A novidade já chegou, por enquanto, apenas no Estado de São Paulo, mas tudo indica que vai ficar e se alastrar pelos outros estados da federação. O motivo é simples: significa arrecadação, ou seja, mais dinheiro para os cofres públicos. A dúvida apenas será se irá para os estados ou para os municípios.
Sob o velho pretexto da “segurança no trânsito” (lembram-se das lombadas eletrônicas?), a Prefeitura de Bauru “urdiu” com o seu Centro de Controle de Zoonoses, a implantação de um microchip do tamanho de um grão de arroz nos cavalos do município. A novidade já está funcionando e o microchip controla os dados do animal e do proprietário. Funciona assim: se um cavalo for pego perambulando pela cidade, colocando o trânsito em risco, ele é apreendido e, pela leitura do seu microchip, o proprietário é notificado e terá de pagar a multa de R$ 150,00 (por enquanto), se quiser recuperá-lo.

Segundo informações da Agência Estado, somente nestes nove meses do ano, já foram recolhidos 130 animais e 50 já se encontram “chipados”.

Já na cidade de São Paulo e quanto aos carros de passeio, a coisa é mais ou menos semelhante, porém mais rígida: implanta-se um chip no pára-brisas, contendo os dados do veículo e do proprietário. Porém, esse chip informa também a localização, os percursos e a velocidade média do veículo em cada trajeto e ainda, por exemplo, se o IPVA, o licenciamento ou as multas estão em dia. Assim, basta um guarda-de-trânsito ou um policial rodoviário passar o leitor manual sobre o chip, ler o status da informação e, se for ocaso, selecionar a opção “multar“. Dali mesmo, a multa será enviada diretamente para o Departamento de Trânsito local. Isto é para a segurança do veículo? Se ele não for roubado, os dados estarão lá, do mesmo jeito, à disposição das autoridades.

Alguém tem dúvida de que a novidade vai pegar?

E se eles resolverem, mais tarde, implantar esses chips em nós, cidadãos comuns, cada vez que formos tirar uma identidade? Já somos controlados pelo RG e pelo CPF!… Não custa nada, nos órgãos de identificação, implantar um chipezinho, indolor, do tamanho de um grão de arroz. “É para a sua segurança, senhor, dirão”.

Mas isso, se funcionasse, só serviria para a localização em caso de seqüestro (desde que o seqüestrador não soubesse a localização do chip, senão, ele simplesmente o arrancaria, à faca).

Como os lugares de implantação seriam sempre os mesmos…

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

1 Comentário

  • Alice disse:

    É, do jeito que vai a coisa, qualquer dia eles vão estar “chipando” a gente também, para poder melhor controlar-nos.

    Para o Governo, antes de sermos cidadãos, somos contribuintes, com um nº de CPF e RG para sermos controlados. Colocar um chipezinho em cada um de nós para que o GPS interno informe por onde andamos, se viajamos, o que gastamos, etc., é daqui para ali.

    Se a socieadade e as instituições de defesa do Direito e da Cidadania não protestarem, um dia eles poderão, sim, querer fazer isto. Estejam certos.

Deixe uma resposta