• Bem-vindo, visitante, ao primeiro blog da Rede DDD

    Este é o blog principal da Rede DDD, uma rede composta por 15 sites integrados, voltados para a discussão das grandes questões nacionais e de temas polêmicos, em diversas áreas do conhecimento humano. Se você não encontrar aqui o que procura, nós o ajudaremos a encontrar, redirecionando-o para o lugar certo. Antes, porém, veja se está mesmo no lugar certo:

    Se você não gosta de questionar; se acha que tudo já foi dito antes; se acha que protestos são perda de tempo e que não vale a pena se preocupar com a devastação da natureza e com os problemas futuros da humanidade porque, quando chegar a hora certa, alguém resolverá por nós; se costuma aceitar dogmas religiosos e imposições das igrejas sem discutir e se crê que se deva entregar as soluções nas mãos de "Deus" porque "Ele" tudo resolve; se acha que ter uma religião e segui-la é o bastante; se não tem espírito libertário; se não tem senso crítico, não aceita rever seus conceitos e não gosta de reflexões nem de pensar muito... Então, provavelmente, achará que está no lugar errado e não vai gostar muito de navegar por aqui.

    Se concorda, acertou o lugar! Siga conosco e acompanhe as matérias de nossos outros sites, abaixo:


    OUTROS SITES DA REDE DDD:


    Portal DDD Botequim Filosófico Virtual Blog DDD DDD Teccnologia Bau_do_Inexplicado Formou? Disseca e Publica! Rede Irreligiosos
    Mentiras Dominantes Observatório Político Brasileiro Temas Instigantes Vida Escaneada Videoblog do Insólito Brasil, Tomografia Política Café Filosófico Virtual


Arquivo para dezembro, 2016

Papai Noel e Natal… Por que se mantém esta farsa?

Cristianismo

Papai Noel e Natal… Por que não acabam logo com isso? São dois dos mais odiosos símbolos do consumismo desenfreado e que, atualmente, não têm outra razão de ser, senão induzir a um pretenso e falso "espírito de Natal", provocar a euforia coletiva nas pessoas e levá-las a presentearem-se. Na realidade, não há nem o que comemorar porque é quase certo que o aniversariante não existiu e, se existiu, era um mortal comum, que ninguém […]Continuar lendo >>