"Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é deles, mas de todos nós". ( Al Gore, Vice-presidente dos Estados Unidos, 1989);

"O Brasil precisa aceitar uma soberania relativa sobre a Amazônia" (François Miterrand, 1989, então presidente da França)

"A Amazônia é um patrimônio da humanidade. A posse dessa imensa área pelos países mencionados (Brasil, Venezuela, Colômbia, Peru e Equador) é meramente circunstancial " ( Conselho Mundial de Igrejas Cristãs, Genebra, 1992)

 

"Há que ser seriamente organizada a defesa nacional, pois ‘não se pode ser pacífico sem ser forte’ "(Barão do Rio Branco, perspicaz diplomata brasileiro, patrono do Instituto Rio Branco )

—————————————————————————————————–

Notas do autor: 1 – A matéria a ser exposta abaixo é polêmica, controversa e relacionada a questões cruciais de segurança nacional. Portanto, tem um caráter apenas opinativo, sob a visão particular do autor, que tanto poderá estar correta, como equivocada. O material em que está embasada, foi fruto de pesquisas e cruzamento de informações de diversas fontes e literaturas virtuais e não virtuais, existentes sobre o assunto e também de dados que nos foram enviados por alguns dos leitores e colaboradores do DDD.

2 – Na figura acima, os pontos em amarelo são as reservas indígenas já existentes em Roraima e no restante da Amazônia. Observe-se à direita e acima do círculo vermelho, a reserva "Raposa Serra do Sol", a próxima a ter a constitucionalidade da sua demarcação julgada pelo STF. Com ela, caso aprovada em forma "contínua", fecha-se toda a região da tríplice fronteira, considerando-se a extensão da São Marcos, adjacente à Raposa Serra do Sol. Esta é toda uma região de conflitos fundiários e disputas internacionais.

—————————————————————————————————–

Resumo: Este artigo  tenta mostrar, da forma mais convincente possível, as verdades que se escondem por trás do grande interesse na demarcação "contínua" da reserva indígena Raposa Serra do Sol e alertar sobre erros cometidos no passado, quando da demarcação de outras reservas da região amazônica, inclusive no próprio Estado de Roraima, como foi o caso da reserva Ianomâmi, ou "Terras Indígenas Ianomâmi" (nome oficial), um desastroso equívoco do Governo Collor, que está prestes a se repetir quando o Superior Tribunal Federal julgar, em definitivo, a legalidade da demarcação contínua da reserva Raposa Serra do Sol. Para o desespero de todos nós, parece que mais um erro semelhante será cometido, pois 8 ministros já se declararam favoráveis à demarcação contínua.

Que fique claro, antes, que não somos contrários a que reservas indígenas sejam demarcadas, assegurando aos nativos, em suas respectivas áreas, condições de digna sobrevivência, paz e qualidade de vida, de acordo com os seus costumes e "reais necessidades"  e sem submetê-los ao aculturamento oriundo da convivência ou miscigenação com os não-índios. O que somos contra, é o engessamento, por organismos estrangeiros, da nossa autonomia de decidir o que é melhor para o país e para as nossas etnias índígenas.  A aceitar a imposição do julgamento que esses organismos querem dar à questão, estaremos admitindo a nossa incompetência para gerir o problema e, quem sabe, o país. […] 

ÍNDICE (clique no tópico desejado, para acessá-lo):

 

As razões da apreensão:

Existem várias razões para se supor que, neste momento e até que o Brasil seja uma nação militar e economicamente forte e mundialmente respeitada, estejam sendo urdidas conspirações para a ocupação da Amazônia por potências estrangeiras. Chegaria mesmo a dizer que podemos sair do terreno das suposições para o da certeza, tal a quantidade de indícios e evidências já existentes.

Partes da região amazônica vêm sendo loteadas sucessivamente para estrangeiros, desde o início do Governo Collor (1990-92), sem despertar alardes, porque isso não convém aos "traidores da pátria". Antes também isso já acontecia, mas intensificou-se a partir de 1991. E o Governo Brasileiro, por ingenuidade(???), incompetência ou envolvimento direto nas falcatruas, tem se mostrado omisso, deixando as coisas acontecerem, até chegarem ao ponto de ameaçar a soberania nacional.

A Imprensa, que poderia denunciar e despertar o clamor popular, age timidamente, – salvo raríssimas e honrosas exceções -, por razões que não cabem discutir nesta matéria, para não alongá-la demais. O povão, desinformado, calou-se e continua a tocar sua vidinha porque, afinal, o nortão é tão longe e abandonado, que é como se fosse mesmo uma outra nação. Acham que o que acontece por lá não afeta as outras regiões do país. Quanto aos nativos, índios ou não, mas que vivem nas regiões de conflito, existe um interesse em mantê-los em perene estado de desinformação, para que a população não atrapalhe "os planos de governo" e os das "ONGs estrangeiras", (cerca de 115, só na Amazônia Ocidental, de acordo com documento da ABIN). Por que tantas ONGs e "missões religiosas estrangeiras" na Amazônia, a serviço do capitalismo internacional e pouquíssimas no Nordeste brasileiro? Enquanto isso, como um câncer traiçoeiro, a posse da Amazônia avança, pouco percebida e sem resistências. Restaram-nos as Forças Armadas e os blogs, que têm desempenhado um importante papel nesse sentido, porque são descompromissados.

 (Voltar para o índice)

A preocupação das Forças Armadas e dos blogs independentes:

Mas se nem aos alertas e denúncias das Forças Armadas, feitas por vários generais e coronéis que atuaram na região "eles" (interpretem o "eles" como quiserem) dão ouvidos, que dizer de um bloguezinho fraquinho como o nosso e tantos outros que existem por aí? O valoroso General Augusto Heleno, Comandante Militar da Amazônia,  já deve estar rouco de tanto denunciar e dar entrevistas, na caserna, no rádio,  e na TV, sem contar ainda as sabatinas dos jornais e revistas. E em que isso resultou? Nem sei se ele ainda pertence ao Comando Militar da Amazônia (não tive tempo de pesquisar). Mas não será de estranhar se o destituirem das suas funções naquelas regiões (quem fala demais não serve). Repreendido e aconselhado a "evitar comentários públicos" ele já foi. Manter-se no comando durante a crise, só o tempo dirá. O fato é que ele é um idealista bocudo e raçudo. Vamos ver quanto tempo vai durar.

Daí, então, a minha dúvida: será que "eles" nos respeitam? Ainda não, ainda não; mas estamos caminhando a passos largos para que isso se torne uma realidade. Os blogs, no geral,  são o mais novo e temido fenômeno de comunicação e disseminação da informação livre e autêntica. E são rápidos na divulgação, muito mais do que a Imprensa convencional. Por isso, os grandes jornais resolveram criar as suas seções de "blogs" e tentam, igualmente, firmarem-se como jornais virtuais. Por isso, os detentores do poder já pensam em regulamentá-los e censurá-los, não os dos grandes jornais, protegidos pela Lei de Imprensa, mas os de pessoas comuns, como nós. Mas até que isso aconteça, se é que vão conseguir, muitas denúncias hão de ser feitas, muita água vai rolar e quem sabe, algumas cabeças coroadas também. O certo é que as Forças Armadas, principalmente através dos seus Comandos Militares na Amazônia, demonstram preocupação e têm feito repetidos alertas quanto à ocupação de partes daquela região por estrangeiros.

Um desses alertas militares – e são muitos – vem do General Luiz Gonzaga Schroeder, ex-Comandante Militar da região, declarando que o STF ao julgar a questão da demarcação da reserva Raposa Serra do Sol, "deve enxergar o futuro", pois um erro de decisão poderá comprometer a soberania nacional na faixa de fronteira, já que, com tal aprovação, fica vedado o acesso das forças armadas, produtores rurais e não-índios ou não-descendentes em suas reservas, a menos que eles próprios consintam. E a história da faixa de 150 km não irá funcionar. Trocando em miúdos: o território será deles e lá só entrará quem eles quiserem. O Brasil perderá parte da soberania sobre a região, havendo o risco de que nações estrangeiras, com o disfarce de ONGs ambientalistas ou religiosas, passem a exercer o controle das reservas com a possibilidade de que essas reservas venham mais tarde a requerer a sua independência como nação, passando a constituir um país dentro de outro país, controlado por outro país, que não será o Brasil. Complicado? Sim, mas é isto mesmo o que se desenha. Só a soma das 3 grandes reservas indígenas da região (Ianomâmi, Raposa Serra do Sol e São Marcos), correspondem a quase 20 milhões de hectares, sem contar com as outras 33 "reservas" espalhadas, somente em Roraima.

Por enquanto, a ocupação tem se dado de forma gradual e relativamente pacífica, apenas com enganações e algumas violências ocasionais nas grilagens; mas nada impede que de um momento para outro resolvam fazê-la mediante um golpe político-diplomático ou mesmo à força. Este risco é real, segundo os militares.  (Voltar para o índice)

Quando seria o início dessas possíveis invasões?

Ao que tudo indica, a invasão já começou, por Roraima, na Reserva(???) "Terra Indígena Ianomâmi" e na "Raposa Serra do Sol" e também em outras partes dos territórios amazônico e paraense. A Reserva Ianomâni, uma ficção para facilitar a entrada de estrangeiros, especialmente os ingleses da Guiana, já está demarcada, desde 1991 (Governo Collor), e abrange uma imensa área de 94.191 km2 (ou 9. 419. 105 ha), equivalente ao tamanho de 3 Bélgicas ou 3 Holandas ou um pouco mais do que Portugal, para uma população que não chega a 10.000 índios. Uma área igual a duas vezes o Estado do Rio de Janeiro para menos de 10.000 índios?!… Uma etnia tão diminuta da qual, à época e segundo informações militares, não se conseguiu encontrar evidências da existência de nenhuma tribo com esse nome no lado brasileiro? Então por que e para que se criou essa imensa reserva? E por que, em seguida à sua aprovação, se inventou a história de genocídio em massa dos Ianomânis e dos quais não se encontraram os restos mortais? São perguntas sem respostas (para nós). Aconselho nossos leitores a pesquisar o assunto, porque é muito vasto e cercado de mistérios, cheirando a conspiração.

Quanto à Reserva Raposa Serra do Sol, está apenas com demarcação contínua determinada por decreto assinado pelo Presidente Lula em 2005, mas ainda sem a decisão e homolagação final do STF, por estar sofrendo contestação judicial, por (a ser provado) ferir princípios constitucionais. No último julgamento, ocorrido em dezembro passado, 8 ministros já se mostraram favoráveis à demarcação contínua e três permaneceram indecisos, um deles, por sorte, pedindo novas vistas do processo, o que adiou o julgamento, agora previsto para fevereiro de 2009. O pior é que o clima de tensão em Roraima vem se arrastando, com agravamento crescente, desde 1990 e não dá sinais de arrefecimento. E se o STF decidir pela "demarcação contínua", cometer-se-á um segundo erro, sobre um mesmo assunto, com reflexos negativíssimos para o país.

Segundo apuramos em fontes diversas, Roraima virou uma babel de estrangeiros, uma vez que cerca de 40% do seu território é constituído por "reservas indígenas", cada uma com o seu grupo de estrangeiros dominantes e várias delas ostentando, na entrada, bandeiras americanas, francesas e inglesas. Até incidente com a retirada do nosso pavilhão nacional já ocorreu. "Na maioria das reservas brasileiro não entra, embora seja franqueada a entrada dos estrangeiros que circulam pela região. Mais incrível ainda é que, mesmo sem a permissão da FUNAI mas com a permissão dos americanos que dominam as reservas (sic), você pode ingressar em uma delas. (fonte: Tem Notícia – o Jornal do Pensamento Brasileiro – http://www.temnoticia.com.br/noticia.asp?cod=193)". Ainda segundo esta mesma  fonte (e outras), há quem chegue a afirmar que "Roraima não é mais Brasil"… Tão grande é a influência dos estrangeiros junto aos indígenas, que a grande maioria deles fala a língua nativa, o Inglês e o Francês, mas quase nenhum deles fala o Português.

Aliás, isto já havia sido previsto pelo saudoso e renomado indianista-sertanista Orlando Villas Boas, recentemente falecido (assistir vídeo que inseri ao final deste artigo). Fatos, alguns comprovados, outros a serem comprovados, verdadeiros ou especulativos, aí estão, à disposição dos senhores ministros do STF. E se nós, com parquíssimos recursos, os descobrimos, por que não podem eles analisá-los para formar seus elementos de convicção?

Será que os nossos ilustres ministros vão ser ingênuos e/ou coniventes com mais esse golpe contra a soberania nacional? Vão permitir que se aprove a demarcação contínua, em detrimento da demarcação em ilhas, que seria o correto e razoável? Não enxergam os interesses internacionais que existem por trás disso? A área destinada a apenas 19.000 índios, de 194 comunidades indígenas (1,7 milhões de hectares), se aprovada a demarcação contínua, destinará cerca de 90 ha para cada índio, o que, convenhamos, não há como se justificar. Mesmo considerando-se o argumento de que o índio é nômade e precisa se deslocar a grandes distâncias para caçar, ainda assim, a área é exageradamente grande, dando a entender que são outros os propósitos de tal tipo de demarcação, tal como ocorreu com os Ianomâmis..

 (Voltar para o índice)

Quais os interesses envolvidos? Existe o risco da internacionalização da Amazônia?

O risco existe, é real e atual .Os interesses são os de sempre: a ganância, o lucro, a pilhagem, a dominação dos mais fortes sobre os mais fracos. Ambas as regiões são riquíssimas em ouro, vários minerais estratégicos e biodiversidade, além de grandes reservas de água doce. Como retirar isso do Brasil sem ser incomodado e sem ter necessidade de uma invasão militar? Por artifícios político-diplomáticos como os que têm sido feitos. Não dando certo, propor a "internacionalização da Amazônia". Em último caso, se nada disso funcionar… Bem, o certo é que a pilhagem não pode ser interrompida. Neste tópico, paro por aqui (pesquisem sobre a 4ª frota naval americana e outros assuntos afins). Temos recebido várias denúncias e até documentos de testemunhas que teriam vivenciado alguns desses fatos, desde 1990, mas, pela gravidade do assunto e pela impossibilidade material de uma investigação consistente e "in loco", preferimos preservar as identidades das fontes e a divulgação dos documentos, limitando-nos a externar nossa opinião. Mesmo assim, ficam aqui os agradecimentos a todos esses colaboradores.  (Voltar para o índice)

Qual foi o grande erro da Diplomacia Brasileira?

 

 A conseqüência desse lamentável equívoco (???) é a possibilidade de que tribos indígenas troquem a tutela disfarçada pela tutela oficial de potências estrangeiras, reinvindicando a sua independência como "nação" autônoma, porém controlada indiretamente por outro país que não o Brasil. Estaria aberta a porta para a interiorização da invasão. A maior prova de que foi mesmo um erro, é que países como Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia não entraram no engodo e recusaram-se a assinar a declaração, principalmente porque o documento restringe as ações militares em reservas indígenas. E isso é tudo o que os estrangeiros querem. Para nós, é óbvio. Só o Brasil e o Itamaraty não viram. Ou viram mas não deram a devida importância.  (Voltar para o índice)

Um exemplo e uma prova da trama conspiratória: o documento "Diretrizes Brasil Nº 4":

Este documento, embora pouco conhecido, é público e foi divulgado na Revista do Clube Militar, ed. novembro/1999. Denuncia uma conspiração do "Conselho Mundial de Igrejas Cristãs para a Amazônia Brasileira", orientando as organizações missionárias radicadas no Brasil, para infiltrarem-se na Amazônia, na Política e no Governo, com o propósito de…"preservar o território da Amazônia para o seu desfrute pelas grandes civilizações européias" (sic) (grifo nosso).

Leiam, abaixo, o inteiro teor deste curioso e revoltante documento, que corrobora praticamente tudo o que foi dito anteriormente, principalmente, quanto aos reais objetivos da presença de ONGs estrangeiras na Amazônia:


     DIRETRIZES BRASIL

DIRETRIZES BRASIL
.
– Diretrizes do Conselho Mundial de Igrejas Cristãs para a Amazônia Brasileira –
 
DIRETRIZES BRASIL No 4 – ANO "0"
PARA: ORGANIZAÇÕES SOCIAIS MISSIONÁRIAS NO BRASIL

    1 – Como resultado dos congressos realizados neste e no ano passado, englobando 12 organismos científicos dedicados aos estudos das populações minoritárias do mundo, emitimos estas diretrizes, por delegação de poderes, com total unanimidade de votos menos um dos presentes ao "I Simpósio Mundial sobre Divergências Interétnicas na América do Sul". 
    2 – São líderes deste movimento:
    a) Le Comité International de la Defense de l’Amazonie;
    b) Inter-American Indian Institute;
    c) The International Ethnical Survival;
    d) The International Cultural Survival;
    e) The Workgroup for Indigenous Affairs;
    f) The Berna-Geneve Ethnical Institute e este Conselho Coordenador.
    3 – Foram contemplados com diretrizes especificas os seguintes países: Venezuela No 1; Colômbia No 2; Peru No 3; Brasil No 4, cabendo a Diretriz No 5 aos demais países da América do Sul.

A AMAZÔNIA É
PATRIMÔNIO DA
HUMANIDADE E NÃO
DOS PAÍSES
QUE A OCUPAM

    DIRETRIZES:
    A – A Amazônia Total, cuja maior área fica no Brasil, mas compreendendo também parte dos territórios venezuelano, colombiano e peruano, é considerada por nós como um patrimônio da Humanidade. A posse dessa imensa área pelos países mencionados é meramente circunstancial, não só por decisão de todos os organismos presentes ao Simpósio como também por decisão filosófica dos mais de mil membros que compõem os diversos Conselhos de Defesa dos Índios e do Meio Ambiente.
    B – É nosso dever: defender, prevenir, impedir, lutar, insistir, convencer, enfim esgotar todos os recursos que, devida ou indevidamente, possam redundar na defesa, na segurança,  na preservação desse imenso território e dos seres humanos que o habitam e que são patrimônio da humanidade e não patrimônio dos países cujos territórios, pretensamente, dizem lhes pertencer.

É NOSSO DEVER
INDEPENDER, POR
RESTRIÇÃO DE SOBERANIA,
AS ÁREAS OCUPADAS
PELOS INDÍGENAS.
É NOSSO DEVER
PROMOVER A REUNIÃO
DAS NAÇÕES INDÍGENAS
EM REUNIÕES DE NAÇOES.

    C – É nosso dever: impedir em qualquer caso de agressão contra toda a área amazônica, quando essa se caracterizar pela construção de estradas, campos de pouso, principalmente quando destinados a atividades de garimpo, barragens de qualquer tipo ou tamanho, obras de fronteira, civis e militares, tais como quartéis, estradas, limpeza de faixas, campos de pouso militares e outros que signifiquem a tentativa de modificações ou do que a civilização chama de progresso. 
    D – É nosso dever: manter a floresta amazônica e os seres que nela vivem, como os índios, os animais silvestres e os elementos ecológicos, no estado em que a natureza os deixou antes da chegada dos europeus. Para tanto, é nosso dever evitar a formação de pastagens, fazendas, plantações e culturas de qualquer tipo que possam ser consideradas como agressão ao meio.
    E – É nosso principal dever: preservar a unidade das várias nações indígenas que vivem no  território  amazônico, provavelmente há milênios. É nosso dever: evitar o fracionamento  do território dessas nações, principalmente por meio de obras de qualquer natureza, tais como estradas públicas ou privadas, ou ainda alargamento, por limpeza ou desmatamento, de faixas de fronteira, construção de campos de pouso em seus territórios. É nosso dever considerar como meio natural de locomoção em tais áreas apenas os cursos d’água em geral, desde que navegáveis. É nosso dever permitir apenas o tráfego com animais de carga, por trilhas na floresta, de preferência as formadas pelos silvícolas.
    F – É nosso dever definir, marcar, medir, unir, expandir, consolidar, independer por restrição de soberania, as áreas ocupadas pelos indígenas, considerando-as suas nações. É nosso dever promover a reunião das nações indígenas em uniões de nações, dando-lhes forma jurídica definida. A forma jurídica a ser dada a tais nações incluirá a propriedade da terra, que deverá compreender o solo, o subsolo e tudo que neles existir, tanto em forma de recursos naturais renováveis como não renováveis. É nosso dever preservar e evitar, em caráter de urgência até que as novas nações estejam estruturadas, qualquer ação de mineração, garimpagem, construção de estradas, formação de vilas, fazendas, plantações de qualquer natureza, enfim, qualquer ação dos governos das nações compreendidas no item 3 destas diretrizes. 
    G – É nosso dever: a pesquisa, a identificação e a formação de líderes que se unam à nossa causa, que é a sua causa. É nosso dever principal transformar tais líderes em líderes nacionais dessas nações. É nosso dever identificar personalidades poderosas, aptas a defender os seus direitos a qualquer preço e que possam ao mesmo tempo liderar os seus comandados sem restrições.

É NOSSO DEVER
GARANTIR A
PRESERVAÇÃO DO
TERRITÓRIO DA
AMAZÔNIA PARA O SEU
DESFRUTE PELAS
GRANDES CIVILIZAÇÕES
EUROPÉIAS.

    H – É nosso dever: exercer forte pressão junto às autoridades locais desse país, para que não só respeite o nosso objetivo, mas o compreenda, apoiando-nos em todas as nossas diretrizes. É nosso dever conseguir, o mais rápido possível, emendas constitucionais no Brasil, Venezuela e Colômbia para que os objetivos destas diretrizes sejam garantidos  por  preceitos constitucionais.
    I  – É nosso dever: garantir a preservação do território da Amazônia e de seus habitantes aborígenes, para o seu desfrute pelas grandes civilizações européias, cujas áreas naturais estejam reduzidas a um limite crítico.

    Para que estas diretrizes sejam concretizadas e cumpridas, com base no acordo geral de julho passado, é preciso ter sempre em mente o seguinte:

    a. Angariar o maior número possível de simpatizantes entre pessoas poderosas, políticos, sociólogos, antropólogos, jornalistas e seus veículos de imprensa. Cada simpatizante deve ser instruído para que consiga mais dez colaboradores, e estes, por sua vez, aliciem mais dez e assim sucessivamente, até formarmos um verdadeiro exército de simpatizantes.  (GRIFO NOSSO)
    b. Enfatizar o lado sensível das comunicações, permitindo que o lado básico permaneça embutido no bojo do objetivo, evitando discussões em torno do tema. No caso dos países abrangidos por esta ação, é preciso levar em consideração a pouca cultura de seus povos, a pouca perspicácia de seus políticos, ávidos por votos que a Igreja prometerá em abundância. (GRIFO NOSSO)
    c. É preciso infiltrar missionários e contratados, inclusive não religiosos, em todas as nações indígenas, para aplicar o Plano Base destas  Diretrizes,  infiltrando-os também em todos os setores da atividade pública, a fim de viabilizarem a boa execução desse plano." (GRIFOS NOSSOS)

 

*********** Fim do documento ***********

Conclusão:

Para essas instituições "religiosas", desprovidas de qualquer senso ético e de moralidade, quando o objetivo é o enriquecimento ilícito, e quando elas se colocam a serviço do capitalismo selvagem, tudo é válido. E, no caso do Brasil, julgam ser mais fácil ainda, porque consideram-nos "um povo de pouca cultura", comandado por um bando de "políticos idiotas, ávidos por votos" e que, por isso, não merece ter a soberania de uma região rica como a amazônica, que deve ser resguardada "para o desfrute das grandes civilizações européias" (sic). Pode? Nunca vi nada mais aviltante do que isto, partindo de instituições que se dizem "religiosas". É simplesmente revoltante.

Quanto aos nossos políticos, diplomatas, governantes e ilustres ministros do STF, seria bom que se informassem melhor; aqueles, antes de de decidirem propor, aprovar ou não um projeto e estes, os supertogados, antes de julgarem e proferirem seus votos ou decisões. Um erro a mais nas questões amazônicas e ambientais, sabe-se lá que conseqüências desastrosas poderá trazer para o país.

 =====================================================

Fontes: Na montagem deste artigo, várias fontes de informação e pesquisa foram utilizadas e ser-nos-á impossível citar todas, porque também recebemos colaborações de nossos leitores, cujas identidades e a pedido, serão preservadas. Mesmo assim, vamos citar algumas das principais fontes, onde o leitor poderá pesquisar os fatos relatados e tconferir os porquês das nossas conclusões ou tirar as suas próprias:

 (Voltar para o índice)

Vídeo do sertanista-indianista Orlando Villas Boas:

Uma visão profética sobre o futuro das reservas indígenas na Amazônia:

 [youtube tzBaui-zTRE]

Neste vídeo, o grande indianista brasileiro previu (e acertou, pelo menos por enquanto), o que iria acontecer com as reservas indígenas da Amazônia, onde dizia que os índios iriam aprender Inglês e voltar para o Brasil para auxiliar os estrangeiros a reivindicar a autonomia das nações indígenas.

                                                            (((((((((((((((((((((((((((((( O ))))))))))))))))))))))))))))

 

Talvez você também se interesse por estes artigos correlatos:

 (Voltar para o índice)   (Início do artigo)

Technorati : , , , , , ,

 

Depois do nefando erro do Governo Collor, o maior foi cometido pela Diplomacia Brasileira ao assinar, em 2007, a Declaração da Assembléia Geral das Nações Unidas sobre os "direitos dos povos indígenas", conforme assinala o editorial do jornal Folha de São Paulo, de 30/08/2008. A Declaração prevê a "autodeterminação" de povos indígenas. Ocorre que, conforme dito naquele editorial, "O acervo constitucional brasileiro não abriga o conceito de "povos" nem de "nações" indígenas. A lei fundamental admite apenas uma nação, um território e uma população, a brasileira." (grifo nosso).

Blogger PostBookmark/FavoritesDiggEmailFacebookGoogle GmailGoogle+LinkedInPrintFriendlyTwitterYahoo MaildiHITTShare

9 Comentários

  • Wilson Mainardi disse:

    Que coisa espantosa e, ao mesmo tempo, curiosa… Sou professor universitário de Economia Política e algumas vezes, em minhas aulas, sou obrigado a enveredar pelo terreno da Ecologia e até da História, para poder explicar um tópico atual e fazer com que os alunos entendam.

    Meus alunos são, em sua maioria, jovens com uma média de idade entre 22-24 anos, com pouquíssima experiência de vida e, a bem da verdade, nem muito chegados ao estudo. Estudam por necessidade e imposição, mas sem amor e dedicação. Mesmo assim, quando abordo um tema semelhante a este, porque, no fundo, tudo está ligado às questões econômicas e políticas (sou suspeito para falar), eles entendem, de pronto, a gravidade da situação. E se eles, jovens e inexperientes entendem de pronto o problema e as ameaças à nossa soberania, como pode políticos e juristas experientes e calejados não entender? Não dá para acreditar.

    Para mim, “existe algo de podre no Reino da Dinamarca”. Seriam os políticos e os próprios juristas da mais alta corte “traidores da pátria”? Ou estão sendo forçados a agir assim? E se são forçados, por quem?

    Espero que outros debatedores esclareçam a questão. Se não tiverem coragem de expor abertamente seus pontos de vistas, com as suas identidades (ninguém sabe o perigo que existe), usem pseudônimos, mas, por favor, EMITAM SUAS OPINIÕES, EXPLIQUEM ISSO! Eu, confesso, não consigo entender e nem o que explicar aos meus alunos, o que leva os nossos governantes a serem tão lenientes com essas coisas.

  • Izidro Simões disse:

    Prezado Wilson Mainardi, as pessoas socialmente mínimas como nós, não influenciam em nada, embora possam eleger alguém que influencia ou influenciará, DE FATO.

    As GRANDES intrigas de bastidores dão-se apenas entre os GRANDES DO MUNDO, aquilo que popularmente dizemos ser BRIGA DE CACHORRO GRANDE.

    Os juristas sabem, sim, do que se trata, até mesmo por dever de ofício. Interessar-se ou decidir pela Justiça do assunto, já é um OUTRO ASSUNTO.

    Tire uma linha pelo que fizeram Collor, FHC e Lula, nessa questão de reservas indígenas.

    Na verdade, FHC FOI O QUE MAIS ENTREGOU TERRAS PARA ONGs ESTRANGEIRAS EM RORAIMA, NAS FRONTEIRAS OU MUITO PERTINHO DELAS.

    Entre Lula e FHC existe apenas GRANDE diferença cultural, mas não, de intenções.

  • Nelson disse:

    A quase ausência de comentários a uma matéria dessa importância, demonstra o desconhecimento e o descaso dos brasileiros para com o país onde seus filhos e netos viverão, infelizmente esse povinho, por falta de apoio da grande mídia cabrestiada, só se preoucupa mesmo é com cerveja,carnaval e futebol.
    Os abutres do norte,assim como todo abutre,geralmente não abate a presa espera ela adoecer e morrer para aproveitar seus despojos; ao contrário do que ocorre na natureza, os abutres do norte, são estrategistas da melhor qualidade, no exterior, plantam a desinformação e por aqui, disseminaram uma doença chamada “ONGs” para abater sua presa, levaram caciques para o exterior, ensinaram-lhes inglês, fazendo-lhes lavagem cerebral, corrompendo-lhes a alma e a vontade, estes, voltam com”ideologias nacionalistas”, achando que os gringos realmente se intereçam por eles; CONVERSA FIADA, eles estão de olho mesmo é no ouro, urânio, nióbio, titânio, diamantes e tantas outras riquezas minerais da região; a essas alturas, já sabem muito bem, através de sua alta tecnologia, onde se localiza cada jazida; então, nada melhor do que uma ONG “boazinha” para imediatamente plantar em cima da jazida uma aldeiazinha, e ao mesmo tempo fornecer dinheiro para corromper políticos trairas.
    Não estou falando que o índio possa e não deva possuir direitos, mas esses direitos não podem por em risco a segurança e a soberania da NAÇÃO BRASILEIRA como um todo (rico, pobre, branco, preto, índio ou mestiço).
    O índio não caça e pesca a uma distância maior 5 km, do contrário, precisaria de bestas para carregar a carga,voçes já viram ou conhece alguém que consegue carregar 20 kg de mandioca por uma distância maior do que essa? Uma capivara adulta pesa em média 60kg,uma anta pode chegar a 300kg. então pra que demarcar 1/2 do território de Rorâima para os índios? Deve-se lembrar que incluindo as áreas de preservação ambiental esse percentual chega a 85% do territòrio.
    A resposta é óbvia,numa região desabitada, é muito mais fácil de ser isolada e dominada militarmente, e a suposta “defesa dos ìndios”, seria a desculpa que usariam para isso;somando-se a isso que a região faz divisa com a guiana inglesa, com a instalação de bases militares americanas na Colômbia e a reativação da 4ª frota americana,temos aí um tabuleiro bastante sinistro com o qual querendo ou não,teremos que jogar, mesmo sabendo que será o vencedor.
    Se essas “ONGs” gostam tando de defenderem os “interesses” dos índios, porque não vão fazer isso em favor dos índios norte-americanos? Por que não exigem indenizações bilionárias do governo americano pelos massacres que sofreram no passado? Por quê não exigem que as reservas indìgenas localizadas nas desérticas regiões do meio oeste, sejam transferidas para as férteis terras do vale do misissipe? Por quê não se vê nenhuma “ONG” defendendo “interesses dos índios nordestinos , dos malacaxis do norte de Minas, dos índios que estão morrendo de fome no MS?
    Não se vê isso em nenhum lugar do mundo,não existe isso nos outros países amazônicos,vamos parar con essa palhaçada enquanto há tempo, que se coloque a polícia federal e o exército para expulsar essa gente.

    ACOOORDA BRASIL!!!

  • Nelson disse:

    Compretando a linha de raciocínio do comentário anterior, esqueci de mencionar que o alvo principal dessa dessa orquestração maquiavélica é o nióbio e as outras terras raras existentes nas reservas índígenas de Rorâima e na região da cabeça do cachorro, esses material tem importantíssimas aplicação na fabricação de equipamentos militares, como liga na fabricação de aços especiais usados em turbinas de jatos, em foguetes e mísseis, pois é o melhor elemento liga que permite ao aço resitir às altas temperaturas desemvolvidas nesses artefatos; como se isso não bastasse, vem aí a”bomba maior”; como todo mundo sabe, o petróleo, o carvão mineral, além de serem altamente poluidores,tem data para acabar e a a despeito de todas as outras fontes de energias que possam ser exploradas ( geotérmica, eólica, marés e fotovoltaica, bio massa), nehuma se equiparará à do reator nuclear. MAS COMO? ISSO JÁ NÃO EXISTE? KKKk
    É o que voces pensaram, não é? Acontece que os reatores nucleares existentes trabalham através do prcesso de fissão nuclear, que gera um lixo atômico altamente perigoso e difícil de ser armazenado, ou seja é um verdadeiro “abacaxi”, lembram-se de Chernobil? Ou do Césio 137 de Goiânia?
    Pois bem, nos EU e na Europa, existem programas em fase adiantada no desemvolvimento do REATOR DE FUSÃO NUCLEAR, e uma vez dominada a tecnologia, produzirá energia mil vezes maior do que a produzida em reatores de fissão e com a vantagem de não produzirem lixo atômico; dificilmente a inteligência humana discobrirá algo mais eficiente do que isso. E o único material que serve para a fabricação da maior parte desse tipo de reator chama-se NIÓBIO!
    Contudo, se o reator resultar num fiasco, ainda assim vão precisar de muito niobio para as outras aplicações ja comprovadamente úteis. E o Brasil possui nada menos que 98% das jazidas mundiais, sendo ele explorado em Araxa MG e Catalão GO, e pasmem, está sendo vendido a preço de banana para americanos e europeus que compram toda a produção, fazendo depósitos estratégicos em seus países para utilizá-lo no futuro, tudo silenciosamente para não chamar a atenção.
    Bom? O que que isso tem a ver com a calha norte? Nada e ao mesmo tempo tudo, na hora em que o primeiro reator começar a funcionar de verdade demosntrado todo o seu potencial, os brasileiros vão despertar pra essa burrice de vender esse precioso metal a preço de banana e o preço vai ficar estratosférico.
    Terminada a aulinha de física, vamos ao que interessa; como esse material provavelmente teria seu preço superior ao do ouro, o Brasil da noite para o dia se tornaria a maior potência econômica do planeta, e os imperialistas não querem isso de maneira alguma, e como não encontrariam respaldo internacional algum para uma invasão no coração do Brasil, por que não tomá-lo lá nos estados do Amazonas e de Rorâima? Segundo consta, as reservas de lá são muito maiores do que as daqui.
    Sun Pin (400 ac), foi o maior estragista militar que o mundo conheceu, suas lições são tão perfeitas que servem até os dias de hoje, é o livro de cabeceira dos generais e estrategistas americanos. Dentre várias lições, vou citar apenas algumas lidas no livro: A Arte da Guerra.
    “Excele na arte da guerra aquele que vence sem usar a força, mas para isso é preciso conhecer todo o terreno, os passos do inimigo, conhecer suas fraquezas, inflitrar espiões, conquistar a populalção local com lucros aparentes, corromper lideranças locais e plantar a desinformação, porém se tudo isso não funcionar, ataque-os de surpresa, de uma forma rápida e planejada. E se tiver uma força 10 vezes maior do que a do inimigo, a vitória estará garantida.
    Tudo isso já está em curso na amazônia.
    -A mais de 20 anos, um cantor inglês vinha ao Brasil para levar o cacique Rauni para a europa levantando a “defesa das terras do ìndios”
    -No exterior já está plantada a idéia que os brasileiros são os destruidores da amazônia.
    “ONGs” internacionais são tidas pelos ingênuos índios como benfeitores e defensores de seus direitos.
    -Assina-se tratado internacional de reconhecimento de da tribo ianomani como “nação”?????????
    – Governos estrangeiros pressionaram o brasileiro para demarcação das reservas indìgenas de forma contínua.

    Diante do exposto, não é preciso ter bola de cristal para deduzir que sem a presença de fazendeiros, seringueiros e extrativistas para denunciar, os “missionários”, com livre acesso á região, sabendo onde fica cada posto do exército brasileiro e da sua movimentação, de posse de pequenos aparelhos detectam os locais onde existam materiais radiativos, mapeam com GPS, repassam isso para uma base de apoio, possivelmente, instalada na Guiana Inglesa, esses, esse de helicóptero, vêem, pousam camuflam o aparelho, fazem a prospecção com equipes especializadas e vão embora em total segurança.
    E o Sivam?
    O Sivam é de fabricação Norte-americana, seria difícil para eles, através de satélites provocar uma pane em seu softwere?

    Para terminar, no início dos anos 80, segundo pesquisei, eram uns 2000 índios, hoje já são mais de 17000; índio não usa camisinha e nem toma anticoncepcional, daqui a 50 anos podem chegar a um milhão, a floresta então não vai ter mais caça nem mandioca suficiente para alimentá-los, então vão querer explorar o nióbio, o urânio, o ouro, os diamantes e demais riquezas minerais existentes e vão declarar a independência da “nação ianomane”. Quando o governo brasileiro xiar e querer intervir, já será muito tarde a OTAM capiteneada pelos exército dos EU, já estarão lá para defender os “interesses dos índios” e comprar o níóbio e demais minerais pelos mesmos preços e talvez até mais barato que os preços atuais.
    Aí, a constituição brasileira já era, o Brasil continuará sendo o mesmo paizinho de terceiro mundo e sonho de Brasil potência, não pasará de apenas um sonho, e não se verá mais uma única “ONG” na região para m se reclamar.

  • Ivo S. G. Reis disse:

    Parabéns, Nelson, a sua visão está corretíssima e era exatamente esse, um dos aspectos que eu queria passar para os nossos leitores. è preciso que se entenda a importância estratégica da Amazônia, da riqueza mineral e biológica que existem na região e por que as ONGs estrangeiras e missões religiosas (???) estão se infiltrando lá. Por que essa ONGs e missões religiosas não vão para as regiões das secas, no nordeste? Se a missão fosse mesmo humanitária, talvez o povo nordestino da região das secas precise muito mais de ajuda do que os da Amazônia. O que você falou sobre o nióbio é a mais pura realidade e eu já pesquisei isto.

    A minha pergunta final é: se eu e você, cidadãos comuns, sabemos, será que o Governo não sabe tudo o que foi exposto aqui? Para mim, só existem 2 hipóteses: 1) Ou sabe e é omisso por irrresponsabilidade e/ou incompetência; 2) ou sabe e é conscientemente omisso, por ter sido “comprado”. A hipótese que não existe é a de “não saber”.

    É uma pena que mais brasileiros não participem da discussão de tema tão importante quanto este. Infelizmente, assim é o Brasil, um povo desinformado e social e politicamente alienado. Por isso os estrangeiros deitam e rolam em cima de nós.

  • Nelson disse:

    Prezado Ivo, passei vários dias meditando sobre a sua pergunta, e cheguei à conclusão que é tudo isso que voce falou e muito mais, eles sabem de tudo isso sim, é inimaginável que a Abim, o exército e a polícia federal não saiba disso e não tenha levado isso ao conhecimento do governo, acontece que essa gente c. de medo dos EU, por covardia pessoal e moral, acham que fazendo o que o tio sam MANDA, perderão menos. A única forma de encarar esse problema de frente, seria reaparelhando as nossas forças armadas até mesmo com armamento nuclear, assim como fizeram a India e a Coreia do Norte e agora o Irã, e isso eles não vão fazer nunca porque são “ex-pseudos-guerrilheiros”,covardes que odeiam os militares, não vão fazer nada para fortalecer essas instituições. O exército, segundo foi veiculado na imprensa a algum tempo atrás, não tinha verba nem para comprar almoço para os recrutas. Não gostam da polícia também, mas são obrigados a mantê-las senão os traficantes tomam o poder e isso eles não admitem; aliás, é a única que se preocupam.
    Assim como disse o saudoso médico, professor e deputado Enéas Carneiro (verdadeiro representante do povo brasileiro) só o NIÓBIO seria sufiente para erradicar a miséria e ignorância do povo brasileiro; mas os EUA não querem isso, o “governo” não quer isso, porque é exatamente em cima disso que eles se perpetuam no poder.

    Lamentável, triste e decepcionante, mas é a mais dura realidade.

    Mas uma coisa é certa, um dia, sendo ateus ou não, essa gente vai ter que prestar contas a Deus, aí vai ser muito tarde, vai haver muito choro e ranger de dentes!
    Que Deus me perdoe pela maldição.

  • Prezados,
    Estranho e fica a pergunta: o que será que Mangabeira Unger foi dizer à CIP e aos índios tuxauas na Reserva Serra do Sol que um general do Exército brasileiro e alguns parlamentares foram proibidos de ouvir, DENTRO DO TERRITÓRIO NACIONAL? Alegando uma determinação do ministro da Defesa, Nelson Jobim, corroborada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, Managabeira Unger informou que apenas o administrador da Fundação Nacional do Índio, Gonçalo Teixeira, o bispo de Roraima, dom Roque Paloschi e parte de sua própria comitiva estavam autorizados a participar da assembléia no Surumu.

    Os demais poderiam ir somente até Uiramutã. Sua segurança pessoal também sairia da responsabilidade do Exército e seria feita pela Polícia Federal.

    11/08/2008, o jornal eletrônico FONTE BRASIL (*) divulgou matéria sobre o repúdio de senadores e de deputados à proibição que o ministro da defesa, Nelson Jobim, impôs ao general Elieser Monteiro Filho, Comandante da 1ª Brigada de Infantaria e Selva de Roraima, de acompanhar o ministro Extraordinário de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, numa reunião do CIR (uma ONG com relações estrangeiras) com os índios tuxauas, dentro da área da Raposa/Serra do Sol, na localidade do Barro. Além do general, alguns parlamentares que pretendiam acompanhar a reunião também foram barrados.

    40% da área do Estado de Roraima é ocupada por terras indígenas…[?]
    leiam…
    http://niobiobrasileiro.blogspot.com/2008/12/niobio-minerio-brasileiro-parte-01.html

  • bony amorim disse:

    Excelente artigo, é incrivel como um assunto como esse tão importante pode passar dispercebido por nós brasileiros .moro em roraima e fico feliz e triste ao mesmo tempo em saber que nosso estado é extremamente rico,e ao mesmo tempo tbm pobre de conhecimento. Uma elite de ongs gringas dominan por aqui.existe uma livro chamado “mafia verde” que retrata muito bem tudo isso! Nossos politicos são alimentados por ongs para nao deixarem nosso estado evoluir. Se vc que leu esse artigo e esses comentarios ja pensou em visitar roraima, é bom se apressar enquanto ela supostamente de fato é nossa,pq se nao será tarde demais!

  • federal disse:

    E profundamente lamentavel que a omissao de nosso governo tenha deixado a criacao de reserva indigena em regiao de fronteira,e inadmissivel tambem permitirem que Ongs se infiltrem livremente na Amazonia Brasileira,O governo de Dona DILMA DEVE HONRAR OS PRINCIPIOS DE SOBERANIA que todos nos Patriotas esperamos,ela nao lutou no pássado por isso?

1 Trackback or Pingback

Deixe uma resposta