtos similares. As algas mortas passam a consumir oxigênio e a liberar gases pesados nocivo às formas de vida animadas, além de causar desequilíbrio atmosférico. A utilização de combustíveis fósseis para liberação de calor para todos os fins e a inviabilidade econômica de retenção e de reciclagem dos efluentes liberados no meio ambiente, não deixa sombras de dúvida quanto a sua responsabilidade quanto ao desequilíbrio sócio-econômico-ambiental que o mundo está sofrendo e com tendência a uma catástrofe social. Estancar, e até reverter este processo, é viável e, tecnicamente, fácil; difícil é convencer as autoridades políticas e econômicas mundiais, que se beneficiam com o agravamento desta situação, a mudar os hábitos sociais em nome da preservação da vida na Terra. Resta-nos a esperança de uma movimentação popular.
    Cordiais abraços,
    Antídio

  • Arivelto Luna disse:

    Interessante observar que a armazenagem de sementes já é feita pela maioria dos países que mantém estocada não só as suas sementes nativas, mas as principais de todo o mundo, o que já garantiria a segurança alimentar mesmo que a metade do mundo fosse afetada. No caso do Brasil temos praticamente todas as sementes necessárias e estocadas em diversas partes do país.
    Ari.

  • Antidio Teixeira disse:

    Arivelto:
    É com muita satisfação que recebemos a sua informação. Confesso que ignorava este detalhe e não deixa ser uma alegria saber que já existe uma ação preventiva para o que, de pior, possa acontecer.
    Todos os leitores tomarão ciência de sua informação. Forte abraço,
    Antídio Teixeira

  • arivelto luna disse:

    Sobre o comentário que fiz, valeria questionar e por em pauta o porque de tanto investimento nessa “arca de noe” e qual o interesse de Bill Gates , uma vez que isso não dará lucro finceiro a nínguem.

  • Antidio Teixeira disse:

    Caríssimo Ary:
    O Crescimento contínuo de nossa família vem exigindo do sítio onde moramos, recursos que já estão superando os que ele pode produzir sem lançar mão de reservas estratégicas de algumas matas e jazidas de alguns minérios. Cada vez temos menos alimentos e materiais para suprir necessidades nas habitações domésticas. Os membros mais velhos da família, que detêm a administração e que se criaram nos tempos da fartura, não abrem mão dos níveis de conforto e de bem-estar aos quais foram habituados. Para produzir o que eles exigem e alimentar os demais membros da família é necessário produzir mais energia para fazer funcionar os diversos aparelhos domésticos que possuem, assim como, alimentos mais sofisticados. Já desmatamos a maior parte da reserva de matas para fazer lenha e carvão e criar espaço para o plantio de lavouras de subsistência. A família continua crescendo e os recursos diminuindo. Os familiares mais prudentes, temem um incêndio espontâneo, ou mesmo criminoso ateado por insatisfeitos, que incinere o restante das matas e os campos de lavoura. Então, os mais prudentes, estão adotando tais silos para o caso de terem que recomeçar e não ficarem sem sementes. É um investimento em segurança.
    Quanto à participação de Bill Gates, estamos falando do indivíduo que, involuntariamente, promoveu o maior desequilíbrio sócio-econômico da história através do desemprego que seus inventos causaram em todo mundo. Os governos, em vez de utilizarem as novas tecnologias informáticas oferecidas para beneficiar os seguimentos sociais que a eles eram devidos, estabelecendo maiores impostos sobre empresas informatizadas para distribuí-los na forma de benefícios para todos, pelo contrário; preferiram excluir do consumo os excedentes que ficaram desempregados, muitos deles cobrando da sociedade, por vias ilegais ou criminosas, às vezes com violência os direitos que lhes foram suprimidos. A fortuna do Bill Gates, sem que essa tenha sido a sua intenção, foi feita com os salários não pagos aos desempregados do mundo em conseqüência da informatização. Para este cidadão, hoje amadurecendo, lucro não deve ter sido sua intenção, sim, retribuição.
    Espero que outros comentaristas opinem.
    Ary… aquele abraço.

Deixe uma resposta